Contra Os Filisteus

Cheguei tarde a este autor, mas estou a gostar imenso da clareza como ele, logo nos primeiros anos do famoso século XXI, começou a desmontar o discurso “inclusivo” de alguns responsáveis políticos (e não só) acerca da Sociedade do Conhecimento, que eles pretendem com pouco conhecimento e ainda menos preocupado com padrões de Verdade, que gostam de apresentar como uma questão de interpretação. Assim como passou a ser norma amesquinhar como “elitista” qualquer pretensão ou exigência intelectual de rigor. Poderia ter seleccionado diversas outras passagens, até mais concisas e acutilantes, mas esta parece-me assentar de forma perfeita ao que vivemos, com especial intensidade, desde finais de 2015 na Educação.

IMG_2495IMG_2496

Frank Furedi, Where Have All the Intellectual Gone? (Londres, 2004, pp. 16-17)

(espero poder um dia destes contar as agruras de um tipo a quem dizem – e não foi apenas uma ou outra vez – que escreve de forma demasiado complicada para vender nos tempos que correm…)

6 thoughts on “Contra Os Filisteus

    1. AC, também fiquei com essa dúvida… a escrita do Guinote é complicada por atingir o nível de rebuscamento de dez, de 1 em 10 (10 já é gongorismo), ou é complicada por fugir aos, como dizes, ‘parâmetros do mainstream’?

      Adiante: andamos em tempos de pré totalitarismo. Informalmente, a parvoíce impera em todo o lado. Já pouco se olha à substância das coisas. A excitação breve e a irracionalidade das lógicas de grupo imperam por todo o lado… O que ontem se passou em Paris com o filme do Polanski é um exemplo do que digo: O homem pode ser uma besta, mas o J’accuse é um ótimo filme. Num festival de cinema, apreciava-se o filme e pronto! Em vez disso, transformou-se a entrega dos Césares num julgamento popular!
      Nesta lógica moralista, o que seria dos pintores do Renascimento? do Tchaikovsky? Do Camilo Castelo Branco? Está tudo parvo!

      Gostar

      1. Pois… mas eu estou com sérias dificuldades em explicar que se estou contra este tipo de “cultura do século XXI”, dificilmente estou disponível para o dizer, aceitando os termos da dita cuja.

        Gostar

  1. Aluna do oitavo ano. Estudo de “A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho”. Item de escolha curta. A palavra “semáforos”. Professor procura demonstrar como desmontar a pergunta para chegar a uma resposta. ‘O que é semáforos?’

    Outro ponto: ainda hoje tenho alunos que escrevem carácter ou acção. Porquê? É intuitivo.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.