A Ler

Só falta vir a réplica irritada dos pachecos e pachequinhos. Porque não querem perceber que uma escola experimental pode ser um sucesso aqui e ali ou mesmo em todo um pequeno país do terceiro-mundo ou numa província amazónica mas, no mundo ocidental actual, apenas acaba por agravar a diferença entre os que podem escapar à rebaldaria e aqueles que lá ficam, por ausência de alternativas ou porque querem ainda creditar muito que a Escola Pública pode ser outra coisa. Basta ver, em matéria de coerência, o que certos governantes fazem com a sua descendência. Ou já escaparam no tempo ou escapam no espaço.

Uma fábrica de desigualdades

Vítimas de teorias e práticas pedagógicas que já eram velhas há 40 anos, porque lhes dão jeito para camuflar o insucesso que realmente existe e continuará a existir por este caminho, há escolas (e cada vez são mais) que vivem um autêntico PREC educativo.

Finger

5 thoughts on “A Ler

  1. O que vale ao terceiro mundo é que nas províncias amazónicas (quase) não há fábricas. As desigualdades são naturais, porque a natureza é muito mais generosa do que muitos seres humanos.
    Cá as “Amazónias” têm muita “bicheza” com a mania da esperteza. E dá no que se vê…

    Gostar

    1. Daqui a dois anos o fenómeno da retenção será uma memória.

      Nessa hora, Portugal será um bastião da Educação e do sucesso a todos os níveis. Chineses, japonecas e amaricanitos saiam da frente, que aí vêm os descobridores lusitanos do século XXI.

      Afinal, o Padre Vieira tinha razão: o quinto império está mesmo a chegar,embora Pessoa o tivesse atirado mais para o século seguinte.

      Viva Portugal! Viva!

      Gostar

  2. Deixei escrito por aí, aliás acho que foi mesmo por aqui, há largos meses, que “o David Rodrigues” já era velho há quarenta nos. O mesmo para os flexíveis. Ora aí está!

    Gostar

  3. O rei vai completamente nu, mas é muito aplaudido. As “crianças” que veem a nudez são alvos a abater. Uma desilusão enorme o estado a que a educação chegou.
    Talvez nos valha a ingenuidade (própria das crianças, claro) de considerar que dentro de algumas salas de aula, podemos, ainda, fazer a diferença na vida de alguns jovens. Não posso deixar de acreditar nisso. Quando fui adolescente, os professores que me marcaram também foram os que iam contra a corrente sempre que consideravam ter de o fazer. A sua coragem e coerência inspiraram-me até hoje.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.