Squid Game

Vi um par de episódios da série, ainda antes desta recente “polémica” relacionada com os efeitos que poderá estar a ter junto dos mais jovens e das suas brincadeiras, claro, nos pátios das escolas, que parece ser o único sítio onde ainda brincam. Não sei porquê, mas não consigo ter uma opinião muito inequívoca e extremada acerca do assunto, até porque já passei por algo parecido quando o Dragon Ball “incendiou” as preocupações dos adultos, antes de entrar no mainstream (sim, existe nova polémica, agora pela Argentina).

Dizem-me que o Dragon Ball é em animação e a série Squid Game é com personagens “reais”. é verdade, assim como nos filmes da série Hunger Games ou várias outras coisas bem violentas que se consomem por aí sem parente moderação parental. Até porque quem não vê em casa, pode ter sempre alguém que lhe mostre os vídeos num qualquer zingarelho.

Se aquilo é perigoso e pode induzir comportamentos desadequados e violentos? è possível, assim como tanta outra coisa ao longo dos tempos, em especial para as gerações com acesso ao cinema, televisão e noticiários. Eu nunca consegui levar a sério o que acontecia ao Bip-Bip e ao Coyote, que eram bichos e animados, mas também não acreditava que era possível voar como o Super-Homem ou andar de teia em teia como o Super-Homem ou de liana em liana como o Tarzan. E fiz muitas brincadeiras de “guerra” ou “cowboys” em que se “matavam” nazis e índios aos magotes.

Os tempos são outros e as “redes sociais” exponenciam tudo? Acredito, mas também se diz que temos a geração de pais jovens com melhor formação de sempre para lidar com isso.

Estou a relativizar demasiado as coisas? Tal qual como quando alguns alunos me perguntaram se eu conhecia a série e eu disse que sim, mas que não a achava especialmente interessante, pois já tenho a minha conta de coisas deste género no currículo em matéria de cultura pop. E não mostrei especial alarme ou dei a entender que eles deviam ser proibidos de ver a coisa, que é o caminho mais certo para acabarem nas traseiras do bloco X, a ver aquilo no iutubi, mesmo com a banda estreita das escolas.

Mais memes aqui.

Domingo

Não é extrema novidade desconfiar de quem, partir de fora, tece loas aos professores. Há casos singulares de sinceridade mas, em regra, quando alguém começa, assim de repente, a elogiar os professores tem um de dois objectivos: a) conseguir o seu apoio para chegar ou manter-se no poder e, então, limitar os direitos profissionais e laborais da classe docente; b) vender-lhe qualquer coisa como se lhe fosse muito útil para o seu desenvolvimento profissional (formações, guias de boas práticas, manuais).

Temos o azar de ultimamente termos quem acumula .os dois tipos de objectivos.

(o Crato elogiava, mas nada fazia de positivo, a “reitora” não elogiava e ainda destratava, portanto…)