Acho Estranho…

independentemente das dúvidas quanto aos motivos, o desenfreado ataque do PCP (a ecoar o da Fenprof há perto de dois meses) à ILC e, muito em especial, o lançamento de nuvens de suspeição sobre a sua origem e os propósitos da sua comissão original. Perante as acusações veladas que são lançadas está alguém dentro do PCP interessado em apresentar provas ou farão como o “vargasdoboné” dos tempos do Umbigo (agora instalado, enquanto lutador aposentado em bom tempo, no faceprof) e limitar-se-ão a fazer alusões vagas, de uma forma hábil que pode ser sempre apenas uma “dúvida” e não mais do que isso? Irão concretizar o que (não) sabem sobre os promotores da ILC e sobre as suas “tenebrosas” ligações?

Porque mente o PCP, independentemente das dúvidas quanto à sua eventual falta de informação, em coisa tão facilmente verificáveis? Que “lei” está no OE para 2018 que prevê a recuperação do tempo de serviço docente? O artigo 19º diz outra coisa, completamente vaga.

OE2018 Art19

Está o PCP, independentemente das dúvidas quanto às suas motivações, a servir objectivamente como muralha d’aço do governo e do PS nesta matéria?

Está, o PCP, independentemente das dúvidas quanto à sua estratégia de alianças a curto ou médio prazo, a servir de agente provocador para que o pessoal da ILC se concentre neste tipo de ataques e descure os seus objectivos?

Sendo o PCP um partido com paredes de vidro, independentemente das dúvidas quanto ao que o move neste particular, gostava que não usassem cortinas de fumo, com comunicados do “colectivo”, em que ninguém se responsabiliza por dar a cara no “combate” contra quem sempre a deu, não receia as alusões maldosas e quando faz ataques não se refugia em gabinetes de imprensa ou centrais de comunicação como a do “outro lado das notícias”.

A iniciativa ganhou projecção mediática nos últimos dias, depois de ter atingido as 20 mil assinaturas necessárias para que seja discutida pela Assembleia da República. Entre os promotores contam-se Luís Braga, o professor que mais tem dado a cara na comunicação social, e Paulo Guinote, que, para além do lugar cativo no Público, tentou desmobilizar os professores da manifestação nacional, em entrevista ao Diário de Notícias.

(a entrevista está aqui para quem quiser ler, mantendo tudo o que nela afirmei; quanto ao “lugar cativo” no Público, onde voltei a escrever após quase dois anos de interregno, teria a acrescentar que escrevo também com muito orgulho no Jornal de Letras, mas não sou colunista residente de prosas breves no Correio da Manhã)

Gostaria que percebessem uma coisa… no meu caso, desde que me meti nestas confusões, sempre disse que no dia 1 de Setembro seguinte estaria na minha escola e sempre o cumpri. Ao contrário de gente que, independentemente das razões quanto às origens da sua desafeição em relação ao quotidiano escolar, fica tosquiada num curto parágrafo, porque já se esqueceu de ser professor e não passa de um operacional político, um sindicalista vitalício.

Com eleições na Fenprof marcadas para 2019, sobre um eventual abandono, Mário Nogueira, de 60 anos, afirma apenas que ainda pensa voltar a dar aulas. Di-lo sem grande convicção, o que nele é uma raridade.

Está o PCP, independentemente das dúvidas quanto às razões, consciente da impopularidade de certos “representantes” nas salas de professores deste país?

Já agora, acham mesmo que é atacando-me política ou pessoalmente que ganham alguma coisa?

Tosquia

 

 

 

9 thoughts on “Acho Estranho…

  1. 1º safar o mário da fenprof pois foi ultrapassado pelos dissidentes do stop…
    2º ser diferente do BE (que inicialmente disse que apoiaria os professores na luta),
    3º A ortodoxia é lixada….e ” o legislador sou eu”….disseram (salvo erro uma deputada do pc) que já havia legislação patatipatata…..
    4º Notoriamente está completamente perdido e não vê a sul do mondego a perder em toda a linha votações, pois a norte não pega…..
    5º quiça o putin já não lhes liga, nem os tipos da coreia do norte….quando muito os da venezuela….nem angola os safa….
    6º são algumas das alegadas teorias da conspiração….

    Gostar

  2. A questão das reformas tem sido uma preocupação imensa e os dois anos e pouco resolveriam certamente a coisa para quem está com 60 de idade e 30 de carreira com um ou dois de prática lectiva e em que escalão? Não deveria estar para se chatear contigo nem os seus amigos e amigas, que estão quase todos em situações confortáveis a não ser que sejas mesmo uma ameaça maior do que parecias há 10 anos. E se fazes mesmo mesmo escola? Mas que coisa … uma pessoa permanecer aí pela linha da frente sem ser por estar colada a chavões do tipo ‘a luta continua’ e ‘unidos venceremos’ e sem tirar cursos ao domingo e sem se sujeitar às máquinas… Sendo professor, investigador, essas coisas e outras. Veiculo de cultura, até em Banda Desenhada … não é para todos. Se o MN vier a dar aulas numa qualquer universidade, não me espanta nada.

    Gostar

  3. Ou seja, tudo isto é bom sinal! Os do costume começam a mostrar o seu incómodo. Pena é que o mexilhão seja sempre o mesmo!
    E estes senhores não se esqueçam que, se vierem a ser decretados serviços mínimos, vão ficar associados – enquanto suporte do governo – ao momento histórico em que, pela primeira vez em democracia, é proíbida explicitamente uma greve (uma vez que todos os prof.s devem estar presentes nas reuniões de CT).

    Gostar

  4. Eu leio exatamente no artigo 19 e acho que é perfeitamente uma leitura possível, – ainda por cima no contexto em que nas carreiras gerais da função pública o tempo foi totalmente contabilizado e isso é que provocou a indignação generalizada dos professores pela discriminação negativa, – volto a dizer, eu leio que é o tempo de serviço todo e não uma parte que deve ser contado e que só o prazo e o modo é que deve ser negociado. Essa negociação do prazo e modo é que deve fazer com que a recuperação seja sustentável e compatível com os recursos. E não é uma lei dentro do orçamento é a lei do orçamento que no seu artigo 19 define isso mesmo.

    Gostar

  5. Se é o modo e se as reformas são tão importantes, que tal propor a troca do tempo de serviço a recuperar por tempo de antecipação na idade de reforma sem penalizações. Penso que as salas de professores aceitariam de bom grado essa possibilidade. Ela já andou por aí, faz uns meses. Mas desapareceu de cena.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.