Mas Por Que Raio Temos Nós De Aguentar Com Estes Gajos?

Carlos César faz pressão máxima sobre BE e PCP: “Sentem-se melhor a fazer oposição ou a fazer acordos?”. Esquerda sobe tom da crítica

Pedro Adão e Silva ganhou 108 mil euros com comentário

Pedro Adão e Silva, o analista, ganha bastante mais do que Pedro Adão e Silva, o comissário. Deixou o ISCTE, mas fica nos media, a par da comissão para as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril.

Pedro Adão e Silva já entregou a sua declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional. O comissário executivo das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, nomeado em junho último pelo Governo, recusou na altura revelar quanto recebe no espaço de comentário na RTP, que vai manter, e a estação pública de televisão apenas remeteu para as tabelas da casa, sem adiantar valores. Mas a declaração permite perceber que a empresa através da qual fatura as múltiplas colaborações em órgãos de comunicação social, a Linha Justa Lda., teve em 2020 um volume de negócios de 108.642 euros, onde está incluído o que recebe da RTP (O outro lado), Expresso, TSF (Bloco Central), Sport TV e Record (do mesmo grupo da SÁBADO, a Cofina). O que fará dele, provavelmente, um dos mais bem pagos comentadores do País, pela acumulação de vários espaços.

O que mais espanta (?) neste segundo caso é que esta alma não consegue alinhar duas opiniões que escapem vagamente a qualquer das cartilhas que subscreve. O que nos pode sempre levantar a questão: o que ganha quem lhe paga?

Já quanto ao pretenso senador açoriano, aparece sempre que é preciso um trauliteiro com idade para ter juízo.

5ª Feira

Leio notícias e muitas opiniões sobre as negociações em torno do Orçamento. Em alguns casos não passo do primeiro ou segundo parágrafo, porque aquilo é escrito em circuito fechado, em modo de recado, aviso, tentativa de condicionamento da opinião pública. Pouco ou nada do que se diz ou escreve se relaciona com a vida quotidiana da maioria da população sem cartão partidário, mesmo se o que está em causa é até certo ponto muito relevante para essa vida. O problema é que é raro o escriba que consigo ler ou palrador televisivo que consigo ver e ouvir, sem notar que tem uma camisola vestida e que, no fundo, não está ali para informar ou analisar, mas a defender uma causa própria, mais ou menos implícita. Cansa gramar com tantas talking heads sem talento.