Uma No Cravo, Duas Na Ferradura

No exame de Português da 2ª fase do 12º ano apareceu uma parte d’Os Lusíadas que não estava prevista no cânone. A explicação dada pelo Santo Iavé tem e não tem lógica. Se concordo que se devam introduzir questões destinadas a testar as capacidades de interpretação dos alunos fora dos guiões, já acho incompreensível que isso aconteça apenas no exame de uma das fases, porque cria uma situação de evidente desigualdade. E seria útil que, de uma vez por todas, os exames deixassem de ser uma espécie de câmara experimental para as tais equipas ultra-secretas que os preparam testarem as suas teorias. Insisto que essa não é uma prática aconselhável. Assim como acho muitíssimo estranho que, com tanto especialista e alegados mecanismos de controlo, se faça um exame com questões sem resposta possível, como no caso de MACS.

Não sei como é lá fora ou onde quer que seja, mas a opção pela opacidade e por “equipas” que quase ninguém sabe quem são presta-se mais a fenómenos esquisitos como os daquelas pessoas (sem rosto ou nome, claro) de que se ouve falar com regularidade que se aproveitam de tal secretismo para práticas menos aconselháveis. E o problema não é dos “exames” é do modelo em que são feitos, nada autónomos, mas demasiado flexíveis de ano para ano e de fase para fase.

calvinandhobbesreligious1

10 thoughts on “Uma No Cravo, Duas Na Ferradura

  1. Isto é inadmissível! E como é uma entidade ultra secreta e com uma total autonomia, ninguém consegue rebater os excelentíssimos doutores! Já o exame de Filosofia, da 1fase, contemplava um tema que não era pressuposto, ser lecionado, para os alunos que já tinham entrado nas aprendizagens essenciais, no ano passado. E ninguém diz nada… A confusão é tal! O trabalho de professores e alunos é assim desprezado!

    Gostar

  2. Eles gostam muito de falar que o emprego já não é para toda a vida e que emprego estável já era mas ELES E SEUS REBENTOS continuam no PARA TODA A VIDA.

    Gostar

  3. Cheira-me a sabotagem premeditada em vários exames para denegrir a imagem dos mesmos, facilitando a marcha mediática para eliminá-los. “se até têm erros e fazem perguntas sem resposta , para que afinal servem os exames?”

    Gostar

  4. a opacidade e o secretismo nos exames nacionais já existem há décadas, e são fatores que potenciam satisfazer a clientela que tem influência, quer seguir determinada via profissional mas não tem competências cognitivas suficientes para se sujeitar ao processo e daí obter as classificações necessárias…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.