2ª Feira – Dia 11

Não é fácil encontrar a solução “certa”, que agrade a todos ou mesmo a uma parte significativa de todos os envolvidos neste novo período de E@D. Não tenho nenhuma solução mágica que considere superior a todas as potenciais alternativas. Ao contrário de quem acha que a tem, apenas tento aprender com o que não correu bem, assim como prever o que parece óbvio ter tudo para não resultar, mo sentido de evitar bloqueios a curto prazo. A questão da desigualdade de acesso está mais do que falada, embora continuei por resolver. Assim como a da preparação da miudagem, em especial dos mais novos, em matéria de literacia digital para efeitos educacionais ficou muito aquém do desejável.

Mas, para além desses problemas, existe o da previsível saturação técnica e humana de uma solução que procure replicar de muito perto os tempos, ritmos e métodos do ensino presencial, só que por via remota. Mais do que 2 a 3 sessões (síncronas) de 30 minutos por dia parece-me algo impensável para os alunos do 1º e 2º ciclo, se essa for uma opção para mais de um par de semanas. Há uma enorme diferença entre aulas síncronas por via remota e aulas presenciais ou jogos online. A miudagem pode estar horas a fazer jogos, mas está longe de ser o mesmo. Será preciso explicar isso? Sim, podem estar horas agarrados aos telemóveis, mas mesmo que consideremos que isso também é “aprendizagem”, não é claramente o mesmo. Assim como uma hora decorre de uma maneira muito diferente se for presencial ou à distância.

Para além disso, acho que nem mesmo os maiores entusiastas e solucionistas do ensino remoto acreditarão que será possível manter o tráfego pela net que implica a realização de milhares de aulas síncronas em simultâneo. Ainda há dias me foi dito que algumas sessões de vídeo-conferência de uma instituição de bastante nomeada não conseguiam ser feitas de modo contínuo nos períodos de maior utilização das plataformas de streaming.

Há erros que podemos evitar, sendo talvez o maior o do preconceito de que “os professores não querem é trabalhar” ou que “os alunos vão sofrer perdas irreparáveis”, se não tiverem uma carga de aulas síncronas de não sei quantos por centro do seu horário presencial. A obsessão com a quantidade continua a sobrepor-se ao da qualidade do trabalho feito. Assim como a obsessão com uma variante da “igualdade” que é a completa antítese da tão apregoada “diferenciação pedagógica”.

A “solução” deve ser feita de “soluções”, conforme as idades e ciclos de escolaridade, conforme o perfil das turmas, conforme as disciplinas, conforme os meios disponíveis. Em vez de grelhas uniformes e rígidas para todos, seria muito importante que a tal ideia da “flexibilidade” fosse mesmo aplicada neste contexto, em que faz todo o sentido. Não é que seja desejável uma espécie de mosaico incoerente, mas parece-me razoável perceber que um 12º ano com 5 disciplinas e alunos com 17-18 anos não pode ser encarado da mesma forma como um 5º ano com 10 disciplinas e petizada de 10 anos. Ou que uma turma de 2º ano não pode ter a mesma “solução” que uma do 9º ano.

Infelizmente, o que vou começando a ver em matéria de horários e “sincronicidades” leva-me a pensar que muitos adultos são realmente de aprendizagem muito lenta.

6 thoughts on “2ª Feira – Dia 11

  1. A aula síncrona, encarada como ‘uma aula como as outras só que à distância’ tem todas as condições para fracassar.
    Os momentos de sincronia entre alunos e professores, quanto a mim, fazem sentido para partilhar um diapositivo, a redação de uma tarefa, esclarecer dúvidas.
    A verdade é que as aulas à distância, para serem minimamente eficientes, são uma verdadeira trabalheira.
    Parece-me que o busílis (ia escrever ‘a impossibilidade’) do e@d é a avaliação.

    Gostar

    1. as aulas sincronas servem para tirar duvidas e para apresentar novos conteudos , nao tem de existir 50 min de aula

      a avaliacao tem de ser efetuada á base de projetos e trabalhos finais de conteudos ,com recurso a software antiplagio

      Gostar

  2. Boa tarde. Na resolução do Conselho de Ministros 53 D/ 2020, nº 16 b), de 20 de julho, sobre a organização do ano letivo em situação excecional de pandemia, está escrito que, e passo a transcrever ” b) O membro do Governo responsável pela área da educação define a percentagem de sessões síncronas que devam verificar-se;”. Porém, não encontro em nenhum documento, se essa percentagem já foi definida. Assim, pelo que começo a ver cada escola está a fazer como entende, inclusive, a cumprir todo o horário letivo de forma síncrona. Isto vai dar um apagão da NET!
    Como sempre, e para não variar, o poder de antecipação da nossa classe política na resolução dos problemas é lastimável.

    Gostar

  3. os diretores andam afastados das salas de aula ha muito tempo

    não sabendo eles o que sao aulas sincronas para que servem e como se lecionam , é natural ver estas barbaridades serem IMPOSTAS nas escolas

    a qualidade para esta gente que nao é o reflexo da voz dos profs no ME, é sinonimo de quantidade, nem q para isso as coisas sejam feitas apenas para ingles ver

    Gostar

  4. O ponto fulcral foi dito: mesmo com tecnologia de ponta pode-se não captar a atenção. E porquê? Porque não é a tecnologia mas o conteúdo. Quando se verificou que depois das escolas estarem apetrechadas com tecnologia que continuava a dificuldade de captar a atenção do estudante, percebe-se que não era a falta de tecnologia que levava ao desinteresse mas tão somente o conteúdo que se trabalha com essa tecnologia. Porque a miudagem consegue estar horas consecutivas a jogar, a ver youtube, instagram, tiktok, etc. Aliás, uma das queixas mais frequentes é sobre os estudantes usarem o telemóvel nas aulas durante todo o tempo letivo, em modo lúdico. Por isso, não é ensinar à distância com o mesmo horário semanal que é impraticável mas simplesmente porque a malta não quer estar a estudar mat., port., cn, fq, hist., etc. É garantido que se todo o horário semanal fosse ‘gamificado’ a juventude fazia essas horas todas sem qualquer dificuldade….!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.