E Os Votos Contra Não Foram “Politizados”?

O parecer negativo sobre as alterações curriculares e a flexibilidade, anunciado há dias pelo Conselho das Escolas, não gerou apenas divisões no próprio conselho. Filinto Lima, da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, também critica aquela tomada de posição, defendendo que os diretores do país não foram ouvidos e que a posição assumida por quinze dos 27 conselheiros foi “politizada”. Críticas refutadas por José Eduardo Lemos, presidente daquele órgão consultivo, que lembra que os conselheiros foram escolhidos pelos seus pares e defende que dar autonomia é “deixar decidir”.

Vamos ser claros: a Autonomia e Flexibilidade Curricular só faz sentido se não for obrigatória, formal ou informalmente, porque há muitas maneiras de dizer que as escolas são livres de decidir, mas depois discriminá-las em apoios. Eu até posso concordar em gerir mais de 25% do currículo e já escrevi isso mesmo. Só que não acho correcto querer impor-se isso a toda a força, em especial quando o processo está inquinado por coisas estranhas, como saber-se que as coisas não correm bem em várias escolas-piloto, mas as suas direcções aparecerem publicamente a dizer que está tudo bem. Ou anunciar-se um sucesso enorme da experiência, quando ele é aplicada apenas numa turma de cada ano inicial. Isso já se fazia com os PCA.

A Educação voltou a ser um campo de luta ideológica e política? A verdade é que nunca deixou de o ser. Mas neste mandato volta a notar-se aquela deriva a que o PS já nos habituou quando quer usá-la como arma de arremesso político. Foi assim, em modo suave, com a paixão de Guterres (que deu espaço à primeira fase de “gestão flexível do currículo” que fracassou), e em modo agressivo com Sócrates e a sua pretensa política de modernização que deu mais jeito aos empreendedores do que à maioria dos alunos, com a Parque Escolar a criar uma primeira divisão de escolas, enquanto as restantes continuaram a debater-se com a falta de migalhas para reparações menores.

A “politização” das medidas educativas é uma evidência e o que eu estranho em alguns momentos é o “unanimismo” com que se tentam apresentar certas mudanças.

O Conselho de Escolas dividiu-se no seu parecer e expressou isso. Acaso, Filinto, a ANDAEP se reuniu e tomou posição formal sobre o assunto? E quantos participaram nessa decisão de criticar o parecer “politizado” do Conselho de Escolas? Acaso, Filinto, a adesão de alguns directores a esta medida não é, em si mesma, uma decisão igualmente “política” e táctica?

Até porque, relembremos as tuas afirmações há apenas mês e meio:

Para Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas e também diretor da Escola Básica Dr. Costa Matos que aderiu ao projeto piloto no início deste ano letivo, a medida é “muito positiva”, sobretudo porque com o caráter facultativo “dá-se autonomia às escolas para aderirem ou não de acordo com o seu projeto educativo e de acordo com o seu contexto”.

E um mês antes tinhas declarado o seguinte:

À conversa com o JPN, o diretor da Escola Básica Dr. Costa Matos, Filinto Lima, disse ser “muito prematuro fazer uma avaliação”.

Nesta escola o modelo entrou em vigor para duas turmas de 7º ano e uma de 5º. O processo de seleção teve em conta turmas que já tivessem trabalhado em projetos, explicou Filinto Lima. “Se estendesse a todas as turmas, acho que ia ser mau diretor.

Explica-me no que é que o parecer do Conselho de Escolas difere do que afirmaste nos últimos meses…

Parecer4ConsEscolas

Vou ser conspirativo: em Gaia percebe-se uma espécie de sagrada aliança socialista em redor de todas as políticas educativas do Governo, incluindo a questão da municipalização.

4 thoughts on “E Os Votos Contra Não Foram “Politizados”?

  1. Então dr Filinto, queixa-se de os diretores não terem sido ouvidos!
    Por que não se queixa de ser eleito por uma dezena de amigos ( interessados ou interesseiros…)…
    Nunca o ouvi pedir que os professores fossem “ouvidos” na eleição dos diretores.
    Nunca o ouvi pedir democracia nas escolas…
    Nunca deve ter ouvido falar de coerência.
    Por que não te calas?

    Gostar

  2. Este diretor é um capachinho que o governo usa para bater nos professores e agora nos colegas diretores. Quando não precisarem dele usam-no de alimpadura.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.