Coisas Que Se Vão Lendo

No caso da Amazon, os “operadores humanos” estão progressivamente robotizados pois funcionam com localizadores digitais que os guiam, sem que eles saibam exactamente para onde nos armazéns. Mas parece que se ganha em “eficiência”.

Amazon Warehouses: Learn How to Harness Chaos for Efficiency

The Effects of Searching and Learning on Pick-Worker Performance

How algorithms run Amazon’s warehouses

The-Tin-Man-The-Wizard-of-Oz

 

As “Piscinas Negras” Da Finança

An Introduction to Dark Pools

Dark pools are an ominous-sounding term for private exchanges or forums for securities trading. However, unlike stock exchanges, dark pools are not accessible by the investing public. Also known as “dark pools of liquidity,” these exchanges are so named for their complete lack of transparency. Dark pools came about primarily to facilitate block trading by institutional investors who did not wish to impact the markets with their large orders and obtain adverse prices for their trades.

DArkPoool

(será que já escreveram sobre isto nos nossos jornais ou programas televisivos de referência sobre economia&finanças?)

O Pântano Não Aceita Desafios

Gurría afastou Álvaro da conferência da OCDE depois da polémica sobre a corrupção

Álvaro Santos Pereira aconselhado a não vir a Lisboa devido a estudo polémico

Lama

(claro que não foi pressão do Governo, claro que nada é por causa de nada, claro que ninguém tem qualquer poder junto da OCDE,… claro que só falta ir alguém a um Prós e Contras para desagravo sem tempo para contraditório…)

(já agora… os mexias e catrogas não perdoam…)

2ª Feira

Curiosamente, são os críticos dos rankings que mais continuam a escrever sobre eles. E ontem perguntaram-me… “mas os rankings melhoraram alguma coisa na Educação?” E eu respondo que não posso saber, porque existem muitas outras variáveis e são poucas as que considero positivas nos últimos 15 anos, não sendo possível singularizar uma e dizer que foi esta que “melhorou” qualquer coisa específica. Mas parece que há quem ache que tudo corre bem e só os rankings e os exames são maus. Não sou assim tão simplista na análise, nem a minha defesa de mais informação se faz no vazio de outros indicadores ou circunstâncias.

Sim, os alunos portugueses passaram a comparar melhor com o resto do mundo nos PISA, PIRLS e TIMMS, mas para quem se opõe a todo o tipo de avaliação externa ou rankings isso é irrelevante (afinal são resultados que derivam de exames), pelo que a discussão se torna quase impossível de manter porque de um dos lados existe a firme convicção quase “moral” da inferioridade de quem defende a existência de exames. Eu apenas acho que há ferramentas que podem ajudar a compreender algumas (algumas!) coisas e que é melhor isso do que nada. Não é por acaso que todos os anos há escolas que se orgulham de sair da base da “seriação”. E outras que não ficam felizes – quanto muito armam-se em indiferentes – por lá estarem ou lá irem parar.

Calendario