Não Há Por Aí Um Petiz Que Vá Jogar À Bola Para O Gabinete Do Shôr Ministro?

Porque o defensor radical dos professores parece cada vez mais hipócrita. Pela minha parte, visado pela situação em causa dos “dois mundos”, só me apetecia mandá-lo explorar os recônditos de um qualquer espaço orgânico onde o sol não brilhe. Não mando, porque seria um desperdício, ele não deve entender sequer do que estou a falar e depois tartamudeava mais umas vacuidades daquelas em que se especializou sempre que o deixam ir a uma phopto-op com mic aberto.

O ministro da Educação disse nesta sexta-feira que os professores são “os únicos” a “escolher o melhor de dois mundos”, porque podem optar por recuperar o tempo de serviço congelado de uma só vez ou de forma faseada.

Tiago Brandão Rodrigues acrescentou que o diploma aprovado na quinta-feira em Conselho de Ministros, que prevê a recuperação de forma faseada de dois anos, nove meses e 18 dias de tempo de serviço congelado, será vantajoso para os docentes que subiram de escalão no início do ano passado.

Alguém que lhe diga que “vantajoso” seria o ministro Tiago consultar um dicionário e deixar de dizer disparates. Tente terminar o mandato com alguma dignidade, nem que para isso tenha de fazer muitas viagens lá por fora e não nos aparecer pela frente. Repare… há gente na classe docente com idade para não ser gozada desta forma. E não quero saber se a mãe foi professora e tinha amigas professoras e, coitadinho, lhes custou tratá-las pro “professora”.

funny-quotes-stupid-people

Mais Um Dia Normal No Asilo Dos Lunáticos

Com jeitinho, safa-se com um pedido de desculpas, um “contrato-promessa” formal de não voltar a fazer o mesmo e a garantia informal que da próxima bate com mais força, que isto dos professores quererem cortar a liberdade e criatividade infantil é muito pouco flexível e deve ser castigado

A agressão aconteceu há uma semana, mas só nesta sexta-feira é que surgiu na estampa dos jornais: um aluno de 12 anos, agrediu a pontapé e a soco um professor de 63 anos depois deste o admoestar por estar a brincar com uma bola dentro da sala de aula.

Haddock

(que pena a jovem criança não ter a possibilidade de aplicar os seus dotes energéticos durante a visita de um qualquer dignitário ministerial… porque há sempre quem diga que nada tem a ver com estes assuntos, mesmo se colabora na implementação de políticas que amesquinham quotidianamente os professores)

Num Concelho Cor-de-Rosa Perto de Si/Mim…

… o autarca presidente garante que em novo mandato do seu governo, qualquer escolha de director@ terá de passar por ele, pois não quer ver um@ desconhecida a gerir-lhe os milhões. E depois será o pessoal docente. Tudo garantido informalmente por quem já decidiu o futuro, muito em especial em caso de maioria sem muletas ou com muleta central que concorda com a extinção de qualquer réstia de gestão escolar democrática ou “basista”. E depois “reconfigura-se” a rede escolar e é melhor nem entrarmos por aí, porque não há nada como engenheiros a racionalizar-nos a oferta/procura.

E se isto é assim por ali, dificilmente será diferente em outros bastiões. Qualquer ilusão vaga de reversão do modelo de gestão escolar está defunto. Daqui a 3-5 anos as actuais escolas-sede parecer-se-ão com as actuais escolas não-sede, terão uma espécie de coordenador@ com título talvez ainda de “director@”, mas a reportar tudo `autarquia-sede. Daí para baixo será o aperrear da cadeira hierárquica de submissão. Os Conselhos Municipais serão de legitimação e os Conselhos Gerais tenderão para a extinção, real ou simbólica.

Claro que isto está previsto desde 2008 ou mesmo antes e tem a colaboração activa do centrão e o colaboracionismo dos radicais (ainda) com poderes municipais significativos. E tudo o que disserem em contrário, será em modelo de verdade à pimentamachado (recordam-se?), um grande visionário da pós-verdade.

arreatasolacromooleada

6ª Feira

A conversa dos “afectos” substitui a democracia? A conversa mole, a palmadinha nas costas do “podia ser pior”, modelo “português suave”, beijinho-beijinho, transforma as ditaduras formais ou informais em outra coisa?

Marcelo Familia