2 opiniões sobre “Boa Noite

  1. Pessoas, e neste caso, jovens como Ann Makosinski, fruto de uma educação humanista e altruísta, oposta ao egocentrismo e ao materialismo liberal e burguês, e por isso donas de um pensamento critico, de uma consciência social e humana, de uma sensibilidade artística e criativa, e de um espirito empreendedor e ativista, fazem-me refletir ainda mais nas filosofias pedagógicas e culturais na base da Educação e da Escola que temos em Portugal. Antes dos currículos e dos programas estão as mentalidades, quer dos pais, quer dos governantes, e os primeiros são sempre o espelho dos segundos. Isso não significa que não haja pessoas diferentes em Portugal – como Ann diz “diferentistas” – os que pensam “fora da caixa”, os que sabem que só temos uma vida e um planeta para viver e proteger, pelo contrário, temos cabeças e consciências tão boas e capazes como aquelas a que estamos habituados a achar que são melhores porque são estrangeiros. Todos sabemos de muitos de muitos casos de estudantes e investigadores por essas universidades fora no país que nos orgulham com o seu trabalho e as suas conquistas em áreas como a engenharia, a robótica, a medicina e até a engenharia aeroespacial, para a NASA. O que acontece é que, infelizmente, as classes dominantes e dirigentes deste pequenino Portugal não pensam no essencial – a Educação e a Cultura. Os outros dão cartas em muitas coisas porque, desde pequeninos, foram habituados e ensinados a pensar de forma diferente, e para isso tudo é planeado de forma diferente, investindo, incentivando e apoiando a que todos pensem e aprendam de forma diferente, sobretudo a pensarem não só em si mesmos, mas também no bem comum, porque tudo é de todos e para todos. Nem preciso de dar exemplos de países onde a diferenças são evidentes, porque todos nós assistimos quase diariamente aos recordes e prémios que os “estrangeiros” recebem no desporto, na cultura, nas artes, na ciência, na economia, na educação, etc. Por cá também os temos, mas são poucos e tão menos apoiados – basta ver pelo OE, e a não ser que contem com fundos europeus – ou então emigram para onde lhes oferecem melhores condições para conseguirem concretizar os seus sonhos, como fizeram os seus pais e avós.
    Já agora, aproveito para dizer que fico orgulhosa das minhas filhas, porque o que elas hoje são como pessoas e o que fazem na vida são justamente o fruto de uma educação semelhante à educação que os pais de Ann Makosinski lhe deram, e quer eu quer o meu marido, somos filhos de famílias trabalhadoras e assalariadas, que nunca foram ricas.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.