5ª Feira

É o problema de quem chegou tarde a este tipo de debate (por questões de idade ou de falta de interesse anterior) e não teve a preocupação de se informar sobre o que já foi feito e ficou por fazer. Um problema que é mais grave em quem foi contemporâneo de iniciativas como o Projecto Minerva ou o Edutic nos anos 80 e 90 do século passado ou teve mesmo responsabilidades políticas no Ministério da Educação nesse período.

Já Me Inscrevi

WEBINAR “DIÁLOGOS SOBRE A GRAMÁTICA E A RETÓRICA DA INCLUSÃO”


A Câmara Municipal de Alcácer do Sal promove no dia 22 de junho um webinar, no âmbito da área da Educação, cujo tema é “Diálogos sobre a Gramática e a Retórica da Inclusão”. Dinamizada por Joaquim Colôa, a sessão realiza-se via plataforma Teams e decorre entre as 18h e as 19h30.

As inscrições encontram-se abertas, podendo os interessados inscrever-se até ao dia 20 de junho através do preenchimento do formulário disponível em https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfBO5nAkJ0L1nxJh1JkhCVP5SNRbdIQ0bBEVFujb53w9Q8Eyg/viewform?usp=sf_link

4ª Feira

Na noite de domingo (sublinho, durante a noite de domingo), dia 13 de Junho, chegou ao meu agrupamento um conjunto de informações que deveriam ser transmitidas aos professores classificadores convocados para o “Processo de classificação do estudo amostral da aferição das aprendizagens do 2.º, 5.º e 8.º anos /2021”

“Meios Telemáticos De Comunicação Síncrona”

Por mim, na boa! Até porque reuniões a meio de Julho sem ar condicionado, sabem tudo menos bem. O Secretário de Estado Adjunto e da Educação (atenção que primeiro é adjunto e só depois da Educação), por uma vez, não está a pensar mal. Resta saber se é para levar a sério.

Tendo chegado à DGESTE pedidos de informação sobre a realização dos conselhos de turma do 3.º período, encarrega-nos o Secretário de Estado Adjunto e da Educação de informar que, dadas as circunstâncias, as reuniões de conselho de turma de avaliação poderão, neste ano letivo, ser realizadas não presencialmente através de meios telemáticos de comunicação síncrona. Importará garantir que todos os docentes têm acesso à documentação necessária e que estão garantidas as condições que permitem não só a participação de todos os docentes, mas também a tomada de decisão colegial nos termos legais.

Com os melhores cumprimentos,

João Miguel Gonçalves

Diretor-Geral dos Estabelecimentos Escolares

Quem Fez A Prova De Aferição (Amostral) De Português Leu As Canónicas “Aprendizagens Essenciais” Da Disciplina?

Parece que não a avaliar pela questão 14, que “mobiliza” conhecimentos que não estão previstos, nem para o 5º, nem para o 6º ano da disciplina de Português. Nem sequer nas “metas” de 2015 ou no programa da disciplina se prevê a abordagem do grau dos advérbios, mas apenas a identificação de algumas das suas subclasses. por acaso, foi a matéria da semana passada com as minhas turmas de 5º ano.

É apenas um exercício de uma questão? Sim, mas revela desleixo ou coisa pior e ajuda a perceber que se identifiquem aprendizagens por realizar, até porque os alunos tenderão a não assinalar a opção de que nunca ouviram falar. Provavelmente, a prova terá sido feita ou revista por quem não lecciona 2º ciclo e sentiu necessidade de homenagear a classe de palavras que o senhor secretário linguista tanto admira.

Com tanto por onde escolher, escolhe-se logo isto? Fora outras coisas, dando para perceber o “objectivo”. Eu confesso que depois de fazer o “meu” teste para a semana, hei-de aplicar esta prova aos meus alunos para ver como se safariam, sem lhes dar quaisquer instruções ou “treino”, como diz o outro.

(há “acasos” do caraças…)

Arqueologia Da Escola Digital – 2

Em 1989, na revista Colóquio-Ciências, um texto de António Dias Figueiredo, em que se anunciava uma fase que parece ter demorado mesmo muito a arrancar.

Quebrando com uma tradição de cerca de vinte anos de empirismo e de sujeição a critérios de natureza predominantemente tecnológica, que com frequência se materializavam em soluções pedagógicas ainda mais ultrapassadas do que as que pretendia reformar, a utilização educacional dos computadores começa agora a entrar numa fase de maturidade claramente apoiada em razões de natureza pedagógica, tanto a nível da concepção de suportes lógicos educacionais como ao nível das estratégias de utilização dos computadores nos ambientes formais e informais da aprendizagem escolar.

3ª Feira

Claro que podemos estar apenas a falar da divisão do ano em semestres, com dois momentos (teóricos) reservados à avaliação formal e não com os três períodos tradicionais, mas é bom que se perceba que a organização em semestres tem tido outra aplicação, que é a salamização de disciplinas como a História, Geografia ou mesmo as Ciências e a Educação Visual.