A Sério…

… é um bocado para o chato um tipo fazer tudo o que pode no seu trabalho – que não é estar sentado a fazer telefonemas e trocar mails com os amigalhaços, desculpem, as “fontes” – e ligar a televisão ou abrir um jornal e aturar pessoal que não faz nada de realmente produtivo, excepto manter-se nas boas graças do chefe balsemânico, a largar bitaites sobre o perigo que representa para a nação e para as finanças cósmicas o ser contado o tempo de serviço que se prestou. Se lá na impresa, desculpem, na empresa começaram a fechar mais os cordões à bolsa e já não é a tripa-forra de há uns anos e isso traz um certo azedume à boca? Acredito. Assim como acredito que a simplismos nem sempre se deve responder na mesma moeda, mas por vezes o neurónio fraqueja e riposta-se na mesma moeda fraca dos monteiros, costas, ferreiras & companhia. Sim, é simplista dizer que eu consigo fazer o vosso trabalho, provavelmente com maior rigor e respeito pelos leitores e pela informação da opinião pública do que vós, mas a sério que acredito que vocelências não conseguiriam fazer o meu, em especial se apanhassem duas das minhas actuais turmas numa semana média. Sim, isto é capaz de ser demagógico. Ou não. Sim, sei que irrita ler coisas destas, mas acreditem que me irrita de igual forma ler-vos anos a fio a destilar sempre a mesma conversa da treta. E o mais interessante é que eu vos leio (ou vejo) na vaga esperança de que a senilidade seja melhor do que a vossa idade madura. Espero, desespero, mas leio-vos na esperança que sejam aquilo que dizem ser ou de que têm carteira profissional (em alguns casos, em outros nem isso). É chato que um gajo que desconhecem, com quem nunca partilharam um almoço daqueles memoráveis ou uma tertúlia bem regada e fumada vos moa o juízo e vos trate de uma forma pouco respeitosa. Mas é apenas porque se tornaram pouco respeitáveis. Porque criticam a pós-verdade, mas praticam-na. Porque se queixam do populismo das redes sociais, mas vão atrás do estilo. Porque mesmo quando escrevem com vírgula certa, raramente se interrogam. Porque exclamam muito, apresentam muitas reticências, mas a substância é nula ou de encomenda.

Se há gente boa no mundo da comunicação tradicional “de referência”? Sim, imensa, como entre a minha profissão que adoram destratar e menorizar como se fossem superiores à arraia miúda. Mas pouca chegou ao topo dos cabeçalhos ou a páginas inteiras logo ali a abrir. Quem chegou a general não foi por ser o melhor no campo de batalha, mas sim porque deixou os outros a queimar-se nesse mesmo campo de batalha. Do “terreno” têm uma memória difusa, de façanhas passadas, que contam e recontam até à náusea na falta de um presente. Sim há muito precariado privado, mas vocelências têm camarote vitalício, desde que alinhem pela linha certa. E como aprenderam a alinhar… Já foi há tanto tempo que já vos está impregnado a tal ponto que julgam ser a própria natureza. Acho que não existem dúvidas que a desafeição é mútua. Mas de vez em quando gosto de escrever estas coisas só para renovar a evidência que não, nunca quis ser um de vós porque isso me embaraçaria. Embora eu bem saiba que há muito perderam a capacidade para se embaraçarem ou para sequer entenderem do que estou agora mesmo a escrever.

A crise da imprensa tradicional não é culpa das “redes sociais”, dos “leitores”, dos “fracos hábitos de leitura”. É vossa. É uma crise de credibilidade que andam a combater da forma errada, chegando tarde à denúncia do que está mal na comunicação social. A vossa “auto-avaliação” é pior do que a que criticam a outros. Os vossos “resultados” estão à vista de todos, por muito que os encubram com mantos de superioridade ética.

Podia continuar… poderia escrever a metro, com a vantagem de que não preciso de o fazer para agradar ao patrão. Parágrafos atrás uns dos outros, sem avença, sem contrato free lancer. Porque acredito no que escrevo e não apenas porque convém. Porque o faço por gosto e não por me abanarem a trela. Porque a minha auto-estima nunca dependerá da validação da brigada dos paralíticos. Ainda se lembram quando eram assim, se algumas vez o foram?

Ahhh…. sim, a velha arrogância. Sabe bem, não sabe? Em especial em [pi-pi-pi] alheio.

PG Verde

(compro jornais desde 1983… em barda, acreditem que também já ajudei a pagar-vos – aos mais antigos, a muitos daqueles que vi passar de jornalistas a outra coisa – uns quantos salários, mesmo contando os tempos milionários dos “senadores”)

25 opiniões sobre “A Sério…

  1. Nem mais, caro Paulo Guinote.
    Alguém com a sua clarividência a dar-lhes forte como eles merecem, porque são, verdadeiramente, incompetentes.
    A minha maior gratidão.

    Gostar

  2. Lembrei-me agora: O Marcelo está mesmo preocupado com a crise da imprensa, ou quis só maçar a ministra da cultura que, de forma muito franca e compreensível (dadas as miseráveis questões a que estava a ser sujeita) se mostrou feliz por não aturar jornais (e jornalistas?) portugueses há 4 dias?
    Fica a dúvida existencial e até mesmo questão metafísica e para-química.

    Gostar

  3. Excelente análise!

    Acutilante, mordaz… 😊
    “E o mais interessante é que eu vos leio (ou vejo) na vaga esperança que a senilidade seja melhor do que a vossa idade madura.”

    “Porque a minha auto-estima nunca dependerá da validação da brigada dos paralíticos. Ainda se lembram quando eram assim, se algumas vez o foram?” 👍

    ‘Dê-lhes com força’, já que quase mais ninguém o faz! 😉

    Gostar

  4. Excelente texto, Paulo.
    Por mim, confesso que há muito deixei de ler/de ouvir os montes de esterco referidos.
    Não são jornalistas, nunca foram. São demagogos, aldrabões, mercenários, montes de esterco. Ignoro-os. Por uma questão de higiene mental.

    Gostar

  5. Grande Paulo !
    Excelente texto,cheio de verdades,lucidez…um post verdadeiramente extraordinário !!!!

    …” Mas de vez em quando gosto de escrever estas coisas só para renovar a evidência que não nunca quis ser um de vós porque isso me embaraçaria.”…

    … ” Podia continuar… poderia escrever a metro, com a vantagem de que não preciso de o fazer para agradar ao patrão. Parágrafos atrás uns dos outros, sem avença, sem contrato free lancer. Porque acredito no que escrevo e não apenas porque convém. Porque o faço por gosto e não por me abanarem a trela. “…

    Nota: Paulo,só não entendo como consegues “esticar” o tempo.
    Como consegues escrever tanto e tão bem ?
    Para mim …é um mistério.

    Gostar

  6. Perfeito! Simplesmente, PERFEITO!
    Há muito que não lia nada nada tão bem escrito!
    Os meus sinceros parabéns para o escritor que há dentro de ti.

    Gostar

  7. E, qual frère Dupond… Je dirais même plus… Bravo Guinote! Acrescento que estou convicta que este texto vai chegar a quem deve. Por mérito, o Guinote já é lido e atendido.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.