Coisas Pouco Especiais

Acerca da nova lei do Ensino Especial, vou reproduzir aqui um comentário colhido no mural do Rui Falcão:

Depois de muitas declarações de fidelidade e de amor eterno à CIF (Classificação Internacional de Funcionalidade) o Ministério de Educação manda o aborto para o lixo. A INCLUSÃO tem destas coisas, uma vez que sendo uma ideologia de domesticação e monitorização da população aos desígnios do mercado global, tudo faz para confundir o essencial: para que servem a educação e os seres humanos? Antes era suposto o rebanho dos alunos estar separado por graus de exigência e respectivas competências. Agora basta a vontade (ou leviandade) de alguns pastores, para colocar todos ao molho e esperar pelo milagre da transformação da água em vinho AurunRed. Claro que quem agora clama pela inclusão GOLD, são os mesmos que defenderam com unhas e dentes afiados, a CIF e toda a treta psicorelatada que concedia a diferença individual. Agora lança-se a rede e apanha-se todo o tipo de criaturas que não conseguem escapar pelas malhas do novo sistema de pastoreio inclusivo…

Só quem teve de lidar, anos a fio, com as exigências das catalogações dos alunos por via da CIF é que poderá partilhar em pleno a sensação literalmente kafkiana daquela lista imensa de descritores, só verdadeiramente útil para mentes que reduzem tudo a grelhas e tabelas burocráticas.

CIF2

Não Me Tinha Apercebido…

que há um ex-ME entre os vice-presidentes do PSD, de que o mestre Feliciano é secretário-Geral. Lembrei-me do Crato e do Relvas, apesar de todas as diferenças que é possível achar nas situações. Num caso, foram precisas investigações públicas e relatórios e coisas que tendem para a lentidão. No caso actual, uma conversa deveria chegar para o mestre sair pela porta da rua de forma mais urgente do que a ânsia dos laranjinhas se chegarem aos dinheiros europeus.

MoraisSarmento

(quem é que escolheu aquela equipa? o rio moralizador e rigoroso? a sério? aquilo parece a coligação do lobby autárquico com o dos escritórios disponíveis para assessorar e dar consultoria a “projectos”)

 

Teorias da Conspiração

Aparentemente, Rui Rio deve achar que o importante é que o seu camarada de direcção Feliciano terá sido tramado por outros camaradas de partido por ter sido divulgada a fantasia que é o seu currículo académico (e não só). Como muitos outros antes dele, dos quais se distingue apenas pela enorme presunção no seu próprio valor político. Rio parece não entender que o que é mesmo grave é ter ao seu lado um tipo que (alegadamente, claro) falsifica documentos e inventa cargos.

Exp17MAr18

Pouco habituados a um verdadeiro escrutínio do que escrevem nos seus currículos, muitos políticos acham normal, desde aspirantes, elaborar currículos criativos, onde colocam o que não fizeram e apagam passagens menos claras do seu passado. Feliciano é apenas mais um, andam por aí muitos mais, só é pena que tal escrutínio não seja feito por ninguém, muito menos por quem faz vénias a coisas made in lá fora. Acreditem que sei do que escrevo, pois fui contemporâneo de muita gente que logo à saída da faculdade já tinha especializações que dariam para três carreiras, mas que ao mesmo tempo apagavam o trabalho de negro feito para obras alheias em troca de pagamentos de silêncio. Ou quem tivesse passado um par de meses por uma universidade de terceira linha nas américas para obter por cá uma equivalência a mestrado ou doutoramento em instituição de acolhimento muito favorável.

O Feliciano é apenas mais patusco. A sua tese/relatório é uma coisa aterradora a todos os níveis (e olhem que é a “versão definitiva 2”). E atenção que quem escreve isto é especialista em gralhas. Mas fazer uma coisa com uma centena de páginas com tão má qualidade de escrita e conteúdo é obra. Tentei isolar as passagens mais idiotas, do ponto de vista da sintaxe e da substância, mas percebi que seria tarefa acima do tempo que tenho disponível para parvoíces durante todo o ano. É aceder e ler, desde a epígrafe, o total descalabro que foi validado por um júri de gente que até é conhecida.

No entanto, a partir de uma referência do J. M. Tavares, dei com a passagem que não pode deixar de ser referida e que é a seguinte, na parte das actividades extra-profissionais:

“1.6.6 Município de Anfhn na província de Guijhou, China
Entre 2007 e 2011 foi Conselheiro Económico do município de Anfhn na província de
Guijhou, China.”

Ontem, no mural do JMT tentava-se perceber que sítio é este, se existe sequer. O mais perto que chegaram foi a um local chamado “Anshun”, mas nada indica que isto seja vagamente real. O resto é um currículo típico de uma aparelhista partidário que chega por duas vezes a secretário de Estado e mete o nariz em inúmeras instituições, como membro deste ou aquele corpo social e exibe isso em páginas de currículo como se fosse prova de qualquer valor acrescido.

Entre as páginas 28 e 34 da sua tese/relatório, o mestre Feliciano alinhava 100 artigos publicados na imprensa, sendo que todos são referenciados como estando na “p. 00-00”. Nem num único caso se refere a página exacta da publicação (ironicamente o artigo com o nº 6 tem o título de “Analfabetos e incultos tecnológicos”).

Na reflexão crítica sobre o seu percurso escreve este notável ex-governante:

No domínio da formação impõe-se que seja digno de registo que o ora mestrando, após a licenciatura, de forma teórica e prática, nas últimas mais de duas décadas procurou diversificar, a sua formação, nunca deixando de considerar a sua formação de base, enquanto licenciado em direito. A grande maioria das suas actividades formativas, estiveram associadas à ciência jurídica (umas mais do que outras é obvio), umas mais de caracter académico e cientifico, e outras nem tanto, como atesta o seu currículo e o seu DeGois. (p. 36)

E sobre a sua experiência profissional:

A experiencia profissional, do ora mestrando, nestes últimos mais de duas décadas, também foram muito díspares, com experiencias várias. Como jurista na condição de consultor jurídico, como professor universitário, como investigador e autor de vários livros jurídicos, como governante com responsabilidades na produção legislativa, como parlamentar e autor de vários pareceres, como conferencista, para além de muitas outras áreas profissionais. (p. 37)

A bibliografia é um gozo completo, pois o “autor” refere (p. 38) que vai seguir a Norma Portuguesa, mas depois ordena os autores pelo apelido até à letra F e pelo primeiro nome a partir da G.

Isto é muito mau. Mas há um orientador com o nome inscrito na página de rosto da tese/relatório que terá achado que isto poderia ser assim. E um júri que aprovou. A essa malta é que eu assacaria responsabilidades por qualquer tipo de “conspiração”.

FBD

 

(já agora… quem quiser e tiver tempo pode tentar verificar a que obra de Luc de Clapier pertence a citação que foi usada pelo mestre Feliciano; ficam aqui quase 600)