2ª Feira

Quando tive a oportunidade de leccionar 7º ano, sempre gostei de poder dar Atenas e Esparta, mesmo quando o programa ou, agora, as “aprendizagens”, consideram que isso nem chega a ser essencial. Com a devida distância de milénios, a Atenas Clássica do século V a. C. antecipou a democracia à americana de finais do século XVIII, misógina, esclavagista, imperialista, mas participativa nos limites do que era concebível em cada contexto. Mas só a conseguimos compreender, aos seus aspectos inovadores e às suas limitações, se a pudermos comparar com regimes concorrentes ou antagónicos e nesse particular, o caso de Esparta é o mais emblemático. Não apenas como modelos de sociedade, mas até como modo de encarar a formação dos cidadãos, a Educação e a própria noção de humanidade na sua diversidade. Esparta antecipa os regimes mais “musculados” do início do século XX com os seus ideais de apuramento da raça e privilégio do corpo são. Infelizmente, se os professores de História não desrespeitarem o cânone estabelecido, o que ficou nos conteúdos da disciplina sobre a Grécia Antiga é um voo, nem sequer rasante, sobre as origens da cultura (política, artística, educativa) europeia e ocidental.

Com uma linguagem enganadora que lembra os sofistas, os senhores do momento enunciam a inclusão, mas pratica-se algo muito diferente. Esparta saiu oficialmente dos programas “enciclopédicos”, mas está de “boa saúde” entre nós.

3 opiniões sobre “2ª Feira

  1. É cada vez mais urgente retomar o ensino de Esparta, visto que as eugenias, os fundamentalismos, alimentares, desportistas e religiosos estão de volta e mais fanáticos que nunca, até na ciência a que o poder se vai agarrando de ocasionalmente, conforme lhe dá jeito.

    Gostar

  2. O Arlindo adianta uma intenção não anunciada publicamente do ME. Se ele sabe, os sindicatos também sabem. Nesta altura preferem referir as ilegalidades do ME ao ignora-los em negociações sobre “revisão do regime de recrutamento e mobilidade do pessoal docente” que não aconteceram. A antecipação não é o forte dos sindicatos de professores, ou estarão de acordo com o facilitismo no recrutamento docente?

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.