As Minhas Séries

A minha série favorita sobre o vazio do final do século XX, de um ponto de vista obviamente semiótico. lembro-me – e isso assusta-me – do momento em que vi pela primeira vez esta série, na velha “4”, numa tarde de dia de semana onde estava despejada. Desde o início que percebi que ali havia platina com diamantes incrustados. Esperei por um ensaio do Umberto Eco especificamente sobre esta série em vão. E bem que merecia, porque anunciou muito do que estava por vir.

Já agora… sim… a primeira temporada não tinha no genérico a música que mais tarde fez parte do mito. Mas tinha a Erika Eleniak, que era claramente o sinal de um novo “paradigma” televisivo. Todas as outras pamelas vieram depois. E não me venham com tretas sobre misoginia e exploração do corpo da Mulher, porque aqui explorava-se também o do Homem (desde que mais baixos do que o David) sem especial drama. Ou o Kelly Slater, por exemplo, apareceu várias temporadas apenas pelos seus dotes “técnicos”?

Posted in TV

2 thoughts on “As Minhas Séries

  1. Nesta altura, mal tinha recuperado da Samantha Fox. Assim sendo, para que a análise crítica da série não fosse contaminada pelo passado britânico, optei por uma visão holística, isto é, dos pés à cabeça, de frente e de costas.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.