A Pobreza, Vista Ao Longe…

… surpreende muito os investigadores, quando chegam perto dela. Estes estudos têm o mérito de dar chancela “científica” a realidades mais do que conhecidas por quem vive fora de casulos, mas acabam quase sempre a irritar-me em certa medida. Porque depois há daquelas constatações que “surpreendem” os engomados de gabinete, por estimáveis que sejam. Parece que descobriram que ter um emprego, mesmo estável, não dá imunidade à pobreza. Logo pela manhã, fiquei a falar com o rádio do carro ao ouvir a peça da TSF e as declarações do principal investigador que descobriu que quem nasce em meio pobre, dificilmente se endireita ou passa de remediado, mesmo que seja “efectivo”. O problema de algumas tertúlias académicas certificadas é que tomam os seus conceitos, nascidos dos seus problemas pessoais (como os de pós-doutorados, com bolsas anos a fio, que ainda não conseguiram vaga nos quadros da Universidade e depois despejam raivas contra Básicos e Secundários), por uma realidade social que não existe. Sim, o “precariado” é indesejável, mas os baixos salários são uma chaga ainda maior. Por acaso, o período em que mais ganhei, em termos relativos, foi quando era professor contratado e tinha mais um par de biscates que me davam outro tanto de remuneração. Há precários a ganhar muito bem e “estáveis” a ganhar muito mal. O problema é estes últimos serem muitos. Mesmo muitos.

Pode andar-se anos ou décadas a fio a dizer que a desregulação das condições de trabalho (abusivas em termos de horário e remuneração) estão na base de muitos problemas, incluindo o insucesso escolar ou o “sucesso remediado”, mas há sempre aquela malta que teoriza a batata na perspectiva do contra-factual e do camandro ao cubo e conclui que a pobreza é apenas um estado de espírito. Sim, é verdade que há muita pobreza de espirito por aí. Mas essa tem uma distribuição transversal nos diversos escalões de rendimento. A pobreza material, daquelas pessoas que sobrevivem um mês com menos dinheiro do que custa uma bicicleta (ou uma roda, que as há a mais de 1000 euros e não necessariamente para profissionais) dos ciclistas chique que se pavoneiam ao fim de semana em leque por aí, é muito diferente. É aquela pobreza, como constatou com ar de alarme o investigador, para a qual uma diferença mensal de 10-20 euros pode ser decisiva.

Que em 2021 seja preciso um estudo com uma dezena de autores para o demonstrar revela muito sobre a tal “pobreza de espírito” de que falava mais acima.

3 thoughts on “A Pobreza, Vista Ao Longe…

  1. Há investigações que custam milhões e sem as quais se. passava bem, pois a resposta é mais do que evidente.
    Pobre não é o bolseiro, que ganha mais do que o prof básico/secundário com 30 ou mais anos de serviço.

    Gostar

  2. Existe “pobres” em Portugal?
    E no resto do mundo?

    “Pobre não é o bolseiro, que ganha mais do que o prof básico/secundário com 30 ou mais anos de serviço.”

    Gostar

  3. “Há investigações que custam milhões e sem as quais se. passava bem, pois a resposta é mais do que evidente.”

    Conheço algumas destas ditas “investigações”.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.