Mamãs Que São Um Risco

Retirado pela Ana Mendes da Silva do mural de um grupo “negacionista” em relação à covid-19 e às regras para evitar contágios. Há por lá mais, muito mais, deste género. Instruções para @s educand@s esconderem os sintomas e incitamento a quebrarem voluntariamente o distanciamento.

Terreno Escorregadio – 2

Gostava de acrescentar um ou dois detalhes ao post do fim de semana acerca da ideia de “premiar” ou “valorizar” as qualificações dos docentes. Porque não sei se serão as qualificações académicas, se aquelas que nos enfiam pelas goelas abaixo, em moldes quase obrigatórios, sob o manto de “formação contínua” certificada lá por Braga. Ou se, se forem académicas, teremos, como já se passa, aquelas que são aceites como virtuosas – com chancelas das doutoras arianas, do secretário costa ou do inclusivo professor rodrigues, só para exemplificar – e as que não são reconhecidas para nada? Eu exemplifico… um mestrado/doutoramento em Desenvolvimento Curricular ou Gestão Escolar no instituto ou faculdade certa dá direito a progressão e “bónus”, mas se for numa área disciplinar específica, de natureza mais científica, ficará a chuchar no dedo?

Porque me parece que o plano será recompensar os séquitos, a partir de uma definição muito estreita do que serão consideradas qualificações com “mérito” para a docência. Até porque já há por aí antecedentes… que devem muito às conveniências de passagem e muito pouco a qualquer critério de objectividade.

Se não é assim, serei o primeiro a reconhecer. Mas… se há gente em que não acredito na boa-fé em termos de definição de carreiras na administração pública é em quem se especializou na análise do modo como se alteram as circunstâncias de contratos estabelecidos pelo Estado.

Uma Enorme “Positividade”

Globalmente, o prémio terá de ser dividido entre o Filinto Lima e o ministro da Educação.

O primeiro porque, com um discurso que até conseguiu fugir à total demagogia de outros, se multiplicou em declarações para tranquilizar a opinião pública quanto à segurança dos espaços escolares (mesmo se já se tentou explicar que o maior problema não é esse); foi curioso o encontro de amigos junto à sua escola-sede com o João Dias da Silva (que até disse que os alunos que vamos receber esta semana não são os mesmos que deixámos em Março, como se ele tivesse deixado alguns ou fosse receber seja quais foram) e o pai Ascenção da Confap.

.O segundo porque em mini-entrevista à TVI, numa bem escolhida sala com carteiras individuais para os alunos, parecia uma picareta falante, a despejar todo o guião a cada pergunta, mesmo quando respondia completamente ao lado da pergunta, como quando disse que tinham uma lista ordenada de professores para assegurar substituições. Sim, homem, tens uma lista. E se a lista não tiver gente suficiente ou se a maior parte de declarar indisponível para passear pelo país nas actuais condições? Por outro lado, a máscara pareceu melhorar-lhe o discurso e não pisca-piscou tanto como é habitual. Já agora, o “regime excepcional” de protecção com que encheu tanto a boca é aquele que ao 31º dia deixa de pagar salário aos trabalhadores de risco, certo?

O prémio “estou aqui, mas não queria” vai para o SE Costa que, na generalidade dos instantâneos televisivos, apareceu ali mais na linha de fundo, fora de grandes ajuntamentos, não vá o bichinho tecê-las.

Por fim, quanto ao PM, realmente o lugar dele é mesmo a tirar fotos na final da Champions no camarote dourado da Luz, porque cada vez é mais difícil ouvi-lo sem um enorme enfado com aquele ar de quem sabe que está garantido no lugar, enquanto garantirem que o psd está reduzido a minions e a esquerda espera por aljubes e outras coutadas.

Assincronias

Via num canal noticioso, escolas já com turmas em aula, com 10 a 15 alunos por sala. Mas há outras em que os alunos nem sabem ainda os horários. Sim, claro que devemos olhar para o copo meio cheio. Mas há quem ande com sede e isso provoque natural ansiedade. Sim, tudo isto é muito difícil, mas há quem, em certas alturas, queira os “prémios”, mas correndo devagarinho.