Como Está A Correr A ADD Em Tempos De Faseamento À Última Da Hora?

Porque a verdade é que pouca gente estaria preparada para recuperar os 9 anos e nem o governo percebeu. Com o faseamento (e a recuperação mitigada), a verdade é que se percebe que em muitos agrupamentos andava tudo a pensar em provas de aferição e que há anos as listas de antiguidade foram começando a ser esquecidas e com todas as coisas “extraordinárias” e reposicionamentos as listas que vão aparecendo têm vagas semelhanças com o que deveriam ser. Entretanto, e quase que subitamente, há uma enorme falta de créditos, de observação de aulas, de avaliação, interna e externa e etc. deixando tudo à beira de um ataque de nervos, excepto quando há certezas indubitáveis. Como é que se passa pelos vossos lados?

Correria? Estoiro da boiada?

Stampede

24 thoughts on “Como Está A Correr A ADD Em Tempos De Faseamento À Última Da Hora?

  1. Pelos meus lados, também tem sido algo semelhante à “Correria” e a “Estoiro da boiada”.

    Mas também há quem não esteja a viver em função disso. 😉

    É o que temos…

    Gostar

    1. Tal e qual! Uma confusão em que as interpretações são ” a la carte”…
      De qualquer forma isto é uma situação ridícula… a lei devolve uma parte do tempo que esteve congelado… por outro exige formação… e a formação que fizemos durante o tempo do congelamento? Mantem-se congelada? Muitos de nós tinhamos mais de 500 horas e muitas delas pagas por nós… porque somos profissionais (por mais que nos queiram arrasar)
      Ex: Para quem mudou de escalão em 2018 ficou com 0 horas…
      Se isto não é caso para os tribunais e para a provedoria de justiça nem sei mais o que será…
      Avançar cada um por si?
      É uma hipótese…

      Gostar

  2. Está tudo uma confusão, mesmo! Querem todos fazer ações até em agosto se as houver …
    Outros ainda estão à espera de uma minuta especial do sindicato …
    A imagem escolhida diz tudo!

    Gostar

  3. Diria que metade dos colegas do meu agrupamento estão completamente a leste do faseamento. Todos ouviram falar, mas não fazem a mínima ideia do que é, nem se vale a pena ou se nem por isso. Os mais interessados questionam-se sobre as aulas observadas e/ou os créditos em falta. Questionam-se, mas não há quem possa esclarecer, sendo que a Secretaria é considerada uma fonte pouco esclarecida onde se possam colher esclarecimentos.
    Aguardam-se instruções e esclarecimentos, enquanto o ano letivo vai terminando.
    A virem esclarecimentos, e percebendo-se que há requisitos em falta, e confirmando-se que o ME não vai permitir regime especial, aí, sim, será a loucura à solta.
    Alguns até estão quase desconfiados do faseamento, porque não sei quê dos sindicatos dizem que não sei que mais que devíamos coiso e tal….

    Gostar

  4. Penso que cada vez mais vamos vivendo de forma faseada.
    Gostaria até de envelhecer faseadamente, mas isso parece que ainda não é possível…
    Deixo um alerta: atenção às arbitrariedades, improvisos e abusos interpretativos que podem gerar situações de grande desigualdade e injustiça!

    Gostar

  5. É uma valente confusão. será que as aulas observadas em tempos atrás serão recuperadas? Créditos das ações serão para ontem? Ninguém consegue esclarecer nada. Ora o ME em conjunto com o das finanças estão a esfregar as mãos de contentes. Será a provedoria a tentar resolver isto ou é cada um por si com o direito administrativo….
    Isto cheira me que vai estourar a bomba…..

    Gostar

    1. “À” que ter cuidado com o texto, embora, sejamos francos, ninguém lhe vai ligar nenhuma e, portanto, não terá quaisquer consequências… e tal… 🙂

      Gostar

  6. ” Com a sua luta, os professores já conseguiram recuperar 2 anos, 9 meses e 18 dias (1 018 dias), podendo fazê-lo de uma só vez ou faseadamente, de acordo com o diploma legal por que optem (DL 36/2019 ou DL 65/2019). Em falta ficarão, depois desta primeira recuperação, 6 anos, 6 meses e 23 dias (2 393 dias), devendo essa exigência (e, se necessário, luta) ser colocada ao governo que vier a tomar posse após as eleições legislativas de 6 de outubro.” Fenprof

    Gostar

  7. Na minha escola:
    Entrega do relatório de auto-avaliação anual imediatamente (até meados de junho).
    Avaliação finalizada até fim de junho! (sim, mês seis).
    Aulas observadas à papo-seco até fim deste ano letivo (ou seja, até para a semana).
    Ciclo a avaliar? Um ano letivo. Este, 2018-2019.
    Escola muito eficiente. Tudo a aviar. Muitas grelhas, muito papel. Ver a quem distribuir os Muito Bons para poder avançar seis meses na carreira e toca a andar. Ala que se faz tarde.

    Orientações da tutela? O mexilhão nada sabe. Tudo reservado ao conselho dos deuses.

    Gostar

  8. Tudo ok na minha barraca, temos sido avaliados à medida que fazemos o tempo necessário ao escalão em que cada um se encontra, com créditos e aulas assistidas, quando necessário. Já estou à espera há 3 anos, sem avaliação e o que me foi dito é que só volto a ser avaliada depois de mudar de escalão. Mas já percebi que há escolas onde não houve avaliações nestes anos de gelo.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.