Balanço Da Concepção Da DGAE Sobre O Papel Do Conselho Geral (E Em Especial Dos Representantes Do Pessoal Docente)

dog-leash-1

(entram por zonas absolutamente inéditas em termos jurídicos e sem qualquer sustentação na lei em vigor, mas com a força do poder hierárquico bruto… legitimando práticas perfeitamente abusivas e para mim impensáveis… que se desengane de vez quem pensa que o modelo napoleónico em vigor recuará um milionésimo que seja)

16 thoughts on “Balanço Da Concepção Da DGAE Sobre O Papel Do Conselho Geral (E Em Especial Dos Representantes Do Pessoal Docente)

  1. Na próxima terça feira, lá estarei no Porto, para a bendita sessão de esclarecimento!
    Embora não seja jurista de formação não tenho tido duvidas sobre os procedimentos concursais e ja lá vão dez anos de cargo.

  2. A composição do chamado Conselho Geral causa-me calafrios .Vou empregar (perdoem-me) uma linguagem corriqueira, tal a minha estupefacção . Neste orgão cabe todo o “bicho-careta”, independentemente de estarem ou não estarem habilitados a falar – com propriedade ou autoridade – acerca das questões relacionadas com o ensino: ele é um imberbe adolescente – sem idade para votar, fazendo de representante(?) dos alunos ; ele é um ou dois desocupados da Câmara Municipal designados – sem mais- para “representar” a edilidade ; ele é o “representante” da comunidade ( que comunidade? quem o elegeu? ); ele são os mandatários da sociedade civil (creio que lhe chamam “isto” ) e que pode ser o chefe do clube de caçadores lá da terra, o gestor da empresa de recolha de resíduos urbanos (esta é verídica) ou o dono da maior oficina de automóveis do burgo; ele são os pais e as mães arregimentados sabe Deus como. E finalmente – senhoras e senhores – temos os professores, estrategicamente colocados em minoria ( mi-no-ri-a)!
    A aberração e o ridículo atingem o cume quando toca a proceder a uma votação sobre matérias que muitos desconhecem . Aí vale tudo.
    Por decoro, não termino com uma frase escatológica…

    1. Mas alguma coisa se poderia fazer se não existissem leis que são torturadas, quais estatísticas, até dizerem o que nunca disseram.
      Claro que por escrito, há barbaridades que dificilmente alguém assina, mas que são praticadas com a benevolência dos “serviços”.
      Mesmo que em off digam outras coisas…
      O périplo pelo país vai a mais de meio, pelo que percebi.

    2. Tem toda a razão, Maria.

      É vergonhoso que um órgão com a importância do CG tenha, numa escola, 7 Professores entre 21 membros. Um terço.

      É ridículo e humilhante para os Professores e esta composição só podia ter saído da cabeça da porca de que saiu. Foi feito para humilhar os Professores. É por isto que recusei integrar um órgão destes.

      Que me desculpem os colegas mas, se tivermos vergonha e um razoável sentido de dignidade, TODOS nos deveríamos recusar a alinhar na palhaçada do CG enquanto mantiver esta composição absurda.

      1. Exactamente, caro José Chorão :

        Qualquer Professor – digno desse título – jamais aceitaria pactuar com tamanha enormidade.

        Se o fizer, incorrerá numa deplorável humilhação :
        Humilhação para a classe a que pertence , humilhação para ele próprio.

        Que se passa com a identidade profissional e social da classe docente, a mais apetrechada academicamente ?

    3. Concordo consigo, Maria. E quando @ presidente é um elemento tóxico, a carneirada segue toda atrás! Pudera! Que percebem el@s do assunto, representantes de docentes incluídos? Aliás, até convém que não percebam nada de nada para serem comid@s de cebolada! Admira-me (só um pouco, vá) que assinem tod@s de cruz!
      É vergonhoso!

  3. Somo duas experiências, bem diferentes: uma como encarregado de educação, outra como professor. Parece-me um órgão vazio! Agora, às vezes, dou comigo a pensar que os professores se deveriam dar ao trabalho de não se representarem nele. Nalguns Agrupamento seria o “fim da picada”, mas noutros seria mais pacífico. Quem lê as funções que a lei atribui ao CG, não perceberá a inércia de tal órgão. Vazio. Submisso. Enfim, triste!

    1. Não sei o que esperar da reunião na próxima semana, no entanto a experiência diz-me que o órgão tem poder e muito.
      Saibamos utiluza-lo, ainda na semana passada, um conselho geral de um agtupamento no Porto, deliberou a cessação do mandato do(a)diretor(a).

  4. Isto são sessões de lavagem cerebral para (tentar) branquear um modelo de gestão norte-coreano.
    Uma VERGONHA! Com a bênção do PC e do Bloco!!!!

      1. Repare-se. O CG não serve apenas para designar o director. Possui, também, competências legais para tomar decisões de natureza pedagógica.

        Como a trupe de “especialistas” exteriores à escola detém a maioria (!) – e logo de 2/3 ( !) – tem “a faca e o queijo ” para decidir :

        a) sobre a escolha do director ( mesmo sem conhecer os candidatos “de lado nenhum” )

        b) decidir sobre matérias do foro pedagógico ou organizacional ( mesmo que lhes sejam completamente desconhecidas !)

        Mesmo admitindo ( com alguma reserva) a presença de “forasteiros ” neste orgão, com se entende que estejam em maioria , em detrimento dos verdadeiros conhecedores – os docentes. O actual “desiquilíbrio” poderia – por razões óbvias – estar invertido, não?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.