40 thoughts on “Já É Sexta-Feira, 13… A Começar Por Faro

      1. Dado não fazer parte das nossas funções, é uma pergunta interessante.
        Sempre me interroguei sobre o que aconteceria, caso calhasse fazer tudo mal. Talvez um dia venha a descobrir.

        Gostar

  1. Decreto-Lei nº 497/88 de 30-12-1988

    CAPÍTULO II – Férias

    ———-

    Artigo 10.º – Interrupção das férias

    5 – Por razões imperiosas e imprevistas, decorrentes do funcionamento do serviço, pode ainda ser determinada a interrupção das férias, sem prejuízo do disposto no n.º 2 do artigo anterior, por despacho fundamentado do dirigente máximo do serviço, podendo o período correspondente à interrupção ser gozado, com as devidas adaptações, nos termos do número anterior.
    6 – A interrupção das férias dos dirigentes máximos dos serviços, nas condições previstas no número anterior, é determinada por despacho fundamentado do respectivo membro do Governo.

    Tem que ser o governo a emitir um despacho

    Gostar

    1. O Governo tem que emitir despacho para interromper as férias dos “dirigentes máximos dos serviços” e não dos professores. A não ser que tenhamos sido promovidos a “dirigentes máximos do pagode da esquina de baixo”.

      Gostar

    2. Não somos todos dirigentes máximos dos serviços. Segue-se que não tem que ser o governo a produzir despacho.
      Obrigado pela legislação. Dá “substância” à troca de opiniões.

      Gostar

  2. E esta licenciada está preparada para pagar hotéis, casas alugadas, viagens de avião ou do que for, carros alugados, enfim, todas as despesas inerentes a viagens e férias já marcadas e pagas pelos seus professores? E danos morais, igualmente previstos na lei? E pagamento de horas extraordinárias pelo trabalho realizado no períodos de férias? E depois? Vai autorizar-lhes férias em Setembro? E o que vai fazer com as férias dos professores contratados que as terão de gozar obrigatoriamente até 31 de Agosto?

    Gostar

  3. Este foi apenas o primeiro caso.
    Amanhã virão outros iguais.Lamento dizer, mas acho que será assim.
    Foi como disse o colega Manuel… o Governo já despachou para os directores.
    Previsível.Tão previsível…
    E o MárioQuotas e o Silv@fne ralados…o último que apague a luz…já deram à sola…
    Uma tristeza.Parece uma brincadeira de meninos.
    Estratégia do pior. Inimaginável.
    Vai virar colegas contra colegas.
    Imagino…
    Vota PS !!!!

    Gostar

  4. Conheço alguém responsável máximo de um executivo que já andava a ameaçar com isto … “Façam greve façam que passam cá as férias” Sabem a novidade… Já esteve 8 dias de férias ….

    Gostar

  5. É muito fácil atemorizar quando os docentes ( uma grande maioria), não consegue interpretar a legislação em vigor. Nada como recorrer aos serviços jurídicos dos sindicatos e ficar a conhecer os direitos associados a qualquer ação, interposta por qualquer dirigente de serviço, vulgo diretor de estabelecimentos de ensino.
    A lei é clara, os mapas de férias já estão disponíveis e aprovados,cabe ao diretor emitir um despacho devidamente fundamentado da interrupção das férias nominal dos docentes em causa. A partir daqui o docente só tem que entregar a contestação e solicitar os respetivos pagamentos de gastos associados ao exercício do direito de férias ( reservas, transportes, etc).

    Gostar

    1. Colega(?) , não deve trabalhar nas escolas.
      Se a Constituição não é cumprida por quem deveria dar o exemplo…

      Os Sindicatos,concretamente esta plataforma, também não são o melhor exemplo na defesa dos interesses dos professores.

      Gostar

    1. Claro. Diretor, não fica doente, não tem imprevistos, não tem família e, claro, não tem obrigações a cumprir.
      Tudo isto durante décadas!!!!!!
      Mas tem, aumentos substanciais, viagens, ajudas de custo, “eleições” norte-coreanas…
      Tudo isto num país que se diz democrático e com um governo dito socialista!!!!!!!!!!!

      Gostar

    2. Mas não é só o diretor! É toda a sua “entourage”.
      E também há alguns protegidos que conseguem trocas mirabolantes e alterações de serviços para fazer face às sua agendas pessoais. 😦

      Gostar

  6. Alguns diretores lembram-me o lumpenproletariat. Sem consciência de classe. E quem os contraria arrisca horário saltitante no ano letivo seguinte ou avaliação fraquina. Também reconheço que a pressão do ME deve ser imensa! Já sei em quem não vou votar nas próximas eleições!

    Gostar

    1. Consciência de classe???
      Há dez anos que deixaram de ser professores e sabem que não voltarão a sê-lo.
      Existem apenas para encher os bolsos e perseguir os zecos.
      A democracia nas escolas (onde se transmitem os valores da mesma ) MORREU.
      Como se pode transmitir/dar aquilo que não se tem??????

      Gostar

      1. … e ainda demitem-se diretores de serviço (médicos e outros), demitem-se dirigentes vários, quando têm DIGNIDADE e algo vai mal. Quantos diretores de escola se demitiram nos últimos tempos? ZERO .
        Claro, está tudo bem, os malandros dos professores é que andam loucos…

        Gostar

  7. Lamento desiludi-lo mas os Professores votam maioritariamente PS.
    Eu não, de certeza.
    Mas é uma verdade que esses loucos nos rodeiam nas salas de professores.
    O que mais me repugna é que, quando um desses exemplares é confrontado com a merda que fez, dar-me a resposta: “Então em quem é que se há-de votar?”. De facto, estamos rodeados de gente estranha…

    Gostar

    1. Já votei PS…, MAS DESDE Sócrates e a Milú nunca mais, Aliás considero Este António Costa um ditadorzito. Enganou o PC e o BE e prepara-se para enganar o PSD. Professores, Médicos… Juízes…com tantas razões de queixa… que se votarem PS só podem ser loucos mesmo. Vejam só como este Primeiro-Ministro afastou o António Seguro de líder do PS; um expert em chegar ao poder e manter-se por lá, enganando tudo e todos. Tenho dito.

      Gostar

    1. Acrescentei algumas ideias no seu último comentário. Mas só para que não hajam equívocos, devo dizer que neste momento nenhum Partido me convence. Em todo o caso, se o BE votar favoravelmente a ILC (MAIS DE 20.000 assinaturas) será um caso a ponderar.

      Gostar

    1. Um dos grandes males da nossa profissão é que os sindicatos estão partidizados.

      É raro ler um comentário que não faça referência direta ou indiretamente a uma opção partidária.

      Gostar

  8. Sei que para muitos de vós já desmobilizaram e se preparam para fazer as últimas tarefas e ir de férias. Podem achar que aqueles que continuam em greve e que se preparam para a levar até ao final do mês são uns anjinhos e que a luta já terminou na quarta feira. Enganam-se, há ainda muitas escolas em luta, há ainda muitos professores que se recusam a serem ovelhas, ovelhas que seguem os líderes sindicais, que lideram apenas 20% dos professores. Eu não sou masuquista, eu não sou um professor com rendimentos extras, eu vivo do meu salário, não dou explicações, e podia dar na boa, visto que sou de uma área com bastante procura, por isso, se faço mais este sacrifício, é por uma questão de honra! Felizmente que o STOP permitiu com a sua greve a muitos docentes limpar a sua imagem de ovelhas. Obrigado STOP

    Gostar

  9. Pois… para quem não acreditava e dizia que não era possível e tal , pq tinham de pagar ferias e tal e legislação não permitia e tal, Ai Está a Prova física.
    Não se esqueçam que as direções tem cobertura do ME e do Governo e da lei.

    Pagar indemnizações e tal, leva muito tempo em tribunal e o €€€ para pagar possíveis indemnizações já foi poupado pela greve promovida pelos partidos e seus braços armados(fne+fenprof).

    Gostar

  10. Os especialistas em Direito do Trabalho ouvidos pelo PÚBLICO também têm interpretações divergentes. A Lei Geral de Trabalho em Funções Públicas não faz qualquer referência sobre situações como estas. Nesses casos, aplica-se o Código de Trabalho, que define que em situações de “necessidade imperiosa” podem ser adiados os períodos de férias dos trabalhadores que já se encontram marcados, diz o especialista Fausto Leite. A “enorme gravidade da situação, em que estão em causa as vidas dos estudantes e as avaliações” corresponde ao tipo de situações extraordinárias em que seria admissível a alteração das férias já marcadas, admite. “Não me repugnaria que isso acontecesse”, sublinha.


    De qualquer das formas, caso uma situação como estas viesse a acontecer, os trabalhadores têm direito a remarcar as férias ou, caso não as pudessem gozar — o que será o caso dos professores que em Setembro têm que estar novamente nas escolas — seriam ressarcidos pelos dias de férias não gozados.

    Gostar

  11. Ouvi dizer, se calhar ouvi mal na televisão, que o STOP pode prolongar a Greve para o mês de Agosto. Não sei se ouvi bem, pois apanhei a notícia da RTP1 na parte final.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.