A Cultura Da Inocência

Diz-se que a lei determina (em Portugal e não só, embora dependa) que ninguém é culpado até isso ser provado em Tribunal e transitado em julgado. O que entre nós é levado aos extremos dos extremos, pois, perante crimes evidentemente cometidos, acabamos tanta vez sem que alguém seja considerado criminoso, não apenas com recurso a “tecnicalidades” processuais, mas em especial porque quase toda a gente se presume inocente, sempre. E quem se admite culpado – como os “arrependidos” – é na maior parte dos caos vilipendiado. E cansa, cansa bastante, esta “cultura” que parecemos ter apurado e exportado para aqueles territórios que colonizámos uns bons séculos. Podemos ter fracassado em muita coisa, mas não nesta forma muito peculiar de sermos sempre inocentes de tudo. Mesmo que tenhamos sido apanhados de robalo no bolso, filmados no acto, gravados a confessá-lo. Haverá sempre forma de dizer que a prova não existe e se existe é inválida. E se não é inválida é porque está fora de prazo. E se está no prazo, é porque desapareceu do disco rígido ou ficou ilegível, inaudível. E se não desapareceu, já prescreveu.

Ou foi o vizinho que fez. O primo que se equivocou. A mulher a dias do cunhado que malandrou.  O Bocage que flatou.

Somos um povo de inocentes, assombrado por males cometidos a partir do ar puro, por conspirações tenebrosas, por cabalas infindas.

E se alguém diz algo ou se queixa é populista, demagogo ou coisa pior. Ficam logo encrespado e gritam “caça às bruxas”.

Ide catar-vos.

M€rd@ para isto, que já farta.

omo

 

4 thoughts on “A Cultura Da Inocência

    1. Mas quando chamaram o pai do menino malcriado para lhe dar conta do comportamento do educando, este num tom muito colaborante disse:

      – Ó senhor professor, olhe que se ele disse que não tinha sido… Cuidado! É capaz de ter sido ele! Olhe que ele é um grande mentiroso…

  1. Há uns anos as televisões mostraram em directo, durante vários minutos, um assaltante no interior de uma loja ou um banco, no Porto, que manteve uma pessoa refém sob ameaça de arma no seguimento de um assalto gorado. Depois de ser capturado pela polícia, os repórteres referiam-se a ele como “o alegado assaltante”. Um alegado pato, apesar de todas as evidências…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.