Domingo

Se existe algo evidente e dificilmente contestável é que grande parte das reformas que nos últimos 25 anos nos foram apresentadas como incontornáveis e essenciais para a nossa modernização falharam ou ficaram muito aquém do desejável. As queixas de meados dos anos 90 continuam a ouvir-se, os mesmos lamentos, as mesmas ladaínhas por parte de muitos dos que tiveram responsabilidades governativas ou no chamado “tecido empresarial do país”, incluindo ainda aquela espécie curiosa que se dá pelo nome de “economistas” ou, ainda mais curiosa, a sub-espécie dos “analistas económicos”.

Pata além de erradas ou desadequadas, muitas das medidas tomadas, muito do ambiente vivido, foi em alegre compadrio, nepotismo e cleptocracia de Estado do 2º mundo (não tão desenvergonhada como a do 3º, mas muito longe dos mecanismos das sociedade mais civilizadas). Como em todos os países pobres a que chega subitamente dinheiro para o “desenvolvimento” é muito substancial a parcela que fica em quem decide ou ajuda a decidir ou intercede por quem precisa. Quem precisa, raramente recebe a tempo e horas e quase sempre é com base em algum esquema de amigo, conhecido ou empresa prestável que leva muitos por cento do que se consegue.

Uma das poucas reformas que tem sido travado ou desacelerada nas últimas décadas é da regionalização, ligada aos chavões demagógicos da descentralização e da gestão de proximidade. Travada e desacelerada, mas não parado, avançando de forma subreptícia através da formação de associações de municípios ou mais recentemente através da municipalização de serviços públicos fulcrais como a Saúde ou a Educação. E quem se opõe é porque é arcaico, centralista, estalinista, muitos istas. Claro que se poderia referir que a tradição municipalista (recorramos a Paulo Merêa e Marcelo Caetano) é medieval entre nós, pelo que pré-moderna. tendo o Liberalismo oitocentista procurado eliminar exactamente os resquícios que permaneciam de práticas arcaicas desse tipo, tidas por incompatíveis com a modernidade.

Mas isso agora não interessa nada.

O que me interessa é notar como se vão empilhando os casos de corrupção e nepotismo de proximidade, sem sequer ser preciso evocar casos relativamente recentes nas maiores autarquias do país. Por todo o lado, quais cogumelos só necessitando de investigação devidamente direccionada pela comunicação social ou autoridades judiciais, surgem casos e mais casos, quase sempre associados aos partidos mais próximos do poder e, ao que parece, aos que afirmam ter o adn contrário. Em dois anos, 15 casos de suspeitas. A maioria em autarquias do PS. Mas também há casos recentes ligados ao CDS. Ou abrangendo o Grande Centrão. E há, claro, o caso mais mediático de Pedrógão Grande. Os valentins, avelinos e felgueiras deixaram larga descendência e há mesmo isaltimos de volta.

Não serão estas casos a regra, dizem alguns. Mas começam a ser muitos para serem apenas excepções. Quando temos dezenas de casos, mesmo que em alguns só exista fumo, é porque haverá algures fogo. E quantos são os que são conhecidos por quem lá vive e e se sabe não serem investigados?

A entrega da gestão da Saúde e da Educação, à sombra de verbas do Portugal 2020 é um erro, como outros erros existiram no passado. Quando isso for evidente, existirão investigações, descobrir-se-ão casos, serão tecidos lamentos, poucos serão responsabilizados, muito menos criminalmente até ao fim. Não é que a História esteja condenada a repetir-se… a natureza humana e de boa parte da nossa classe política é que é o que é e não mais do que consegue ser.

herman-jose_eu-sou-o-presidente

9 thoughts on “Domingo

  1. E tão simples como isto:dar mais poderes aos autarcas é dar-lhes mais possibilidades de roubar, mais oportunidades para corromper e ser corrompido.

    Nós sabemos disto. E eles ainda sabem melhor. Por isso esfregam as mãos, na expectativa. “Venham as oportunidades, agora é que vai ser à tripa-forra”, dizem eles. E não à boca-pequena.

  2. Chego a penar:
    Só há uma solução! Sair daqui de vez.Quando passar a fronteira, sacudir os sapatos e jurar: “Oh minha terra, não comerás os meus ossos”.

    É o que vejo todos os dias! E alguns cantaram: “Eles partem…eles partem… e todos, todos se vão… Galiza ficas…….

  3. Tristíssimo mas verdadeiro.
    Pobres cidadãos honestos que alimentam toda esta escumalha com o seu trabalho e descontos.
    Tantas vezes acreditando apenas por boa fé e ingenuidade.
    Mentem com quantos dentes têm na boca .
    Mentem mesmo com cara,voz e expressão de “anjinhos “. Mas gamam mesmo !!!

  4. Paulo, obrigada por esta análise tão lúcida! Tudo isto é verdade. Mas tudo isto não seria possível se não estivesse instalada uma apatia mórbida que se alimenta da esperança, quase fé de que, um dia, um qualquer salvador nos resgate do pântano. É o sebastianismo de um povo que espera uma redenção e que é incapaz de agir.

  5. A solução é complicada quando o “organismo” está tão corroído que é difícil começar a tratá-lo ou a tentar isolar as partes apodrecidas.
    Qualquer tentativa dificilmente deixa de ser “contaminada”, infiltrada, manipulada.
    Quase desânimo… abstenção, claro. Porque se desistiu quase por completo de acreditar que é possível “limpar” seja o que for.

  6. Outro facto trágico, de que ninguém fala, é o dos tribunais. Funcionários e juízes a viverem nas localidades onde trabalham só pode resultar em compadrio. Somando a isto a tal de regionalização é melhor fugir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.