6ª Feira

Apesar de estarmos em autárquicas o noticiário sobre o verdadeiro escândalo de tráfico de influências na câmara do delfim Medina ocupa pouco espaço nos destaques. Porque as cumplicidades vão muito além dos meandros municipais e estendem-se a muita gente que, por omissão ou receio, decidiu pactuar com uma série de esquemas manhosos. Em outras situações, vi e li parangonas sucessivas, mas agora parece que não convém colocar a ventoinha a funcionar. Um pouco por todo o lado, neste país que se afunda na mesquinhez de poderes incapazes de resistir a tentações, “facilidades” e de gente com muita dificuldade em recusar “compromissos” que só servem para alastrar a teia de cumplicidades, este tipo de coisas repete-se e o “abafanço” é a primeira estratégia para lidar com a manifesta ilegalidade. E a segunda, como em tantos outros casos, é desacreditar quem denuncia ou alegar que as provas foram colhidas irregularmente.

3 opiniões sobre “6ª Feira

  1. O distanciamento permite-nos digerir melhor o passado. No entanto, foi sempre mais fácil acomodar-se. Questão de poupar energias.
    Por outro lado, as parangonas eram, muitas vezes, escapes permitidos para aliviar a pressão.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.