A Sério!!!

O livro do SE Costa (parece que escreveu outros, mas basicamente é aquele em que confirma o que não renega sobre competências e conhecimentos, ou vice-versa) passou a integrar o PNL! Li no mural do co-autor (João Couvaneiro) e nem queria acreditar. Mas é verdade.

Livro recomendado PNL2027 – 2020 1.º Sem. – Cultura e Sociedade – Vida Prática – dos 15-18 anos – maiores 18 anos – Fluente

Posso usar excertos no 5º ano em vez d’A Bela Infanta? Ou d’A Vida Mágica da Sementinha?

Para quando a integração de O Dom Profano no cânone?

LAughing

(em lista de espera devem estar as obras nucleares do pafismo educacional das doutoras cosme e cohen…)

(já agora… vendeu assim tão pouco que seja preciso enviá-lo em paletes para as escolas?)

(“decoro”… um conceito de gente arcaica…)

 

Isso É Por Lá…

… que por cá devem bastar umas idas ao novo programa da Cristina (já será outra vez na TVI?), uns diálogos amigáveis com pivôs com filhos em idade de chatear se ficarem em casa, mais umas pitadas de “profundo sentido do dever cívico” e a coisa resolve-se.

Embora seja verdade que não temos (ainda) governantes ao nível do Trump, embora tenhamos opinadores que pouco se distinguem do governador DeSantis. Porque, subitamente, sem estarem nas aulas com os professores já praticamente todos acham que eles não aprendem. Mesmo se a verdadeira razão é outra.

It Will Take a Village to Open Schools Safely

Creepy-knock-on-door

 

A Malta Mexer-se, Mexeu-se, E Até Pagou Para Isso

O recibo relativo ao primeiro parecer que foi pedido ao jurista Garcia Pereira em finais de 2008 e que nos chegou em Fevereiro de 2009. Houve mais dois, felizmente menos avultados, mas dá para ter uma ideia – para quem se esqueceu, não viveu isso ou estava a defender outros castelos – do que foi preciso mobilizar em termos materiais e de confiança junto de milhares de colegas.

Recibo Gp_LI

Há toda uma história por fazer, que não se esgota na da manifestação de 8 de Março ou nas que lhe sucederam (ou antecederam), sobre a capacidade de mobilização dos professores e de ainda ter esperança em “movimentos” que escapavam às torres controleiras. Os “peões” lançados para o tabuleiro foram-se descaindo com o passar das peripécias, mas estes ainda eram os tempos em que eu a Reb/Helena Bastos e a Olinda tínhamos de assinar os cheques e assumir as responsabilidades, chegando mesmo a certa altura de avançar pessoalmente o dinheirinho para que existisse “movimento”.

Eram outros tempos. A vários níveis. Até os “monos” apoiavam ou, pelo menos, não estorvavam muito.

Deu em pouco ou mesmo nada? Poisssss……. um gajo aprende………

(claro que, pelo meio de muita boa vontade, houve daquelas “criaturas” a quem apetecia dar um par de galhetas bem arrefinfadas, que se aproveitaram do nib para tentarem pagar contas suas, fazendo com que eu levasse meses a fio a ir ao banco anular movimentos… incluindo uma senhora que decidiu que lhe deveríamos pagar a assinatura da Deco ou o simpático que tentou fazer passar a conta do telemóvel…)

(este é o período que prima pela falta de comparência de alguns dos cromos que agora andam por aí a webinar como se fossem os melhores amigos dos professores, mas então até se borravam só de pensar em por a cabecinha fora da casota… ou do gabinete… mas não gostam nada que se lhes aponte as falhas de carácter… )

Alguém Que Se Mexa

Isto vem a propósito de uma troca de pensamentos com o Ricardo Silva um par de posts abaixo.

Quem me conhece sabe que adoro que alguém faça alguma coisa em vez de falar. Para isso, estou cá eu, que até falo e escrevo depressa. Mas, mais vezes do que gostaria, vi-me metido em confusões que me valeram a crítica de desejar “protagonismo”quando eu sou do mais agarradinho ao sossego que possam pensar. Nada contra apoiar e fazer o que possa para ajudar quem tem ideias, boas iniciativas e energias, mas já dei o suficiente para o peditório de dar a cabeça e o resto nos tempos da MLR e muitas vezes perceber que muita gente bate palmas, atira foguetes, mas depois deixa o lixo para os outros varrerem. Como muitos daqueles manifestantes ecologistas ou como os anti-globalistas que defendem a revolta global e vão ao starbucks para apanharem net livre enquanto bebem um latte machiatto.

Por isso, eu gostaria de explicar de forma muito sumária o que penso sobre a situação que temos, em matéria de Educação mas com potencial generalizador, exceptuando as excepções, claro está, porque há quem ache que as generalizações são coisa tão má quando as individualizações são péssimas para outros, não descontando quem desgosta de meios-termos.

  1. A situação que temos vivido, em termos de docência, carreira, quotidiano laboral, etc, tem piorado e não tem tendências para melhorar, por razões mais inválidas do que válidas, mas aquelas sendo muito mal vistas por quem produz a maioria das leis e da opinião que as apoia e estas sendo populares entre quem está e produz barreira eficaz de agit-prop, a par de distribuição de tenças aos servidores.
  2. Os professores, enquanto grupo profissional, tendem a ser apresentados, com variável justiça como sendo pouco unidos e nem sempre com a devida capacidade de resistência para manter um rumo sem que, de repente, quem os “representa” ou quem governa consiga apresentar uma razão ou factor de desmobilização que agrada a pelo menos uma parte significativa dos que antes se mobilizavam “em manada”.
  3. Apesar disso, na última dúzia de anos, a classe docente deu mais dores de cabeça ao poder político do que qualquer outra classe profissional, pelo menos em extensão do conflito, porque os enfermeiros o fizeram a dada altura com grande intensidade. Só que, como disse acima, quase sempre outros interesses levaram a acordos formais ou implícitos, entre os “actores” em presença, com ou sem “chantagens” ou “seduções”.
  4. Depois de uma ou outra subida de escalão e com a escalada da idade, há cada vez mais gente que só quer chegar ao fim da carreira e dispensa chatices próprias, mesmo se apoia que outros façam alguma coisa enquanto vão a formações/webinares com a doutora cosme, o secretário costa, o guru fernandes ou o inclusivo rodrigues para ganharem créditos para a chegada da última tranche do faseamento. E ainda há os que são mesmo crentes deste sistema porque gostam que lhes sussurrem ao ouvido com voz doce, enquanto lhes dão uns cargos e mais umas horas de redução para ficarem longe dos alunos que clamam adorar.
  5. Por tudo isto, se querem “movimento”, mexam-se que eu depois empurro, porque também eu me cansei de oportunistas a ver se apanham cargos na dgae, “submarinos” a ver se arranjam um lugar em listas do partido ou, os mais humildes, uma coordenação local qualquer que lhes transmita a sensação de que podem mandar nos pares ou, ainda melhor, monotorizá-los [sic] que é um modelo de monitorização em que predominam os monos.
  6. Ahhh… e cada vez me custa mais defender posições em que os monos são os que, no fim, mais acabam por ganhar. Ou perder menos. E ainda gozam com os outros.

Pensamentos

(anote-se que tive a “gentileza” de não nomear as pessoas em que estava a pensar, sejam as que vocês perceberam à primeira, seja as que talvez só eu conheça, se descontar quem aqui vem só para perceber se estou a falar del@s…)

(a remexer em papéis “velhos” dei com um dos recibos do pagamento de um dos pareceres que entre 2008 e 2010 pedimos ao jurista Garcia Pereira… quando comparo o dinheiro que tudo aquilo envolveu e vejo certas coisas agora, dá-me cá uma vontade de não rir com tudo aquilo que se arriscou então…)

Uma Declaração Para A Acta Do Pedagógico, Pela Fátima Inácio Gomes

Alguém que tenha consequência. Que não diga isto e aquilo cá fora e depois lá dentro se limite a fazer de eco ou a obrigar os outros a serem eco em órgãos sem qualquer autonomia e cada vez com menos massa crítica. Não é nada “radical” ou “extremista”, descansem. Apenas coerente.

FIGomesCP

E Continuamos A Pagar Isto Tudo Porquê?

Novo Banco vendeu 13 mil imóveis a fundo anónimo, deu crédito e recebeu compensação estatal pelas perdas

Foi o maior negócio imobiliário em Portugal nos últimos anos. Foi uma “pechincha”. O Fundo de Resolução cobriu as perdas de centenas de milhões. O Novo Banco vendeu e emprestou o dinheiro a quem comprou. Quem? Não se sabe. Ninguém escrutinou os compradores.
Para que, como eu, não tem acesso exclusivo, há um resumo aqui. Isto é tudo demasiado mau, mas a coreografia é sempre a mesma.
buraco-dinheiro-2

A Ler

There Are Many Ways We Haven’t Tried to Test for the Coronavirus

We could test saliva. We could test groups of samples at once. We could even let people test themselves. These tests aren’t perfect, but that’s not the point.

Risk, uncertainty and fear of failure: Why scientists aren’t celebrating a coronavirus vaccine yet

Scientific community wrestling with how to deal with both public hesitancy and overblown expectations for a potential jab.

Finger