Testemunhos – Maria de Jesus Gaspar

Neste regresso à escola muitas são as incertezas e os desafios. Contudo, se algo seria necessário após um final de ano tão atípico e difícil, eram segurança e certezas. Mesmo que depois tudo tivesse que ser alterado após o começo…Mas pelo menos haveria a convicção que alguém pensou, planeou, e isso era reconfortante. Não é o caso.

Sou, como muitos de vós, pertencente a um grupo de risco. Logo, em maio, entreguei a declaração, de acordo com a lei, e não fiz atividades presenciais. A escola compreendeu isso. Todavia, neste momento, a mesma escola diz-me para entregar atestado médico. Contudo, (ainda) não estou doente. Aliás, considero grave que médicos alinhem nesta situação e que eles próprios, em defesa da própria classe, não venham ajudar a esclarecer esta situação, pois uma coisa é estar doente outra é ser portadora de um conjunto de patologias que, perante uma possível infecção por este vírus, terá consequências eventualmente mais graves para nós, grupo de risco, do que para a maioria dos restantes infectados. Saliento que não estou doente e não quero baixa médica. Quero regressar à escola, ao trabalho, mas com condições de segurança sanitária que me permitam, enquanto professora com fatores de risco acrescido, fazê-lo de forma segura. Hoje, num webinar dinamizado pela plataforma #somossolução o SE afirmou que a solução para o meu caso seria meter baixa. Reforço que não estou doente e que quero trabalhar. A afirmação e resposta do SE João Costa não são lei e poderão estar a incorrer, talvez, em muito desconhecimento … Não conhece os dados dos professores  com patologias de risco? Deveria, pois bastava ter pedido às escolas esse levantamento. Se assim fosse talvez as escolas e os seus diretores estivessem mais capacitados para organizarem as suas escolas e saberem que tarefas deveriam atribuir aos seus docentes.

No dia 4 estive presente numa reunião de departamento que decorreu com segurança para mim. Caso assim não fosse, ausentar-me-ía. Contudo, não tenho a certeza se  após a mesma, a sala foi sujeita a algum tipo de limpeza. Aliás, talvez fosse de afixar em cada sala um registo de cada higienização, pois desconfio que muito se anda a vender aos pais e à comunicação social como verdadeiro… Questão diferente será estar numa sala de aula com 28 alunos…  Sempre que vou ao Centro de Saúde fazer a consulta de anticoagulacão vejo respeito absoluto por todas as boas normas de segurança: distanciamento amplamente divulgado de 2 m, etiqueta respiratória, linhas/marcas de controlo de distanciamento nos guichês de atendimento, acrílicos de protecção e separação nos consultórios, máximo de 3 ou 4 pessoas nas salas de espera, separação nas cadeiras, respeitando o distanciamento, medição de febre e perguntas à entrada…. Não sou a mesma pessoa quando entro na escola? Na escola, segundo a DGS e o ME, 1m, se possível.

Não tenho direito à mesma segurança e consideração? É por isso que me bato, e assim continuarei,  para  garantir o direito e a segurança  a que tenho direito no regresso ao trabalho. Quero regressar à escola e poder exercer a minha tarefa enquanto professora e Diretora de Turma, mas não sinto que possa fazê-lo, pois tenho imensas incertezas e ainda ninguém me disse que posso trabalhar com os mínimos de segurança. E isso já devia ter sido acautelado, tanto para  alunos como para  professores ou assistentes operacionais.

À falta de melhor, e perante as muitas dúvidas que surgiram após um conjunto de perguntas feitas ao SE João Costa, em que este referiu que os professores na minha situação teriam de apresentar atestado médico, recordo que está em vigor um regime excecional de proteção dos trabalhadores imunodeprimidos e portadores de doença crónica, quando considerados de risco de acordo com as autoridades de saúde, e que permite, em determinadas circunstâncias, a justificação das faltas ao trabalho – cf. artigo 25.º-A do Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13 de março, na sua redação atual. Foi este revogado? A situação que levou a esse decreto-lei desapareceu? Estou doente para meter atestado médico? Não. O meu portátil e o meu trabalho serviram para o ME durante o período de ensino remoto, mas agora sou empurrada para atestado médico? Não. Recuso-me.

Então, o que me garantem o Estado e o ME?

Aos que tenham o desejo incontrolável de crítica, respondo: não quero continuar em teletrabalho. Gosto do que faço e sinto falta dos meus alunos e da dinâmica da escola, da agitação, do convívio. Já que não há desdobramento de turmas, pelo menos que não me coloquem em duas escolas (Tem lógica? Com declaração entregue na escola antes das férias e mesmo depois de conversar com a diretora do AE,   alertando para o risco acrescido que para mim representava, mas também para os alunos, deslocar-me entre duas escolas?). Há bom senso neste tipo de decisões ou sequer conhecimento básico de qualquer tipo de orientação relativa a questões de saúde? Não creio.  Que me coloquem a dar apoios, tutorias, o que quiserem, mas que  arranjem uma solução que não seja  penalizadora e quase um castigo, pois não escolhi ser portadora de uma patologia de risco. Para os que me criticarem com o chavão “Bolas para os professores! Só contestam, só exigem!” respondo que não devo nada a ninguém, pois nunca o estado me deu nada, nem abono de família para o meu filho. Sempre paguei os meus impostos e fiz todos os meus descontos. Roubaram-me muitos anos de serviço e a possibilidade de atingir o topo da carreira. Quero trabalhar, mas com segurança!

M.ª Jesus Gaspar, professora

7 thoughts on “Testemunhos – Maria de Jesus Gaspar

  1. Infelizmente o testemunho da colega Maria José é muito real, no que aos docentes diz respeito,mas também como foi comentado por outro colega no que respeits às “permissões” que o Estado possibilita defraudando uma vez mais a imagem dos professores mas sobretudo a sua, a do Estado não cumpridor, parcial e que uma vez mais está a desviar a atenção do que é realmente importante, o n° de alunos por turma, os espaços e sua desinfecção e por ai fora.
    Força Margarida, espero que muitos a acompanhem nesta denúncia e reivindicação.

    Liked by 1 person

    1. Viva, Carla, obrigada.
      O que escrevi, sobre colocar atestados, era relativamente aos dias anteriores, desde dia 1. Apresentei-me digitalmente, estou em casa desde março, até porque fui operada e veio tudo em seguida. Não me disseram que estava mal nem bem portanto, ao serviço. E depois, nem sabia dessa coisa dos 28 dias sem faltas. De qualquer modo, mantenho-me em teletrabalho, acho eu. Apesar de não ter resposta, informação ‘preto no branco’. Sei que já trabalhei, que já tenho serviço distribuído, que já estive em reuniões mistas, o que considerei excelente sinal. Agora, vamos ver o resto. Na minha interpretação, não há razão para não me manter em teletrabalho até porque sei que seria útil e francamente, se soubessem aproveitar, faltar-me-iam horas para dar conta do recado.
      Amanhã, é outro dia.
      Infelizmente, temo que tudo vá piorar e sabe … estou defendida. Custa-me estar fechada, sim. É que sendo de risco, não saio há estes meses todos, contam-se pelos dedos … E muni-me para dar resposta à escola, mesmo que em ensino misto ou em situações destas, em que malta como eu, com mais de 60% de incapacidade se manteria em teletrabalho.
      Vamos ver.
      Muito obrigada pelas suas palavras e força que recebo, que aceito. Porque, não está a ser fácil lutar por isto numa altura em que há tanto com que nos preocuparmos mais.

      Gostar

  2. Boa noite,

    Sou ex-aluna da Dra. Maria de Jesus Dias Gaspar, penso que se trata da mesma pessoa (pela qual guardo um carinho muito especial) e gostava imenso de entrar em contacto com a mesma, caso fosse possível.

    Penamacor – ano 2002/2003 – turma 7-C

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.