O Império Da Treta Oportunista

Não, não será oportunidade para mais nada do que poupanças e desprofissionalização da docência, com a entrada nas escolas dos interesses locais e regionais. Por uma razão simples… já nos últimos dez anos existiu uma evolução similar dos indicadores relativos ao pessoal docente e discente.

Nos próximos quatro anos cerca de 18 mil professores vão sair das escolas para a reforma, mas no mesmo tempo haverá perto de 101 mil alunos a menos. Será esta uma oportunidade para o sistema educativo? Por agora, a falta de professores em certas zonas do país exige do Governo e das autarquias medidas imediatas.

Vejamos o que se passou nesta década. Eis os dados oficiais da dgeec para 2009-10 e 2017-18 (os últimos online):

Profes09a10Profes17a18

Já neste período tivemos (apesar daquelas mistificadoras vinculações “extraordinárias”) uma redução de quase 13.400 professores dos quadros e de quase 27.000 em exercício. Isto significa que se verificou uma diminuição de 12,4% dos professores nos quadros e de 18,8% em todos os que estão em exercício.

Observemos a evolução do número de alunos no mesmo período, reparando que eu escolhi para ano inicial da série aquele em que se registaram mais alunos:

AlunosEvol

A redução foi de 164.414 alunos, ou seja de pouco mais de 10%. A redução de docentes foi quase o dobro e quanto a “oportunidades” nada se fez e até passámos pela troika e tudo. Foi o “mais com menos” de crato que continuou com costa&centeno mais o tiago, joão & joana,

O “argumento demográfico” foi usado de forma demagógica e truncada, quase sem contraditório. Era mentira que a redução do número de professores resultasse da redução do número de alunos. Estava em decurso um processo diferente, mas que o afirmava era denunciado como “corporativo”, por vezes por idiotas instalados de forma cómoda na carreira, por saberem que nada arriscavam.

Menos 100.000 alunos nos próximos anos será uma redução próxima dos 7%, enquanto desaparecerão 20% dos docentes que não há condições para serem substituídos sem uma regressão sensível no nível de experiência ou mesmo de qualificação profissional dos docentes, bastando ver como estão a chegar às escolas pessoas sem qualquer tempo de serviço ou experiência, fenómeno numa escala que não se via há uns 25 anos. Claro que serão mais dóceis, em especial se quiserem beneficiar de “incentivos” e alguma estabilidade.

O mais aterrorizador deste “tempo de oportunidades” será que muitas das medidas de “incentivo” ficarão a cargo das autarquias; não por tais medidas não serem eventualmente “eficazes” mas por o serem à custa da opacidade de procedimentos, pois já agora há “técnicos especializados” que ficam sempre nos lugares desejados em pseudo-concursos viciados à partida. E algumas outras “normalidades” que se começam a instalar com argumentos de “adequação” aos “projectos”, nomeadamente sob sugestão/aprovação de certos grupos de “consultores” na elaboração de “planos (inter)municipais”.

Sábado

Já se percebeu que muito badalada conferência do clima é um colossal fiasco apesar do folclore nas ruas. Faz-me lembrar aquela de quererem que andemos a contar as gotas das torneiras quando os grandes gastadores de água são indústrias que consomem milhões de litros por hora; ou quererem que acreditemos que a brutal carga fiscal sobre os combustíveis é que provocará poupanças significativas, à escala global, do seu consumo. A conferência de Madrid é um fracasso apenas proporcional à sua enorme pegada ecológica. Ocasião para passeatas, abundante socialização e muitas oportunidades para declarações vazias e fotos de grupo.

Quando tanto se fala de “paradigmas” por tudo e nada, temos um exemplo maior da incapacidade dos líderes mundiais se colocarem de acordo com o que parecia ser um “novo paradigma” na verdadeira acepção do termo.

sick-planet

Não Basta Dar Um Ar De Seriedade…

… porque nos tempos que correm as aparências só servem para iludir os incautos. Há que ter aquela dose extra de integridade para se ir além.

Segundo o “Correio da Manhã” esta sexta-feira, durante a reunião extraordinária do Conselho de Redação (CR) da RTP que aconteceu há dois dias, Maria Flor Pedroso admitiu que interveio numa investigação, que estava a ser preparada, sobre suspeitas de recebimento indevido de dinheiro vivo no processo de transferência de alunos do Instituto Superior de Comunicação Empresarial para outras instituições de Ensino Superior.

A diretora da RTP, que trabalhava como docente a tempo parcial no ISCEM, revelou que contactou a diretora desta instituição, Regina Moreira, para dar conta de que esta investigação estava a ser feita pela equipa do formato da RTP. Flor Pedroso disse tê-lo feito por acreditar que estava a ajudar no desenvolvimento do trabalho.

Todavia, a intervenção da diretora de informação acabou por se revelar desastrosa para a investigação uma vez que Regina Moreira terá entretanto resolvido as ilegalidades de que era acusada por alguns alunos e que estavam a ser analisadas pelo “Sexta às 9”.

Alcatrao2

(já agora, há por aí muit@s professor@s convidad@s em certas instituições que valem zero em termos académicos, mas o seu peso em ouro em “influência”)

Let’s Get Brexit Done, But First, My Friends, Let’s Get Breakfast Done

Com todos os defeitos que tem, o homem também tem humor e ganhou de forma esmagadora as eleições num país com fortes tradições democráticas (e o primeiro a depor e executar um rei antes da Revolução Francesa, o que fez com que nos devolvessem a Catarina do chá). Por muita estima que tivesse pelo Corbyn (até porque chateava imenso os chichas centristas nacionais como o coelhone e o pálido assis), agora não há forma muito democrática de contornar o Brexit, mais Escócia, menos Irlanda.

BennyHill2