6ª Feira

Ontem estava a explicar como aquilo que conhecemos como Ciência Moderna tem as suas raízes no século XVII, no desenvolvimento do método experimental e na aplicação das novas tecnologias de então, como o microscópio (para alcançar o muito pequeno e ir descobrindo o funcionamento do corpo e da vida) e o telescópio (para ver mais longe e descobrir o funcionamento dos céus e do universo) e veio mesmo a propósito a questão do coronavírus e do paralelismo que se pode estabelecer sobre o modo como está a ser feita a sua prevenção/contenção e esforços para o combater e o que na Idade Média se fez em relação à peste bubónica ou Peste Negra, que se desconhecia ser transmitida por uma bactéria, então invisível com os “aparatos” à disposição da sociedade ocidental e inconcebível à luz das teses em vigor sobre a origem das doenças e sua propagação.

E é fácil encontrar o que se faz de melhor com origem nos métodos científicos (a relativa rapidez com que agora é possível iniciar testes e experiências para “conhecer o vírus e desenvolver potenciais vacinas) e o que ainda resta das práticas medievais (encerramento de espaços públicos, restrições à deslocação de pessoas, isolamento dos doentes).

E nem sequer houve tempo para explicar como, em matéria de opinião pública, se mistura o melhor com o pior, a tentativa de adoptar práticas de segurança não alarmistas e o disparate de associar uma eventual pandemia à orientação política deste ou aquele governo, no Extremo Oriente ou na própria Europa. Se há algo que a cartografia do COVID-19 demonstra é que ele se tem propagado, em regra com óbvias excepções (Noruega, por exemplo), mais devagar aos países pobres de África e da América do Sul (e da antiga Europa de Leste). Até nisto, o mapa das desigualdades tem regularidades curiosas.

coronavirus

(a ligação passado-presente em História é mais fácil e frequentemente praticada do que a vossa fraca filosofia pode imaginar, caros inovadores do século XXI)

 

8 thoughts on “6ª Feira

  1. Os miúdos puderam pintar um mapa? Puderam fazer um pesquisa e um “copiar/colar” da Internet? Puderam fazer um jogo de tabuleiro sobre a pandemia? Um cartaz, pelo menos? É que assim parece uma aula muito magistral, muito centrada no professor e no seu pretenso saber, mesmo que tenha havido diálogo, mesmo que tenha havido curiosidade da parte dos alunos… Isso não é desenvolver autonomia. Isso não é século XXI.

    Gostar

  2. Século XXI implica questionar a fiabilidade do mapa e a adequação de uma análise geral. Cada caso é um caso. A Coreia, se for metida ao barulho, vai falsear as médias. África terá de ser tratada à parte porque os dados são sempre pouco fiáveis e nem a data de nascimento muitas vezes se conhece com certeza.
    O que sabemos ao certo é que a cupidez e o laxismo favorecem a propagação. Não se percebe, portanto, como Portugal não tem ainda casos.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.