O Beco Da Cidadania

A criação da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento é daquelas medidas que parece muito béééém às pessoas muito béééém, muito dentro do seu tempo e da construção dum século XXI fraterno, solidário e humanista, que acham que a sua visão do mundo e da democracia é a única válida, por muito que seja completamente distópica.

No enquadramento oficial da disciplina pode ler-se que:

Visando a construção sólida da formação humanística dos alunos, para que assumam a sua cidadania garantindo o respeito pelos valores democráticos básicos e pelos direitos humanos, tanto a nível individual como social, a educação constitui-se como uma ferramenta vital. Deste modo, na Cidadania e Desenvolvimento (CD) os professores têm como missão preparar os alunos para a vida, para serem cidadãos democráticos, participativos e humanistas, numa época de diversidade social e cultural crescente, no sentido de promover a tolerância e a não discriminação, bem como de suprimir os radicalismos violentos.

Se bem percebem, a disciplina é uma “missão” dos professores (nos nossos tempos há que relembrar que o uso do masculino é redutor, em especial numa profissão tão feminina, mas quem escreveu isto não deve ter ido a nenhuma formação com aquele miúdo tããão esperto do Bloco sobre igualdade de géneros e bonés), mas é de uma grande ambição em relação aos alunos.

O primeiro problema é que, embora prevendo a avaliação da “componente CD”, conforme se pode ler no mesmo documento, não terá ocorrido ao legislador e aos seus operacionalizadores teóricos que a mesma entra nas contas para a retenção/transição dos alunos.

A avaliação interna das aprendizagens no âmbito da componente de CD, à semelhança das restantes disciplinas, é da responsabilidade dos professores e dos órgãos de administração e gestão, de coordenação e supervisão pedagógica da escola, a quem competirá os procedimentos adequados a cada um dos modos de organização e funcionamento da referida componente.
Tendo em conta as características desta componente, a avaliação deverá ter lugar de forma contínua e sistemática, adaptada aos avaliados, às atividades e aos contextos em que ocorre. Assim, as formas de recolha de informação deverão ser diversificadas e devem ser utilizadas diferentes técnicas e instrumentos de avaliação, valorizando o desenvolvimento das atividades.

O segundo problema é que tão doutos legisladores e teorizadores apenas ignoraram que a natureza humana, em particular a rebeldia natural e tão apreciada nos jovens (com destaque para os delegados do Bloco desde os 15 anos), faz com que a “componente CD” nem sempre tenha sido verdadeiramente entendida, em especial quando servida em 45 minutos semanais ou 90 (se for em fatia semestral), confundindo-se com a velha “Educação para a Cidadania” ou “Formação Cívica” que tinha nota mas sem efeitos na transição. E, por muito “humanistas” que @s professor@s sejam, não conseguem em 10 aulas num período, alterar uma situação que, em algumas turmas, é de absoluta descontracção e total desinteresse por nacos de prosa como o seguinte:

A componente de Cidadania e Desenvolvimento visa contribuir para o desenvolvimento de atitudes e comportamentos, de diálogo e no respeito pelos outros, alicerçando modos de estar em sociedade que tenham como referência os direitos humanos, nomeadamente os valores da igualdade, da democracia e da justiça social.

Consequências:

  • Ou a “componente CD” deixa de ter classificação a contar para a transição e consta-me que já há por aí emissários de tão ditosa nova.
  • Ou a pressão para garantirem sucesso por portaria/despacho/nota informativa será brutal sobre @s professor@s da “componente” e serão fustigad@s até entrarem no verdadeiro espírito da coisa tod@s aquel@s que revelarem excesso de autonomia e escassez da flexibilidade adequada.

Vamos a uma aposta?

i-smile-because-i-have-no-idea-whats-going-on

 

7 thoughts on “O Beco Da Cidadania

  1. @s professor@s com os seus superpoderes farão em 45mn/ semana o que as famílias nâo fazem em certos casos (e que tendem a aumentar exponencialmente) durante todo o restante tempo
    😇😆😂

  2. “Vamos a uma aposta?”
    É melhor não. Algo me diz que mais uma vez o Paulo está certo, logo ganha. 😉

    Excelente perspetiva sobre a Cidadania (à deriva)!

  3. O primeiro erro da estratégia para a cidadania foi reduzi-la a uma disciplina no básico. A segunda, foi menosprezar as disciplinas da área das humanidades. O terceiro, foi considerar que os temas propostos não eram já tratados, sem considerar realçar valências que poderiam ser tratadas de forma diferente.

  4. Tenho uma estratégia óptima para ensinar a cidadania:
    – visualização do canal parlamento,
    – visualização de debates televisivos- particularmente políticos e futebolísticos,
    – visualização de jogos de futebol das modalidades juvenis e infantis…,
    – visualização daqueles programas onde grupos de energúmenos estão fechados,
    – fazer umas viagens de comboio nas principais linhas das áreas metropolitanas ou de autocarros (visitas de estudo),
    – elaboração de estatísticas que, com base num determinado universo e conjunto de interacções, se poderá estudar a simples utilização de códigos de boa educação: Bom dia, com licença, peço desculpa, posso?,…
    – Explicar o que foi a 1ª ILC e esclarecer a reacção política a demasiada cidadania,
    – … fico-me por aqui pois já me estão a surgir ideias que poderão ser consideradas demasiado intrusivas e limitativas das liberdades e privacidades,…

    Ri, mais uma vez pela vacuidade, ao reler estas coisas que o Paulo transcreveu e ainda mais com os comentários lógicos do Paulo…

    Tal como a Ana A., “Vamos a uma aposta?” – Nem pensar, não se aposta para perder!

  5. Está-me cá a parecer que a Cidadania há-de ir e nós ficar… Também já houve a Área escola, a escola cultural e tal… Não que as ideias não sejam meritórias, mas não é isso que está em causa. Na primeira República considerava-se que a educação cívica se fazia pelo exemplo e pela participação ativa onde esses valores fossem praticados… Também não estava mal visto. E não resultou, claro. Mas apesar de tudo eram propostas consistentes e alicerçadas numa visão pedagógica. Estas medidas revelam impreparação, precipitação e incapacidade de reorganizar o currículo no âmbito de uma reforma pensada e assente numa visão estruturada do ensino e da educação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.