O Silêncio Da Confap (Mais Um) E Ainda Umas Palavras Cruzadas

O site parece um derivado de uma agência de comunicação do ME. Sobre as propostas que apareceram sobre a contratação e vinculação dos professores que irão ensinar os seus educandos, nada a dizer. Por não terem conhecimento oficial, aposto. Entretanto, nas palavras cruzadas do Público de domingo já se assume a coisa como facto consumado.

(imagem recebida através da Joana Leite, que a colheu no mural de Conceição Liquito; entretanto busco o pdf da edição, porque já não acho a edição em papel)

As Listas Da Vergonha (Para Acesso Aos 5º e 7º Escalões)

Este “paradigma” não vejo certas luminárias colocarem em causa, incluindo os que produzem prosas poéticas a cada dia que passa, mais citações fofinhas sobre a Educação. Mas sobre o destino triste destes professores, zero. Ainda se lhes caíam algumas oportunidades de negócio fora do regaço.

Um colega de curso, vai chegar ao actual 5º escalão, 19,5 anos depois de ter chegado ao que agora é o 4º. E no início daquela lista, a maior parte subiu pela última vez há mais de 15 anos. E na primeira meia centena, é raro quem subiu depois de 2010.

Estão disponíveis para consulta as Listas Definitivas de 2022 de Graduação Nacional dos Docentes Candidatos às Vagas para Acesso aos 5.º e 7.º escalões.

Consulte a nota informativa:

Nota informativa – Divulgação das listas definitivas de graduação dos docentes candidatos às vagas para a progressão aos 5.º e 7.º escalões

Consulte as listas:

Lista Definitiva de 2022 de Graduação Nacional dos Docentes Candidatos às Vagas para Acesso ao 5.º escalão

Lista Definitiva de 2022 de Graduação Nacional dos Docentes Candidatos às Vagas para Acesso ao 7.º escalão

Lista de Docentes Retirados das Listas de Progressão ao 5.º Escalão

Lista de Docentes Retirados das Listas de Progressão ao 7.º Escalão

E Vai Mais Um

Este em tons alaranjados.

Não me venham dizer que são “casos isolados”. O que me admira é os que conseguem ser apanhados. Porque a maioria dos esquemas passa sob o radar e é preciso estar bem por “dentro” para se conseguir provar o que se conhece a olho desabrigado.

Autarca de Marvão condenado a perda de mandato e pena suspensa por corrupção passiva

Há Dias Mostraram-Me A Factura De Um Arranjo E Passava Dos 300 Euros

Ou seja, mais do que o valor comercial do zingarelho. Porque querem transição digital, mas com computadores de brincadeira. Mas a culpa será sempre da “falta de formação dos docentes”.

Famílias recusam equipamentos porque já têm ou porque não se querem responsabilizar pela máquina que, segundo directores, não tem qualidade. Escolas sugerem extensão do seguro escolar a portáteis.

Entretanto, parece que sobre isto a ANDE e a ANDAEP têm algo a declarar, ao contrário daquilo sobre a contratação e vinculação dos professores.

São sobretudo as famílias mais carenciadas as que não querem assumir a responsabilidade, dizem ao PÚBLICO dois dirigentes associativos. Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares, e director de uma escola em Cinfães, confirma que tem computadores “guardados num armário” porque os destinatários os recusaram e, tendo sido comprados pelo programa do PRR, não podem ser usados para outros fins.

Também Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas, confirma que “muitos pais recusam-se a assinar o contrato de comodato com o ministério”.

Um dos factores inibidores é, segundo estes responsáveis, a própria qualidade do equipamento – ou a falta dela. “Ao fim de uma hora de uso, começam a aquecer, dilatam e há peças que se soltam, como parafusos”, afiança Manuel Pereira. Questionado pelo PÚBLICO, o Ministério da Educação afirma que “a qualidade corresponde ao que foi contratado”. Na auditoria, o Governo garantiu que norteou a escolha dos equipamentos pela “preocupação de durabilidade”.

Em Forma De Tertúlia

Claro que isto não é para zecos, mesmo se é ao fim da tarde. Mas colocar quem apresenta o estudo a moderar a discussão sobre esse mesmo estudo é capaz de ser um pouco… endogâmico?

Apresentação do estudo sobre indicadores, modelos e experiências de monitorização e avaliação de aprendizagens e de desenvolvimento das crianças e jovens dos 3 aos 18 anos.

(…)

17:15 / Apresentação do Estudo

Júlio Pedrosa – Universidade de Aveiro
Carlinda Leite – Universidade do Porto

17:40 / Discussão

Ariana Cosme – Universidade do Porto
José Augusto Pacheco – Universidade do Minho

Moderação: Júlio Pedrosa e Carlinda Leite

3ª Feira

Um exemplo maior do chico-espertismo nacional é o de apresentar 111,3 milhões de euros da TAP num dia e duas semanas depois descobrir-se que a empresa deve 122 milhões de euros de reembolsos atrasados. O que dá prejuízo. A menos que digam que não é tudo no mesmo trimestre, claro. O que é mais divertido é que “a companhia aérea portuguesa esclareceu que leva “muito a sério” as regras do departamento federal de transportes dos Estados Unidos”, ou seja, se fossem as regras nacionais, estavam-se nas tintas.