A Ler – Maria do Carmo Vieira

Divulgo com algum atraso este texto que, entre outras coisas, revela muito sobre os meandros de certas “reformas” de programas e currículos. Há mais de uma década, com a TLEBS, terá acontecido o meu primeiro choque frontal com o que, nos primeiros tempos do Umbigo, apenas entrevia como uma clique interessada em fazer avançar as “suas” opções à custa de tudo o resto naquela combinação muito “ética” de rever programas, dar formações e produzir manuais de apoio (ou outros). A mesma clique que, reforçada, está agora no poder em torno do vizir que não quer ser califa em vez do califa porque assim fica menos à vista nos momentos chatos.

Atentados e absurdos no ensino do Português: tudo em família

As sucessivas e absurdas alterações no ensino do Português, todas elas marcadas pelo oportunismo, pela ausência de debate, pela ignorância e pela arrogância intelectual, têm-no lesado profundamente.

Finger

Há Quem Acredite Piamente Que Bastará Saber Achar Uns Vídeos “Motivacionais”

Precisam os professores de Matemática de saber Matemática?

(…)

Importa uma formação que promova e aprofunde o desenvolvimento do conhecimento matemático nos futuros professores, mas também a experiência e a cultura matemáticas — que promova assim o saber Matemática, o saber-fazer Matemática, o saber sobre a Matemática. É este o sentido amplo de saber — conhecimento, experiência, cultura — que interessa a quem vai ser professor. E sobre o desenvolvimento do interesse, do gosto, da capacidade de apreciar e valorizar a Matemática, não posso aqui senão fazer mera menção à importância que têm que estas dimensões na formação do futuro professor.

O problema é que esta visão multiforme sobre a formação de professores não é a de quem acha que basta uma formação generalista com foco praticamente só nos mais básicos conhecimentos, enquanto se valorizam técnicas comunicaçionais e motivacionais que não chegam para um professor, a dada altura, sequer conseguir acompanhar os seus alunos mais dotados. Há quem parece considerar que o “conhecimento matemático” (ou de outras disciplinas) nem sequer é fundamental.

O problema não é o recurso a metodologias “pró-activas”, que incentivem o aluno a “descobrir o saber”. O problema é acreditar que os professores podem desenvolver isso e verificar o seu progresso sem eles mesmos terem um domínio que lhes permita corrigir rumos, abrir novas perspectivas, acompanhar até mais além quem o consegue. Quando impera a noção de que bastam umas “generalidades” para se ser professor de Matemática é porque se acha que ele não é um matemático a sério.

media