O Sonso Contra-Ataca

Quando ele era director da FCSH deve ter sido um corropio de formação de professores. Mas será que ele não percebeu – ou apenas finge ignorar – que há muitos professores devidamente profissionalizados que não optam pela docência porque com mais de 40 anos são obrigados a andar de um lado para o outro, a contar horas para terem direito a salário completo (que foi preciso a UE obrigar a pagar pelo 1º escalão), porque desde 2015 não houve tempo para qualquer “reversão” significativa da precariedade docente? Mas o homem não se lembra que está no governo há 7 anos e que já não colhe a permanente atitude de desresponsabilização?

Já agora… eu avisei que ele não era o que dava a entender com as falinhas mansas, mas parece que muita gente gosta de aquecer as orelhas com barretes.

O ministro da Educação aproveitou o lançamento do relatório Education at a Glance para apontar o dedo a instituições de Lisboa: estão a recusar candidatos a mestrados de ensino, que são a porta de entrada para se ser professor do ensino básico e secundário.

Agora reparemos nos dados sobre a evolução dos alunos matriculados em cursos superiores na área da Educação e reparemos em que período foi a maior redução e o menor peso no total de matrículas.

Em 2005, eram 8,7% do total. Em 2009, no final do período da “reitora” já tinham descido para 5%. Depois de uma recuperação, a meio do período da troika, quando a contracção volta, ainda chegam a 5,2% do total de matrículas. Mas o ponto mais baixo é em 2019, quando está a terminar o governo da geringonça quando apenas 3,3% dos alunos seguem cursos na área da Educação. Quem estava no Governo? O Cantinflas? E no ME, eram os Três Estarolas? Mesmo para 2022, com tanto aumento de vagas, ainda rasteja pelos 3,5%. De quem é a culpa? Dos reitores? Dos directores das Faculdades e Politécnicos? Dos governantes já percebi que não é. Nunca. São todos virtuosos maridos de Pompeia Sula (ou mulheres de um qualquer César).

9 opiniões sobre “O Sonso Contra-Ataca

  1. O dinheiro não chega.
    Preocupação.
    E amanhã?
    Irá melhorar?
    Desorientação.
    Não vai melhorar!
    Angústia…
    Irá piorar?

    Não podemos fazer nada!

    Com os outros ainda era pior.

    Vejo crianças a pagar as favas, deprimidas e sem esperança.

    Vejo um país a… definhar.

    Não auguro nada de bom.

    Gostar

  2. O ministro não sabe o que fazer, daí interessar ao seu governo. Limita-se, pois, a reagir. Como? Ludibriando, mentindo, … enfim, fazendo-se sonso. Mais parece que o Ensino Superior não é tutelado pelo mesmo (des)governo.

    Gostar

  3. Há coisas muito estranhas. Uma familiar inscreveu-se, na Escola Superior de Educação, em mestrado de ensino (grupo 240, o tal com os professores mais envelhecidos). Foi aceite, pagou, fez planos e, em agosto, informam-na de que, afinal, o curso não vai abrir.
    Pediu explicações e o Diretor do curso mostrou-se solidário, considerando a decisão deplorável.
    Afinal, senhor ministro, que coerência é esta?

    Liked by 2 people

  4. Um ministro da educação que é Aldrabão compulsivo, um primeiro ministro que já fez chantagem sobre a assembleia da república na questão da recuperação do tempo de serviço, um presidente da república que só tira selfies e fala de qualquer bosta menos de educação, professores, escolas e carreira docente, aliás, foge do assunto como o diabo da cruz. Afinal, esperavam o quê?

    Gostar

  5. A verdade doi… e resta “disparar em todas as direções”. A próxima serão os licenciados com habilitaçao profissional, que não querem ser professores, só porque não…!!!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.