6ª Feira

Parece que um governante-guru disse por aí – eu sei quem e onde, até porque me fui embora antes para não me dar refluxo gástrico – que a flexibilidade e diferenciação pedagógica não é possível com os manuais convencionais, pois o século XXI é das tecnologias digitais. Sobre isso já a colega Elisabete Jesus escreveu e bem. E o José Morgado acrescentou o que pensa sobre o tema da diferenciação e bem.

A verdade é que uma pessoa (ou duas, ou três) já nem se espanta com tamanhas barbaridades, porque se sabe que é apenas a circunstância e a sedução por parecer que move este tipo de declarações. Bem… “apenas” não será bem, porque também há por ali muita debilidade pedagógica mal disfarçada, umas teorias mal cosipadas a fazer fancaria querer parecer brocado.

Só falta explicar porque, quando se tratou de emprestar/oferecer manuais ao 1º ciclo, se apareceu a dizer que o manual escolar é o grande nivelador do material de estudo, igual para todos, democrático por natureza.

Claro que podemos sempre considerar que dos políticos só há que esperar aquilo de que, enquanto políticos, são capazes.

Contorcionista

 

5 thoughts on “6ª Feira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.