A Porfirização Do Debate Sobre A Recuperação Do Tempo De Serviço Docente Por Parte Do PS

Há quem diga que não se deve fazer abordagens ad hominem de certas questões, que devemos ficar pelas ideias e argumentos, no abstracto. E depois, quando se faz isso, dizem-nos que as coisas, assim em geral, é como fugir ao concreto, essencial para que as coisas se compreendam e resolvam.

Pessoalmente, acho que depende e que há casos em que questões gerais merecem uma abordagem bem personalizada quando alguém se mete ali de permeio, chamando sobre si o monopólio da intervenção de um dos lados em confronto.

É o caso do deputado Porfírio Silva, o operacional que o PS designou para tratar das questões relacionadas com a recuperação do tempo de serviço docente. Seja no Parlamento, seja fora dele. Como adiante se verá. Até porque ao nível governamental., o ministro da Educação é um eco ambulante e os secretários gostam de se proteger, em especial um deles, quando as coisas entram por estes caminhos mais espinhosos e capazes de beliscar imagens de santidade.

Vou exemplificar duas situações de porfirização deste problema.

Em primeiro lugar, na audição parlamentar da Comissão Representativa da ILC para recuperação integral do tempo de serviço docente, o deputado Porfírio Silva apareceu como o interlocutor designado para a intervenção do PS e como futuro relator da iniciativa. E, ao contrário do que estava determinado, falou nas duas qualidades, sendo que na de relator não estava prevista na agenda qualquer intervenção do relator. E assim fez uma intervenção com o dobro do tempo que estava previsto. E ninguém contestou e os representantes dos outros grupos parlamentares aceitaram isso como natural. O que não é. Porque, como é natural, parece estranho que surja como relator o porta- voz de uma das posições em mais directo confronto.

Em segundo lugar, na sequência de uma reunião entre a Fenprof e o grupo parlamentar do PS, o mesmo deputado veio tecer publicamente críticas ao comportamento do líder daquela central sindical. Sobre o que ambos combinaram e um ou outro não cumpriu não me vou pronunciar, até porque conheço em primeira mão a falta de ética de alguns destes “actores”. O que está em causa é todo o subtexto que atravessa o “postal” endereçado a Mário Nogueira e em que, em minha opinião, é dado um conselho ou feito um aviso evidente: ou se portam bem ou não têm direito a nada; e, em complemento, é feita uma referência ao “populismo” e é escrito que é a Fenprof deve ter uma conduta que evite que “que se crie a ilusão de que a demagogia e o populismo oferecem melhores soluções do que o diálogo com as organizações representativas dos trabalhadores”. Eu percebo sem esforço o que está a ser dito… os sindicatos devem ser os interlocutores nestas questões, devendo ser afastados outros intervenientes mais “basistas”, mas isso só é possível se a Fenprof dançar o tango de mansinho. No “relator” da ILC isto é praticamente a exposição de todo um pensamento sobre o assunto e percebe-se à légua o que vai argumentar contra a oportunidade de ela vir a ser discutida ou aprovada.

O que o deputado Porfírio Silva fez foi avisar a Fenprof para que tenha maneiras, pois se sair do colete em que se meteu até ao início de 2018, nada terá, enquanto que lhe será dada uma qualquer côdea adicional se negociar com maneiras à mesa. Mais uns mesinhos recuperados, quiçá um ano, para a progressão ou para a aposentação. Para poder clamar “vitória”, Mas se não levantar muito a crista.

Não tenho quaisquer ilusões sobre a forma sibilina como PS tem desenvolvido a sua relação com a classe docente nos últimos 12 anos, recorrendo com frequência aos seus agentes mediáticos para ampliar a sua mensagem enganadora e truñcada sobre “equidade e justiça”. O seu auto-elogio em relação ao seu papel na defesa da Escola Pública é algo risível e isso será a breve prazo ainda mais claro, com o agravamento de clivagens no nosso sistema de ensino, ficando as escolas públicas (com excepção de umas dezenas da Parque Escolar) para quem não consiga pagar propinas no sector privado puro e duro. Com uma Escola Pública low cost para os descamisados e aqueles que insistirem em ser coerentes. Os outros, podendo pagar, fugirão. Falar de “inclusão” neste contexto é uma falácia.

A porfirização deste debate é apenas a faceta mais evidente de quem assina todas as recomendações que lhe apareçam, sabendo que as não irá cumprir. Que aceitará vetos para negociações a fazer em tempo indeterminado. Que elogiará os professores, desde que não refilem e aceitem ser “missionários” Que dirá tudo o seu contrário, num esvaziamento do conteúdo das palavras que destrói qualquer possibilidade de confiança. Acreditar numa “negociação” séria neste contexto ou esperar qualquer boa-fé com este tipo de intervenientes está para além de qualquer credulidade.

Bucket

7 thoughts on “A Porfirização Do Debate Sobre A Recuperação Do Tempo De Serviço Docente Por Parte Do PS

  1. Os Porfírios deste mundo são um bico de obra em qualquer negociação. Devem ser sempre utilizados como correios e nunca como negociadores. Ao fim e ao cabo, Porfírio, o cardinalício, representa-se, ou representa alguém.
    Imaginado que na rua em que nasceu o tratam afetuosamente por Fifi, o homem só pode dar fífias…
    E antãu é isto qu’ê cá axu…

  2. Deixei lá, há dias, o seguinte comentário:

    “Exmo. Sr. Deputado,

    Se, como diz, o governo quer negociar e demonstrou essa vontade, conforme afirma, eventualmente “cedo demais”, gostaria de ver respondida a seguinte questão:

    – Sabendo que, desde o início das negociações, para a FENPROF, restantes representações sindicais e a esmagadora maioria dos professores, a questão do tempo a recuperar não é negociável – apenas o prazo e modo dessa recuperação deve ser negociado, conforme plasmado em lei e proposto, posteriormente, pelo parlamento -, e nada tendo mudado sobre essa pretensão das mesmas organizações, pergunto, porque optou o governo por reunir, como diz, “cedo demais” e agora opta por não reunir, passados 31 dias do ano de 2019, uma vez que nada mudou relativamente à posição das estruturas sindicais?

    Ou seja, qual o motivo da aparente “pressa” em Dezembro de 2018 para reunir, sabendo desde sempre o que iriam ouvir, e a aparente falta dela em 2019? Devo depreender que não existe disponibilidade do governo em negociar depois do resultado das reuniões de Dezembro?

    Desde já grato pela resposta.”

    Devo ter infringido alguma das 160 regras que o ilustre deputado estipulou para que um comentário seja aceite.

    Fica aqui exposto.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.