Admira-me Tamanha Admiração

Foi preciso MSTavares entrevistar o André Ventura para muita gente constatar que ele tem do jornalismo uma memória distante e que como entrevistador é uma lástima completa, servindo-se do tempo que lhe dão para atropelar os entrevistados de quem não gosta ou estender o tapete aos que são da sua simpatia? A entrevista de António Costa não parecia um derriço à moda antiga, cheio de olhares e cumplicidades, mas sem proximidade física relevante? Antes disso, já não se tinha visto o “entrevistador” a interromper a despropósito os convidados para fazer as suas declarações pessoais sobre este ou aquele tema da sua estimação? E depois desata a culpar as “redes sociais” por tudo e nada, nunca tendo um pingo de auto-crítica ou de admissão dos erros grosseiros que comete?

Se um entrevistador não está obrigado a ser neutro, também não deve ter sempre a mania de que ele é que sabe tudo (e a verdade é que cada vez ele sabe menos do mundo que o rodeia) e os outros são idiotas (em especial por terem aceite o convite). Em outras paragens há entrevistadores durinhos, também com alguns tiques de “diva”, mas os seus programas têm uma componente de entretenimento assumido. É o caso de Bill Maher, que faz poucos prisioneiros quando leva gente de que não gosta, mas ao menos sabe do que fala.

Mas se a TVI paga ao presidente da CMLisboa para ter um espaço de “opinião”/propaganda, pouco me espanta que ache que vale a pena apresentar o nosso opinador-mor do reino do faz-de-conta como se fosse uma cristina ferreira da informação ou algo mais do que um tipo com uma arrogância só equivalente à sua ignorância funcional e aos preconceitos que se foram agarrando à pele e ele confunde com “frontalidade”. Não, é apenas um envelhecido petiz mimado e malcriado. E não espanta nada que deteste professores.

4 thoughts on “Admira-me Tamanha Admiração

  1. In vitro veritas.

    A verdade passou a ter validade apenas dentro de um contexto específico, dado o esgotamento das verdades universais que nortearam o Homem nos últimos 2000 anos. A verdade passou a ser um problema e como os problemas se tornaram desafios, o discurso político passou a ser uma desgarrada.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.