Só 125%?

Chamaram-me a atenção para um grupo fechado do fbook onde se partilham experiências sobre o pafismo educacional (já agora, o ministro Tiago sempre vai a Alcanena amanhã?). NAda a obstar, até ver a imagem do mural que é uma espécie de declaração do tipo “nós esforçamo-nos mais do que vocês”.

125PAF

Quero desde já esclarecer que acho o seguinte, paradoxalmente, ao mesmo tempo:

  • Por um lado (o direito) 125% Escola é pouco numa perspectiva de leilão comunicacional. Lá por isso, eu anuncio já que deveria ser criado um grupo a garantir 143% de dedicação à Escola em nome da inclusão ou qualquer coisa assim na moda.
  • Por outro lado (o esquerdo), 125% Escola parece-me uma violência para as crianças na imagem e julgo mesmo que quando há quem se queixe que os pais passam pouco tempo com os filhos, este conceito de “Escola a Tempo Inteiro e Mais Além” é claramente uma violência.

Em seguida, gostaria que quem defende a clareza da escrita e das ideias nas “regras dos administradores para o grupo”, deveria escrever melhor. Sim, sei que parece embirração, mas é mesmo assim. Nada como servir de exemplo:

125PAFb(será que um dos administradores é o albino I?)

24 thoughts on “Só 125%?

  1. Independentemente daquilo que estivermos a falar, 125% é muita coisa! 🏆
    Escola a tempo inteiro, mais 25% de bónus para descontar numa loja de conveniência perto de si.

    Bem, isto é só para escolas com projetos futuristas mesmo, mesmo (in)flexíveis, do género: “vá para fora e deixe a criança cá dentro (de vez, para sempre…)”.

    Consegue ser uma percentagem superior à da dívida pública portuguesa (122% nas previsões para o final de 2018).

    Muito criativo, muito transversal…

    Enfim, só por cá… 🇵🇹

    1. AE de Alcanena? Este não é o agrupamento da sr.a Cohen?
      Anúncio na DGE… Muito bem.

      “Este ano, A Maior Lição do Mundo associa-se às comemorações acima referidas, bem como à promoção, junto de crianças e jovens, da cidadania ativa e à reflexão crítica para a importância da educação, da paz e da justiça no futuro das crianças, e na construção de sociedades mais pacíficas e prósperas.”
      Com este espírito ecuménico-evangelista e levam políticos como convidados??
      Que medo!! 😮

  2. Tem a ver tb com percentagens, embora fuja ao tema. A prestar atenção ao que vai dizendo o M das Finanças sobre o OE para 2019, nomeadamente a percentagem para a FP- entre aumentos e outras soluções. Uma % muito pouca que vai sendo lançada para negociação com os parceiros sociais.

  3. Assim de soslaio … fez -me lembrar “as capas” dos livros de Religião e Moral.
    Todos muito lindos,lavadinhos,sorridentes,etc.
    Coitadas das crianças (metidas nestes caldinhos ) .

    1. E todos muito branquelas. Vê-se logo que quem inventou estas tretas nunca pôs os pés numa escola a sério; só devem ir às dos betos da linha de Cascais, as escolas dos Santiago e dos Salvadores..

  4. Quem quer que tenha escrito – ou tentado – esse pedaço de excremento envergonha a classe docente.
    Sei que cada um tem a sua área específica e pode ser ótimo nela e não pescar uma sardinha das outras, mas… assassinar desse modo a língua portuguesa? Como é que alguém que se expressa assim pode ser professor?

    Conclusão: é um infiltrado! Não pode ser professor!

    PS – Hoje, houve uma série de conferências no meu agrupamento, lideradas por jovens professores universitários. No final de uma dessas conferências, duas alunas de 11.º ano ficaram para trás e disseram-me isto: «Não pode voltar a criticar as nossas apresentações orais.». E não é que têm toda a razão? Um deles era incapaz de articular quatro palavras seguidas.

    1. Para troca: tb lá tivemos alunos universitários a falar de empreendedorismo, sendo que a falta de comunicação e interacção com jovens era tão total que a gente tinha a necessidade de participar para tornar aquilo menos sonolento….

      Já no início do ano houve mini conferências sobre psicologia, flexibilidades e diferenciações pedagógicas e muito PAFC. O público alvo foram os professores.

      Ainda fiz um esforço mas não consegui e saí.

      A falta de jeito para comunicar o que quer que fosse foi fatal……

      1. Eu estive envolvidos em programas de empreendedorismo quando leccionei no uniburgo e sei mto bem que colocar alunos ou outros elementos professorais com pouca ou nenhuma experiência adequada a falar disso é o mesmo que nada ou pior do que isso. Quando entrei a primeira coisa foi “despachar” uns quantos “espertos” que achavam que dar uns slides de Empreendedorismo é o suficiente para motivar alguém. Também não basta entusiasmo pessoal, muito pelo contrário. Nem sequer colocar “jovens” a falar para “jovens”, esta ideia de “newness” constante tem que ir para cucuias. E rapidamente. Gostaria de saber quem anda a organizar essas coisas.

  5. ” O qué- qué- isto – ó – meu ? ” Se fosse vivo , Jorge Perestrelo ( relatador desportivo) , no seu divertido e inconfundível estilo afro-brasileiro, aplicaria a mesma fórmula para glosar este tema.

    1. É mesmo… como diz o magalhães: muito “lavadinhos, sorridentes”…não vislumbro um afro-descendente, um cigano, um paquistanês, um chinês, um sírio, um pré-delinquente… Se não tivessem esquecido a inclusão chegariam aos 200% (do que quer que seja).

      Quanto ao “textinho”… no mínimo é uma aberração…muito mau.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.