Solidariedade?

O Chega diz que vai promover uma nova federação sindical. Os grupos-alvo estão definidos há bastante tempo. No caso dos professores, têm garantidas algumas figurinhas curiosas. Uma tentou tomar o poder numa organização que nasceu para dar visibilidade a outros, sem que ela percebesse que não chega a alegada fotogenia; mas há outras figuras que se andam a agitar muito por aí, em proto-organizações que, curiosamente, até andam a estabelecer umas “pontes” peculiares, tipo “arco alargado” da radicalidade à luz de velas.

Quem vai presidir? O “desaparecido” Mithá Ribeiro, professor não-superior apenas quando convém? Ou aqueles tipos armados em “vigilantes” como o que há uns tempos me ameaçou com escassa subtileza?

A federação sindical vai integrar “áreas-chave”, segundo o líder do Chega, nomeadamente: as polícias, os professores, os quadros da administração pública, os profissionais de saúde e os profissionais de segurança.

Uma coisa que aprendi cedo é que se deve ter cuidado com algumas companhias. Mesmo que por vezes exista quem não perceba que mais vale andar com escassa companhia do que com outr@s encavalitad@s.

Dúvida Sobre Aprendizagens Claramente Não Consolidadas

Estando nós no imparável caminho da digitalização e desmaterialização dos materiais escolares, devo insistir com tod@s @s alun@s que ainda não sabem como usar um caderno diário, para que aprendam as regras d’antanho sobre a melhor forma de o usar, tipo, da primeira página para a última, da primeira linha para baixo, sem deixar muitas de permeio (ou paginas/folhas inteiras), escrever do lado esquerdo, perto da margem, para a direita, não rasgar folhas a cada vez que há um engano, etc, etc. Eu sei que são regras anacrónicas, que eu sou claramente um neandertal das pedagogias e metodologias avançadas, mas estou mesmo com essa dúvida: entrámos já mesmo no século XXI e deixamos isto para trás ou ainda recorremos aos suspensórios?