O Maurício Brito Volta A Explicar…

Estive a ler o relatório da UTAO e a tentar entender como a entidade chegou a este número de €567 milhões de euros, em ano cruzeiro, para todas as carreiras gerais. Numa análise preliminar, deparei-me com três questões interessantíssimas:

1 – Que as contas foram feitas assumindo os pressupostos divulgados pelo Ministério das Finanças em termos de despesa bruta;

2 – Que a UTAO descontou as receitas que os cofres públicos encaixariam em IRS, descontos para a Segurança Social e Caixa Geral de Aposentações e ADSE com a subida dos salários, apurando assim o impacto líquido.

3 – Que a UTAO não espera que com a adopção da recuperação integral do tempo de serviço para todas as carreiras especiais, Portugal passe a incumprir as regras orçamentais relativas ao Objectivo de Médio Prazo.

Vamos lá por partes, desenvolvendo cada uma das 3 questões:

1 – Em primeiro lugar, a UTAO efectua os seus cálculos tendo em conta um valor total bruto apresentado pelo Ministério da Finanças. Ora, os cálculos deveriam ser feitos tendo em conta o custo referente a cada professor, de acordo com seu o agregado familiar, o ano e o escalão em que se encontra. Reparem no que dizem os técnicos sobre os 804 milhões de euros: “… a UTAO não tem motivos para duvidar delas e não tem capacidade para as auditar, mesmo que tivesse disposto de mais tempo para completar este estudo, uma vez que a sua quantificação requer o acesso a microdados sobre funcionários públicos”. Portanto, relativamente à “base” com a qual desenvolveu a UTAO os seu trabalho – dados fornecidos pelo Ministério das Finanças -, muito mais poderíamos desenvolver. Mas vamos em frente.

A UTAO, aparentemente, contabiliza (devido exactamente aos dados fornecidos pelo Ministério das Finanças) docentes que irão para a reforma neste período de tempo e que, por isso, obviamente não podem entrar nestas contas uma vez que estes professores não veriam a contabilização completa dos “942” (até porque o denominado “ano cruzeiro” dependeria sempre das negociações realizadas entre governo e sindicatos). Mais uma vez os dados fornecidos pelo MF não permitem aferir valores correctos.

Mas a cereja no topo do bolo surge quando a UTAO diz que “A quantificação do Ministério das Finanças, embora contenha informação muito útil para a opinião pública e os deputados, só por si não permite apreender todos os impactos orçamentais que estão em causa na substituição da medida de recuperação parcial pela medida de recuperação integral do tempo de serviço para efeitos de valorização salarial”. Sabem o que isto pretende dizer, fundamentalmente? Que não estão a ser calculados, devido à “quantificação do Ministério das Finanças”, os efeitos nas receitas do Estado com os impostos indirectos que a medida provocaria. E isto é grave, pois coloca em causa os valores apresentados pelo governo para que a UTAO pudesse realizar um trabalho que calculasse os verdadeiros efeitos da medida.

Ou seja, e resumindo, relativamente aos €800 milhões brutos há muita, mas mesmo muita matéria interessantíssima a desenvolver.

2 – Como SEMPRE foi dito por nós, a UTAO confirma que a despesa deveria ter sido apresentada parcelarmente e em valores LÍQUIDOS: reparem que estamos a falar de uma despesa que desce de €800 milhões para cerca de €567 milhões – SÃO MENOS 230 MILHÕES DE EUROS DO QUE O GOVERNO SEMPRE AFIRMOU -, o que apenas vem deixar clara uma despudorada manipulação dos números.

3 – Talvez o ponto mais importante, a meio de uma semana em que assistimos a política no seu mais baixo nível, acobertada por uma grande parte da comunicação social sempre prestável e refém do poder instalado: o apregoado “apocalipse financeiro” que levou um primeiro ministro a ameaçar demitir-se não passava, como todos os que não se curvam perante os poderosos e que defendem a verdade, de uma despudorada invenção. A UTAO, registe-se, com os dados do próprio Ministério das Finanças, vem afirmar que a contabilização do tempo congelado de TODAS AS CARREIRAS – não apenas a dos professores – NÃO COLOCARIA EM CAUSA AS METAS DE BRUXELAS OU EXCEDENTES ORÇAMENTAIS.

Portanto, a sustentabilidade das contas públicas NUNCA esteve em causa com a contabilização do tempo de serviço congelado dos professores, o que, registe-se, deixa claro o total incumprimento por parte do Governo do estipulado nos OE de 2018 e 2019, por motivos que que vão desde a incompetência financeira à manipulação/ocultação de dados.

Dito isto:

Não há mais nefasta CRISE que a de valores e princípios. Não há pior DÉFICE que o moral e o da seriedade. Não há mais prejudicial INSUSTENTABILIDADE do que o da falta de vergonha pública.

Que os deputados da nação saibam ocupar o seu lugar e que permitam que a mais elementar justiça seja feita.

Ou, então, tornem-se cúmplices de um inequívoco atentado que, nas devidas instâncias, não tenham dúvidas, encontrará os seus culpados.

Maurício Brito

Maur

4 thoughts on “O Maurício Brito Volta A Explicar…

  1. É que, parece que não, mas um gajo sente-se encornado, caramba!

    Eu votei parlamento-BE – , autarquias- PCP – e sinto-me defraudado, roubado, gozado e…

    (na altura em que votei não foi porque o partido A ou B prometesse o que quer que fosse em relação à recuperação do tempo congelado, foi mais, por a maioria absoluta de um partido ser assustadora*)

    As personagens principais Catarina/Mortágua do BE/Jerónimo do PCP que tanto pugnaram/defenderam/se indignaram pelos direitos/justiça e outros tais, da luta justa dos profs.. Que o fizeram durante os vários anos desta legislatura, de forma intensa e convicta, para agora, da noite para o dia, no momento que conta, virarem as costas ao parceiro!

    Elas que acompanharam sindicatos, participaram nas manifestações, dando força à razão dos manifestantes, e agora? Chupa no dedo!
    Elas que tanto quiseram, “de forma intransigente”, ou seja, fariam o acordo com o PSD para que algo mais justo pudesse ser aprovado em relação ao que o PS aprovou, e agora abandonam o barco!

    Todos vimos e percebemos o que fez à 2ª, depois de já ter feito à 1ª, o PSD, mas é o BE e o PCP que não aprovam a Alteração ao Decreto-Lei n.º 36/2019 que efetivamente, a ser aprovada, traria benefícios(mal muito menor) aos professores. Até porque pela dimensão dos partidos será “normal” que se aceite que o PSD tenha maior peso na negociação. O Bloco e o PCP não aceitaram também isso com o PS?! (há algum ministro do BE/PCP no governo?!)

    Não aprovarem a Alteração e dizerem que é para proteger, beneficiar e defender os professores é hipocrisia, traição, falsidade e humilhação.

    Segui alguns debates em que o(a)s deputadas/líderes do BE/PCP participaram, os quais mostraram perfeita e claramente que eles sabem o que está em causa (evitar ultrapassagens – 2 anos para todos-, reconhecimento do 9 anos-ainda que a negociar num futuro-).

    Ora, se não se trata de desconhecimento do mal que estão a fazer a quem dizem querer defender – os professores-, é estratégia eleitoral?
    Aonde é que pensam ir buscar o eleitorado que agora vão perder?
    É ao PS?
    Se não tiverem votos, o PS estende-vos a mão? Ou será que é mais com o pé?

    O PS fez acordos com o PSD para as autarquias e para a saúde, já vocês, não podem fazer acordos com o PSD, mas em que raio de mer** é que eu votei? Não têm vergonha? Pois não!

    (No 1º caso acordos PS/PSD, como o interesse é o carcanhol, esquecem-se as divergências ideológicas, já no acordo PSD BE/PCP que era para defenderem os profs.-coisa pouca- fazem-se de virgens ofendidas, subitamente melindrados (a direita radical votar em conjunto com a esquerda radical!!, Aonde? Quando? Nunca! Há ou não ideologias!), traídos pelo inconsciente que se lhes soltou, de forma involuntária, como se fossem atingidos por o raio-que os parta- elétrico- de tal intensidade que faria qualquer um viajar no tempo.)

    Se o pançudo (no sentido em que vos papa a todos) decidiu ir embora, a culpa não é vossa! Ou será que tomou essa opção com o vosso conhecimento? Avisou-vos?
    Se o querem agarrar, há muitas formas de o fazer, agarrem-no pelo “cu”(que é como o dizem os franceses).

    * O BE e o PCP ao não entenderem o sentido dos votos dos que neles votaram, fartos de maiorias absolutas, de tiranos – absolutos- loucos como se revelou o PS nesta questão. Ao segurarem o tirano-mor, estão a dizer aos eleitores que afinal os votos não seguiram no caminho pretendido.
    (Uma coisa é fazerem tudo para manter a coligação-ato louvável e compreensível-, outra, é unirem-se para reforçar e legitimar um tirano absolutista que …
    e vos quer chupar os votos – recebi, no correio, propaganda sobre os passes dos transportes, aparecia lá o PS, não vi qualquer referência ao BE/PCP-).

    Gostar

  2. Obrigada por todo o trabalho que têm feito para repor a verdade!
    Estamos a ser governados por gentinha com muita falta de Ética!
    O pior é que não se vê solução para por fim ao estado a que tudo isto chegou…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.