Sábado

A larga maioria sobreviveu ao primeiro mês de aulas, apesar de muitos percalços e do secretismo acerca da situação real em muitas escolas. E acreditem que este é capaz de ter sido o melhor dos meses deste ano lectivo, porque o futuro próximo não me parece brilhante. Até o primeiro António e o seu fiel presidente Marcelo já falam em “emergência” quando há não muito tempo tudo era confiança e descontracção natural em fotos de férias do PR.

Há uma coisa que parecem não entender – ou fazem que não entendem – e que é o erro de darem a sensação clara de não terem um rumo e, perante circunstâncias expectáveis, acharem que é com “abanões” que alguma coisa se consegue ou altera, como que de improviso. Ou com decretos e multas. Como com os alunos muito do trabalho inicial deste ano deve passar por equipá-los para a eventualidade de se passar a um regime não-presencial ou misto, com a população em geral os meses do Verão deveriam ter sido usados para sublinhar a importância da responsabilidade individual e dos comportamentos de cada um@ para evitar o pior.

Em vez de se achar que era dando a entender que o pior já tinha passado – e que me desculpem os que acham que tem sido promovida uma “cultura de medo”, mas por cá não foi bem assim, pois nem sequer houve uma “cultura de prevenção” consistente – teria sido bem melhor contrariar a evidente descompressão do “tudo vai acabar bem”, desde que a economia funcione, não percebendo eu que economia funcionará, mesmo sem confinamento, se os contágios continuarem a multiplicar-se, apesar de (e sei que me repito e que o faço mesmo sem ter familiares directos em grupos etários de risco) só morrerem aqueles que alguns acham que já andam cá só a consumir recursos.

Achou-se que o verão deveria ser de cigarra e não de formiga e agora anda tudo meio atarantado porque as cantorias não produziram a magia prometida. E a realidade se impôs Às afirmações inconsequentes de que nada se podia prever. Poder, podia-se, mas não era popular, nem demagógico.

A Corte preferiu a mensagem “positiva” e os cortesãos que a amplificaram agora parecem desconcertados ou algo atrasados em encontrar uma nova “narrativa” que evite admitir os erros e os apresente como tendo sido indispensáveis para criar um clima de esperança.

Ora… há poucas coisas piores do que verificar-se que a esperança foi um logro, mesmo se dizem que ela custa ou é mesmo a última a fenecer.

3 thoughts on “Sábado

  1. Parabéns pelo texto. Concordo mesmo.
    Fartote de “cigarras “.
    Estratégia nacional ?
    O presidente a banhos ( infelizmente na praia que frequento ) sorriso para aqui e para ali.
    No pasa nada !!!

    Gostar

  2. Verdade, verdadinha… Nas nossas escolas chegam a ser ridículas as ordens de trabalho que dão corpo a chatíssimas reuniões de Direção de Turma, Grupo disciplinar ou de Pedagógico…
    Quanto às medidas preventivas… um verdadeiro fartote de rir.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.