Mas???

Se não há praticamente risco nenhum na reabertura das aulas, como alguns andam por aí a “vender”, como se justifica que a partir de 15 de Setembro, exactamente por causa dessa reabertura, o país fique em “estado de contingência”? Porque já andam os do costume por aí a carpir-se caso as coisas não corram bem e tenham de levar os filhos para são Bento, para que o actual PM tome conta deles.

 

A Praia É Do Povo

A parte mais “gira” foi ver 2 jeitosos da baywatch nacional a tentarem (com um 3º a observar a partir da viatura do ISN):

  1. colocar uma bandeira vermelha num poste (a bandeira amarela que se vê na foto é a do estado do mar e não da lotação da praia)
  2. colocar o poste no ponto de fixação no chão.
  3. irem-se embora sem conseguirem completar a tarefa anterior, numa de “que se lixe”.

Informação É Uma Óptima Prevenção

A sujeição da agenda mediática a interesses políticos é tão má quanto o seu inverso e ainda pior quando a cumplicidade é em torno da opacidade e da transmissão de mensagens com o intuito de “tranquilizar” a opinião pública e assim melhorar a percepção das medidas tomadas, mesmo que nem sempre sejam as mais apropriadas ou melhor fundamentadas nos factos. O mesmo com as “opiniões” quando não são mais do que encomendas impressas ou “digitalizadas.

Contra isso, há que procurar informação relevante e tentar compreender tudo o que está em causa, antes de se aderir à narrativa do “clube”.

Agradeço ao Livresco o envio destas ligações:

We Are Overlooking A Critical Piece Of The ‘Reopen Schools’ Puzzle

The Mental Health Toll of Going Back to School During a Pandemic

9,000 Florida children caught COVID-19 within 15 days of school reopenings

(e isto não é uma questão de “alarmismo” ou “histeria” como alguns operacionais do regime andam a espalhar, mas simplesmente defender o direito à informação com transparência e sem uma carga imensa de spin)

 

O “Amor À Camisola”

Parece que leva quem antes era absolutamente sensível a qualquer excesso de linguagem de um “adepto” ou dirigente da tribo adversária, a aceitar como “desabafo” natural algo semelhante dito por um dos seus e a considerar “ilegal” o que antes era perfeitamente aceitável.

Posso tentar compreender, mas dificilmente aceitarei que a melhor opção seria a de ficarem calados (quer os dos “desabafos”, quer os que os lavam mais branco).