Sim, Senhor Ministro!

Por uma vez teria de lhe dar os parabéns por declarações que, ouvidas em primeira mão na TSF, me pareceram do melhor que disse e sem gaguejar.

No entanto, o Ministro da Educação entende que os números expressos no relatório não espelham essa relação: “A reprovação do 2.º ciclo estava em 12,5% (2013) e agora está em 5,8%”, afirmou Tiago Brandão Rodrigues em declarações à Lusa.

“Obviamente que as transições são sempre complexas, que temos de fazer um trabalho sistemático no acompanhamento dessas transições para mitigar os efeitos de mudar de escola, mudar de ciclos, de mudar da monodocência para a pluridocência, como acontece no 2.º ciclo. Mas não nos parece, pelos números que vemos, que este 2.º ciclo tenha uma implicação na reprovação e cultura de retenção, como é dito”, disse Tiago Brandão Rodrigues.

Para o ministro, qualquer alteração no esqueleto da escolaridade obrigatória e na reconfiguração do ensino básico teria de ser sempre alvo de “uma discussão alargada e profunda”.

Claro que no CNE houve uma alteração na relação de forças entre concepções sobre o Ensino Básico e agora impera aquela do básico até ao infinito e mais além. E por “básico” entenda-se não os ciclos de escolaridade, mas a concepção que dele se faz. E com jeitinho, ainda “acomodo” esta parte na comunicação de 2ª feira, assim como o desejo de que o CNE funcione como “regulador” e não como “opinador”, pois anda a perpetuar a teoria do trauma do 5º ano que as estatísticas não comprovam.

É para mim especialmente estranho que se aponte o dedo – mesmo que eu concorde com uma reformulação dos ciclos de escolaridade – exactamente ao ciclo que apresenta a menor taxa de insucesso à entrada (no 1º ciclo só podem existir retenções, salvo excepcionais excepções, no 2º ano) e a que teve melhor evolução ao longo dos últimos 5 anos. A margem de “interpretação” dos dados continua a ser enorme e não é muito razoável em organismo “técnico”.

O Estado da Educação 2017 pode descarregar-se aqui.

CNESuc2017

 

 

3 thoughts on “Sim, Senhor Ministro!

  1. “E por “básico” entenda-se não os ciclos de escolaridade, mas a concepção que dele se faz.”

    Precisamente! Mas, mas depois querem exames com rankings e tudo… Ah!, Mas depois também querem aprendizagens essenciais…Ah! Mas depois também querem flexibilidade…Vão-se catar, mas é.

    É tudo um logro. Estão a enganar as crianças e as famílias! Aqueles que tiverem dois dedos de testa, irão colmatar todo este disparate com explicações e ensino privado. Os outros? Que se lixem. É o socialismo no seu melhor.

    Gostar

  2. Ministro????!!!!
    Ainda recentemente se falou da hipótese de organização do mundial de futebol de 2030…ele, que tutela o desporto, era o único que não sabia!!!!! Ministro? Quem?
    Podia, pelo menos, ter um pingo de dignidade e ir embora.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.