Fica Confirmado, Acima De Qualquer Dúvida, Que Esta Malta Entrou Em Desvario…

… quando o senhor director-geral da Educação manda para as escolas ao início da tarde de hoje, depois de uma manhã em que já existiram reuniões de avaliação dos 9º e 12º anos, que são os terminais do Básico e do Secundário (embora estes ainda com exames), este tipo de esclarecimento (que ao que parece alguém pediu) acerca de um assunto que é muito caro ao senhor secretário de Estado, seu superior hierárquico, ou seja, a certificação da participação em projectos relacionados com a “componente de Cidadania e Desenvolvimento” (que no Secundário nem é disciplina).

Isto parece-me demasiado caricato, para merecer prosa mais alongada. Fica aqui o ofício e acho que chega como prova provada de que entrámos na estratosfera da idiotice certificadora.

Nova Vaga

Já parece inevitável, apenas estando por saber a gravidade dos efeitos da variante “delta” (e quando tempo até à “epsion”?) nos estratos da população ainda por vacinar. Embora a ministra da Saúde pareça sinceramente preocupado com a situação, entre negacionistas de primeira hora e gente com muita “fadiga da pandemia”, temos uma classe política dominada por autarcas que acham que as coisas se resolvem alterando os critérios da matriz de risco, a ver se caçam turistas (preferencialmente, estrangeiros), e decisores de topo obcecados com a popularidade e a “positividade” do discurso.

A pretensa restrição de deslocação de/para a AML foi uma coisa pífia e com escasso sentido, não antevendo nada de muito animador para as próximas semanas.

2ª Feira

Por outro lado, continuo sem perceber porque não existe, como em tantos outros países, uma “época de exames” que concentra a realização de todas as provas de avaliação externa, incluindo as de aferição. Porque não terminam as aulas ao mesmo tempo para todos os anos a meio de Junho e se realizam depois tais provas durante um período mais ou menos fixo na primeira quinzena de Julho.