Os Estranhos Números Da Escola Digital

Na RTP3 passava esta noite uma peça sobre os atrasos da Escola Digital. Tudo bem, até surgir reportagem num agrupamento de escolas de Olhão a que chegaram 500 kits tecnológicos, esperando-se ainda mais 200. O que também acho bem, até porque existem mais de 50% de alunos com apoio social escolar, a maioria deles de escalão A (os últimos dados disponíveis online apontam para 650) e o agrupamento tem muitos alunos com as antigas necessidades educativas especiais. Terão recebido equipamento, a avaliar por estes números, cerca de 25% dos alunos do agrupamento.

E eu acho que até faltam chegar mais.

Só que… estes números são profundamente assimétricos em relação a muitas outras escolas e agrupamentos do país, mesmo tendo em conta aqueles factores. Porque há agrupamentos que conheço (e dos quais é possível recolher informação online) com caraterísticas bastante similares (em termos de alunos carenciados) que não receberam metade daquela quantidade de kits (0,5% dos 100.000 que terão sido distribuídos até agora).

O que me faz interrogar acerca da forma como isto decorreu. Se foi como com as prioridades das vacinas…

Phosga-se! – Série “Isto Vai Dar Uma Ganda Confusão!”

A intenção de boa parte do que vou publicando não é necessariamente apontar o dedo a quem decide estes métodos de trabalho, mas sim deixar claro que este é um período muito mais complicado do que o presencial, que exige muito mais em termos de planeamento e que quem acha que os professores querem é ficar em casa está muito enganado e a mais de um nível. E deixar igualmente claro que parte disto poderia ter sido evitado se tivesse sido preparado a tempo, a nível central, não se esperando que sejam apenas as “escolas” a desenrascar-se ou as autarquias a chegarem-se à frente, porque há muitas que não se chegam.

O mail seguinte retrata a situação de um agrupamento também da zona norte onde é notória a carência de equipamentos dos alunos e as dificuldades familiares no actual contexto. São 100 alunos a terem de continuar na escola, em regime presencial/misto (mais de 6% do total do agrupamento), mesmo depois da distribuição dos kits aos mais carenciados. Destaco ainda o facto (raro) dos critérios de avaliação para esta situação terem sido aprovados em Conselho Pedagógico e Conselho Geral.

Tenho outros exemplos, alguns deles disponíveis online, mas este é um retrato claro da complicação que se vai desenrolar a partir de dia 8. Poderia ter sido diferente? Podia, mas agora dizem que não interessa nada.

Seguem algumas informações referentes ao Ensino à Distância.
Ensino à Distância: este regime de ensino tem de ser muito, muito bem organizado.

A – Três cenários de aprendizagem no agrupamento:  

1 – ensino não presencial – alunos e professores trabalham a partir de casa. 
A mancha de horário dos alunos é aquela que ficou definida em setembro passado, embora se tenha procedido a algumas alterações pontuais. Nesse mesmo horário está definido as aulas síncronas (mínimo de 30 minutos) e assíncronas.  Os horários são para cumprir de acordo com as horas marcadas (horários enviados).
No 2.º e 3.º ciclos não há desfasamento de horário.

A partir do dia 8 de fevereiro os Professores das Atividades de Enriquecimento Curricular, Professores das Expressões no Pré-Escolar e Animadores do Pré-Escolar irão efetuar teletrabalho através da Plataforma + Saber.
Desta forma, através do acesso facultado anteriormente aos alunos, estes poderão interagir com os seus Professores e Animadores, bem como ter acesso a atividades diversificadas e lúdicas, solicita-se divulgação desta informação junto dos alunos e encarregados de educação.  

Pré-escolar: a regra é que cada educadora estipule com os EE o que é melhor para a família e para o educador; é da responsabilidade do educador identificar as crianças que não têm contacto. Tem de ter um plano de atividades semanal. De referir que os alunos que não têm recursos informáticos, devem ser contactados telefonicamente, no mínimo 1 vez por semana, com entrega do plano a cumprir.
 1.º Ciclo: Dado que a escola vai receber, aproximadamente, 50 alunos para realizarem o ensino à distância na escola, estabeleceu-se um horário por ano de escolaridade. Por exemplo, na próxima segunda-feira aula de Português síncrona e depois um tempo assíncrono, permitindo que o aluno realize as tarefas propostas com o apoio de um professor supervisor. No 3.º e 4.º anos a mancha letiva altera-se um pouco pois tem que se ter em conta a disciplina de Inglês. Cumprimento do horário enviado. O Apoio Educativo é realizado pelos professores supervisores.
2.º e 3.º Ciclos: Os professores e alunos cumprem o horário estabelecido. No 2.º ciclo não há Apoio ao Estudo. Os Apoios Educativos 2.º e 3.º ciclos – podem ser realizados, o professor responsável decide, juntamente com o DT, a sua pertinência.

2 – Ensino não presencial para os alunos sem recursos
O Office 365 vai ser o ponto de recolha das atividades a realizar por estes alunos, sem recursos informáticos. As tarefas devem ser só páginas do manual e anexar uma ficha em PDF, a disponibilizar até à sexta-feira, da semana anterior. Os alunos e/ou os EE vão buscar na segunda-feira, seguinte, a planificação semanal e as respetivas tarefas, que voltam a entregar no final da semana, para que o professor dê, posteriormente, o seu feedback. Não é permitido o uso de links, nem PowerPoint para este tipo de aluno. 
A ficha de atividades encontra-se no OFFICE 365.

3 – Ensino presencial/Regime Misto alunos em risco identificados pelos PTT/CT – aproximadamente 100 alunos: 3 do Pré-escolar; 50 do 1.º Ciclo; 47 do 2.º e 3.º Ciclos. Dado elevado número de alunos a logística não é fácil para ter estes alunos na escola e dar-lhes condições de estudo adequadas. Professores supervisores – Foram selecionados os colegas que têm menos horas letivas e mais tempos letivos de apoio e coadjuvação; no 1.º Ciclo, foram escolhidos os professores de Apoio Educativo. Neste momento a escola tem 5 espaços diferentes, por ano de escolaridade. A mancha destes alunos é o horário da turma. No 1.º Ciclo, a opção vai ser a começar às 9H00 e terminar às 13h, havendo algumas aulas de tarde.  

B – Quanto aos critérios de avaliação: no que respeita ao Ensino à Distância, relembro o que foi aprovado em CP e CG:
Com menos de 2/3 das aulas em Regime Presencial – aplicam-se os Critérios de Avaliação e as Ponderações dos diferentes períodos, usados no Regime Presencial; ressalva-se a situação das disciplinas eminentemente práticas, onde o domínio psicomotor tem uma ponderação elevada. Neste caso, a ponderação atribuída a este domínio será distribuída pelos domínios cognitivo e sócio afetivo, em função das decisões de cada disciplina. No que se refere aos Instrumentos de Avaliação, alguns deles, especificamente, utilizados no Ensino Presencial, podem ser suprimidos por questões relacionadas com a sua inexequibilidade no Regime Não Presencial. Nesta avaliação, perante a situação de excecionalidade que vivemos, os alunos não serão prejudicados pelo facto de não disporem de ferramentas adequadas e suficientes para realizarem as aprendizagens pedidas, bem como de não poderem usufruir de apoios educativos. 

C – Quanto aos testes presenciais que ficaram definidos no Plano de Ensino à Distância, nesta situação de confinamento, não se realizarão.
Assim, os professores devem adaptar/acrescentar/reforçar os instrumentos de avaliação (chamadas orais; realização de trabalhos; participação e empenho nas aulas; questionários, entre outros) de forma a cumprir o que foi definido nos Critérios e Instrumentos de Avaliação para o E@D. Devem ler o texto de apoio enviado.

Ficha de avaliação no OFFICE 365:. Quanto à tabela de registo a preencher semanalmente por todos os docentes é uma situação particular da semana (mera indicação de como o processo está a decorrer com aquele aluno); as avaliações particulares são para cada professor, com a aplicação dos instrumentos e critérios de avaliação que se encontram em vigor e estão disponíveis no site do Agrupamento. A tabela com as informações semanais não podem ser partilhada com os EE (documento interno). 
Esta avaliação refere-se ao desempenho do aluno (assiduidade, empenho, participação, trabalhos/tarefas, outros critérios)

D – Sumários

TODAS AS HORAS LETIVAS E NÃO LETIVAS (horário entregue em outubro), DEVEM TER SUMÁRIO.

Os sumários devem retratar o trabalho realizado, independentemente de ser apoio, coadjuvação, clubes, coordenações, entre outras.

O Retrato Possível

Das condições de vida das crianças em Portugal, a partir dos dados estatísticos disponíveis, nem sempre actualizados à realidade mesmo presente.

Tem dados muito interessantes, em especial sobre as condições de habitação e de vida dos alunos fora das escolas. Depois, claro, tem ali uma extrapolação final completamente hiperbólica, com um valor mais do que hipotético dos “reais custos” acumuladas até 2100 (!!!) em termos económico-financeiros do encerramento das escolas em 2020, a partir de um estudo em que se mostra que Portugal até foi dos países que menos dias de aulas tinha perdido quando recomeçou o Secundário. Se fosse com base nesse indicador teríamos sido o 12º menos afectado pela pandemia na amostra de 34.

Sábado – Dia 16

Quando a net está muito lenta na escola, uma das parvoíces que costumo dizer para passar o tempo é que abram mais as janelas, para ver se a net entra mais depressa. Ou que o vento está a levar a net para outro lado. É uma parvoíce, mas só em certa medida. A verdade é que a nossa modernidade é muito relativa e que “No país sem rede, a chuva ou a trovoada podem parar uma aula”. Claro que os solucionistas nos dirão num primeiro momento que isso não é possível ou credível para, num segundo momento, acrescentarem que só é possível em certas circunstâncias e que não são relevantes em termos quantitativos, até que, perante as evidências, acabam a dar-nos uma daquelas explicações em que tentam transmitir, da forma mais técnica possível, que se não percebemos o porquê somos uns idiotas.

Os solucionistas estão convencidos que nos conseguiremos transformar em macgyvers, só que nem nos dão um elástico e um clip para fazermos um router à prova de bala. Esperam que alunos e professores consigam assegurar uma “conectividade móvel” robusta só com a força do pensamento mágico e a energia da boa vontade. Recursos que confesso já ter tentado usar em dias de chuva e vento, mas com escassos resultados.