Domingo

Eleições em Castela e arredores. As pessoas aparecem na televisão muito preocupadas com o “avanço da extrema-direita”, ou seja, de um partido chamado Vox com uma agenda tradicionalista e retrógrada para os nossos padrões actuais. Parece que se atribui esse tal avanço a maleitas diversas (claro, as “redes sociais” surgem logo, assim como a “demagogia” e o “populismo”), mas são raras as incursões sobre as verdadeiras raízes da adesão de muita gente a estas propostas de partidos “novos”. Esquece-se quem em Madrid se viveram 35 anos de rotativismo puro entre PSOE e PP, a um ponto que bloqueou o “sistema” quando foi preciso ir além de maiorias absolutas monocolores e ir além de soluções fechadas. Como por cá, mas talvez ainda a um grau mais grave, a classe política tradicional parece achar que a Democracia é o sistema político em que eles ganham sempre e fazem o que bem entendem, com o formalismo de uns votos populares de 4  em 4 anos que não devem fugir aos do costume. O Podemos e o Cidadãos levaram um terço dos votos em 2016 e foi um choque. Parece que o “povo” terá votado mal, enganado pelos “novos fenómenos”. Nunca, por nunca ser, os “velhos fenómenos” parecem ter a humildade de fazer a devida auto-crítica. Por cá, algumas derivas abstrusas têm tido um sucesso moderado à volta “causas” muito específicas (o “partido dos reformados” do Manuel Sérgio ou agora o PAN de André Silva e as suas milícias musculadas em defesa dos direitos dos animais) de figuras patuscas que sempre vão ganhando a vidinha com isso (caso do partido do Marinho Pinto de que nem me ocorre o nome sem ir ao google) ou que o vão tentar (como a agremiação do inenarrável André Ventura, só ultrapassado em pura má educação e arrogância pelo inefável Pedro Guerra).

Estas “novas” propostas (que nada de novo têm) são possíveis e têm sucesso quando as que têm dominado o poder se esgotaram num alheamento crescente em relação aos votantes e nem crescentes abstenções os têm alertado para além da epiderme. Em Espanha (Castela e arredores) há um divórcio evidente entre as elites políticas que governaram desde 1982 e a fonte da soberania (o “povo”); por esse divórcio nunca pode – em Democracia – ser responsabilizado quem delega a representação política, mas sim quem a exerce à maneira de um qualquer césar.

Olé

3 thoughts on “Domingo

  1. Em Portugal, a lei eleitoral não respeita todos os cidadãos de modo igual..
    Tem protecção legal o voto BRANCO e o voto NULO bem como a abstenção. São legais. São legítimos. É uma forma de registar a vontade de qualquer cidadão.
    Mas na hora de distribuir mandatos, nada valem.
    São anuladas estas vontades,desprezadas, discriminadas…
    Será isto justo? Constitucional?

    Gostar

  2. Era de elementar justiça, bom senso, respeito por todos os cidadãos que antes de cada acto eleitoral se soubesse quantos votos são necessários para a conquista de cada cadeira (em função do número de eleitores inscritos, nessa data).
    Isto é óbvio!
    Só que não interessa a quem decide e pode. Protegem-se, descriminalizam-se, comem em conjunto, comem tudo!
    Ai Zeca! fazes cá tanta falta!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.