A Ministra da Saúde Aprende Depressa…

… aquele tipo de discurso trauliteiro que acomete tod@s os que, chegando a um patamar inesperado, ainda ambicionam algo mais. Primeiro foi chamar criminosos aos enfermeiros… agora…

Assim sendo, porque falou Marta Temido em meio milhar de euros? O Polígrafo apurou que a ministra se reportava a um caso circunstancial de um profissional que terá comunicado a uma das empresas com quem o CHLC negociou que nem por 500 euros iria trabalhar nessas noites. Ou seja, ter-se-á tratado de uma situação excecional e inconsequente, uma vez que, mesmo que a hipótese estivesse em cima da mesa, ela nunca se poderia concretizar dadas as restrições colocadas pelo regime de contratação pública.

Se eu disser que não vou ao sábado à escola nem por mil euros, significa que me ofereceram mil euros para ir lá?

espelho

(pensando bem…)

Desabafo

Trovas das ondas do mar

Sentei-me junto ao mar e falei com as ondas.

Enquanto eu lhes contava os meus pensamentos ouvia o doce bailado de fundo cantado pelo mar:

“OLHA QUE COISA MAIS LINDA, MAIS CHEIA DE GRAÇA, QUE VAI E QUE PASSA…”

Disse às ondas que no país onde vivo há um submarino chamado Tridente.

O Tridente não tem portas e está avariado.

É Tridente, não porque goste de chicletes, mas porque Neptuno, o deus dos mares, usa um tridente, uma espécie de garfo para mexer o sargaço.

Parece que o lança-torpedos do garfo-submarino enguiçou e vai daí um homem com muita pasta que não lhe pertence, mas com ares de manda-chuva, mandou arranjar o barco-garfo no país do aço e pagou 26 milhões pelo conserto.

As ondas perguntaram-me se o meu país era rico.

“OLHA QUE COISA MAIS LINDA, MAIS CHEIA DE GRAÇA, QUE VAI E QUE PASSA…”

Eu encolhi os ombros e disse que ainda não sabia responder aquela pergunta, que era um país que estava entre os quarenta países mais ricos do mundo e que o mundo tinha mesmo muitos países.

Como as ondas me continuaram a embalar na sua dança, eu fui fazendo os meus desabafos …

Disse-lhes que no meu país há hospitais para todas as pessoas mas com aparelhos de cirurgia que falham porque já estão velhos e não foram reparados com a regularidade devida.

As ondas, na sua cantilena melodiosa, perguntaram-me se o meu país era pobre.

Que mania de fazer perguntas difíceis!

Encolhi os ombros e respondi que, apesar de andar com a cabeça entre as orelhas há muitos anos, ainda não sabia responder aquela pergunta.

De súbito, e numa reviravolta marítima, as ondas gritaram-me: VAI PARA A ESCOLA APRENDER E DEPOIS VEM-NOS DIZER!

Eu encolhi os ombros e lá fui deixando para trás aquela melodia a sussurrar baixinho: “OLHA QUE COISA MAIS LINDA, MAIS CHEIA DE GRAÇA, QUE VAI E QUE PASSA…”

Entrei na escola e por lá estive ao lado dos baldes que aparavam a água da chuva. Tiritei de frio, mas obrigaram-me a pensar. Aprendi, aprendi, aprendi e voltei ao mar porque é da força dele que eu gosto.

Lá me sentei a olhar o céu e a ouvir as ondas a bailar. Elas mal me viram perguntaram: _Então, já sabes a resposta?

Eu disse: _Gosto muito deste som (“OLHA QUE COISA MAIS LINDA, MAIS CHEIA DE GRAÇA, QUE VAI E QUE PASSA…”), mas NÃO SEI A RESPOSTA e vou mas é para casa ver as tricas do futebol porque uma coisa eu sei: ESTE PAÍS NÃO É PARA QUEM PENSA!

As ondas enraivecidas e furiosas gritaram bem alto: _Vais fugir? Podes até enfiar a cabeça na areia e emburrecer ainda mais a ver os escândalos da bola, mas não dês a ninguém o prazer de te calares quando estás perante perguntas difíceis!

Aí com determinação devolvi-lhes a provocação: _Então eu ficarei aqui eternamente desde que continuem a cantar, mas digo-vos desde já que este país só é pobre de espírito e buçal nas decisões, pois se não estamos em guerra e no lança-torpedos gastamos milhões é porque as escolas e os hospitais não precisam de condições!

As ondas muito contentes e mais cantantes que antes murmuravam em uivos de sete vozes: _Vês como respondeste!

_Sim, respondi sem responder porque este mundo de hoje já não se entende. Já não há os bons, nem há os maus, nem se paga, nem se chama trabalhador a quem trabalha, nem colaborador a quem colabora, nem se dá o descanso devido aos que trabalharam uma vida inteira e que depois de muitos anos merecem dignidade na aposentação. Já se mente dizendo que toda a verdade está na net e nela se mente mais que na soma do passado. Já não há Russos nem americanos… Há cidadãos do mundo e velhos dos marretas que querem agarrar poderes polimórficos. Também há quem pense no todo que é a humanidade e na lentidão da sua marcha para a justiça e para a paz.

“OLHA QUE COISA MAIS LINDA, MAIS CHEIA DE GRAÇA, QUE VAI E QUE PASSA…”, cantavam as ondas.

Arreliada gritei: _Cantem, cantem, continuem a cantar a vossa melodia porque se algum dia ela se cala cala-se a energia que dá força a este universo quase perfeito com esta humanidade tão criança.

Colei-me ao mar, à sua força e ao seu som para nunca mais dali sair e ficar feliz só pelo seu cantar. Afinal o mar não serve apenas para ouvir os nossos desabafos! Todos temos direito a obter respostas.

E o mar perguntou: _ Porque não contam 9 anos, 4 meses e 2 dias no serviço prestado pelos professores?

OOOOOOOOHHHH, NÃOOOOO!

Rosa Maria Lopes

arauto em desenho