Descodificação De Uma Tarde De Palhaçada (Com Prolongamento Para Amanhã)

Um Conselho cheio de luminárias que devem ter muito que falar e opinar durante uma tarde inteira reuniu-se durante horas para  fazer “recomendações”. Apesar de toda a gente ter ficado convencida que iria ser tomada uma “decisão”, afinal não era verdade, porque a última palavra tem de ser do shôr doutor PM António Costa.

Amanhã, depois do Conselho de Ministro, o luminário-mor, para prevenir críticas posteriores de açlguma “força de bloqueio”, irá reunir-se com os diversos partidos antes de fazer um declaração solene ao país, na qual comunicará uma decisão já tomada hoje, numa encenação de “sentido de Estado” que chateia por diversos motivos que não me apetece desenvolver, porque é do domínio da politiquinha medíocre.

Pelo menos que o adiamento da comunicação traga consigo algum “trabalho de casa” que não se limite a dizer que daqui a quinze dias existirão “aulas de compensação”. Ou que tudo poderá ser feito online. Não é assim tão simples e seria bom que os directores ganhassem um pouquinho mais – só um pouquinho – de autonomia e firmeza.

Só falta ver quem aparecerá no friso de notabilidades, a existir. Ou se será em figura solitária de líder firme e hirto em seu palanque.

Tudo bem… eu até tenho um teste (arcaico) marcado para amanhã e fica despachado. A petiza tinha um marcado para 5ª feira. Vai-se safar.

Bianca Castafiore

(adenda pós conferência de imprensa: não houve tintins e spirous para mandar fechar as escolas porque, sem elas, o país entra em colapso)

 

6 thoughts on “Descodificação De Uma Tarde De Palhaçada (Com Prolongamento Para Amanhã)

  1. Vergonhoso!!!
    A isto chama-se: ineficiência absoluta após horas e horas de convívio e troca de experiências ( só pode)!
    Zero, zero, zero! Nada de novo, tudo na mesma!
    Continuaremos à espera do crescimento exponencial e da exaustão (e doença) do pessoal hospital e incapacidade técnica e material de dar resposta!

    As denúncias de falta de equipamentos e materiais nos hospitais, de falta de condições de higienização adequada nas escolas onde nem sabão existe nas casas de banho dos alunos, de pessoas que a linha de saúde manda trabalhar ( quando as terceiras vias de infecção foram ultrapassadas), o pessoal que continua a chegar, nomeadamente, via aérea e marítima, sem qualquer controle,…

    Macau não serviu de exemplo… apesar das fortes consequências económicas que teve… Por cá, as consequências económicas e sociais (onde a corrupção engole o erário público) serão muito mais avassaladoras e dilatadas no tempo… e a incapacidade, dramática, de resposta já testemunhada na Itália, chegará cá… a esta pequenez de pequenos recursos!

    Mas… está tudo bem que as eminências é que sabem!

    Gostar

  2. A Dinamarca (tal como o Chipre, a Roménia, República Checa…) decretou o fecho das escolas por 15 dias. Por cá “cheira-me” que isso irá acontecer, possivelmente, dentro de uma semana, quando se tornar insustentável a pressão externa, leia-se, de países e organizações que estão a alertar, sobretudo nos últimos dias, para a inação de que vem dando mostras grande parte do mundo, Será uma “bola de neve” que nem o Costa conseguirá travar. A decisão de manter tudo como está é, neste momento, um autêntico suicídio, uma vez que é inevitável que comecem a aparecer, em diferentes escolas, de diferentes pontos do País, casos que obrigarão a fechar os estabelecimentos num momento em que já será tarde, pois o risco de o bicho se ter espalhado por um sem número de pessoas que partilham os mesmos espaços e os mesmos equipamentos. Mas, enfim, confiemos nos técnicos, que estiveram uma tarde-noite reunidos para “parirem” aquele “rato”. Lembra-me outra situação ocorrida ontem ou anteontem com um caso completamente diferente: a propósito do projetado aeroporto do Montijo surgiram notícias de que a Proteção Civil arrasava a localização do novo equipamento, por questões de segurança e quejandos. Não tardaram notícias acerca de um “tranquilizante” relatório do LNEC que, pelos vistos sossegava todos os receios da Proteção Civil.
    Voltando a esta questão do encerramento… não sejamos ingénuos. Disse hoje, durante a tarde a vários colegas que não contassem que fosse decretada hoje a decisão de fechar as escolas. E disse-lhes que fui acompanhando as notícias que foram sendo “plantadas” ao longo do dia e já não ando aqui há dois dias. Se rebobinarem o filme vão ver que, desde manhã começou a Sr.ª Ministra dos dentes a dizer que era uma decisão complicada mandar para casa 2 milhões de alunos, depois disse que alguns meninos, por dia, só comiam uma refeição quente, que era a que tomavam na escola… depois surgiu outra a dizer que estava em risco a avaliação dos alunos, e depois outra a questionar quem ficaria com os meninos e como iam os pais resolver a situação… É evidente que se trata de situações e questões pertinentes mas o momento é excecional e exige medidas excecionais. Para mim, que já conheço o método, tratou-se de ir preparando terreno ou, no mínimo, tentar “medir” as reações para depois decidir. Já conhecemos o método, por isso, o resultado não me surpreendeu.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.