Nestas Matérias, Concordo Comigo

Durante cerca de 10 anos, o professor do 2.º ciclo Paulo Guinote, um dos docentes mais activos na blogosfera, deu também aulas a turmas dos PCA. Defende que “as escolas devem ter liberdade para definir o que consideram ser as respostas mais adequadas para os seus problemas de insucesso e abandono escolar”, que é mesmo “indispensável” que essa possibilidade exista, mas que tal só terá hipóteses de sucesso se for “construído um currículo mesmo alternativo”, o que passará por encarar estas turmas de modo diferente e por atribuir mais recursos às escolas.

“É errado definir os currículos destas turmas com base nos meios humanos que as escolas têm disponíveis, porque em muitas situações é indispensável a contratação de docentes com um perfil diferente”, defende Guinote, acrescentando que na situação actual a autonomia de que as escolas dispõem “é a mesma que tem um prisioneiro na forma de organizar o mobiliário da sua cela”.

Por outro lado, aponta, “é também necessário que as turmas dos PCA deixem de ser encaradas como sendo quase em exclusivo para alunos problemáticos, a quem é necessário garantir a qualquer preço o sucesso, mesmo que seja reduzindo drasticamente os níveis de exigência académica”. Até porque esta “simplificação”, alerta Guinote, põe em causa a possibilidade destes estudantes terem êxito no ensino secundário, já que as aprendizagens que obtiveram “não têm correspondência com o que é exigido” neste nível de ensino.

CatAlice

De Que Planeta Aterrou António Costa?

O actual PM tem direito a mais de uma página no Expresso de hoje para repetir a sua ladaínha truncada e manipuladora contra as pretensões dos professores acerca da recuperação do seu tempo de serviço. Como uma espécie de Pôncio Pilatos, refugia-se num formalismo que, para outros efeitos, atropela sem grandes problemas.

Exp18Ago18b

Ler toda a entrevista é um exercício de masoquismo a que me prestei graças ao Maurício que me enviou os recortes da dita. Serve apenas para perder qualquer dúvida quanto ao apreço que o actual PM tem pelos professores, ao contrário de alguns que insistem na bondade dos seus argumentos. António Costa é claro quando diz que no OE para 2018 nada ficou de concreto (concordo) e que uma recomendação da Assembleia da República, mesmo que assinada pelo PS mão passa disso mesmo (também concordo). Ou seja, ele confirma aquilo que escrevo há bastante tempo: ou os sindicatos foram completamente embarretados ou foram os idiotas úteis que colaboraram na pacificação dos docentes durante os primeiros dois anos da geringonça.

Mas António Costa – que tem o cuidado de não se meter a quantificar os encargos da recuperação do tempo de serviço, porque sabe que se os tais 600 milhões são uma completa mentira que, apesar de muito repetida, não se tornará verdade e, pelo contrário, poderá ser algo que o venha a ensombrar nos próximos tempos – entra a certa altura num tipo de resposta que só se pode considerar de uma enorme desonestidade política ou então de senilidade precoce.

Dixo o recorte para que se aprecie como um tipo que esteve no primeiro governo de Sócrates e que, que eu saiba, não emigrou, consegue afirmar que os professores não protestaram durante os quase 10 anos de congelamento da carreira (terá existido “tanta serenidade”), mas apenas quando foram “descongelados”.

Deveria existir um mínimo de decoro exigível em declarações públicas (ou privadas), mesmo a políticos bafejados por balsemões.

É “francamente extraordinário” como um tipo destes – lá porque anda com o rabo virado para as estrelas com a sorte que tem no actual contexto político – consegue deturpar a História por completo e achar que se vai safar umpune, porque o Bloco e o PCP querem as migalhas e o PSD é uma espécie de anti-matéria em termos de alternativa.

Exp18Ago18

Expresso, 18 de Agosto de 2018

(sim, sei que apoiei a formação da geringonça, mas também é verdade que nunca foi por achar que ela em matéria de Educação – ou em relação aos professores – seria coisa melhor dos que os pafistas, porque o azedume está inscrito no adn do núcleo duro deste governo)