Atrofia Democrática Ou Apenas Medo De Perder “Espaço”, Negócios, ETC?

Há uns meses que um grupo de professores dinamizado, entre outros, pelo Maurício Brito, tem o projecto de submeter os dados “vendidos” pelo Governo sobre o custo da recuperação integral do tempo de serviço docente a um exame especializado. O próprio Maurício fez os seus cálculos, que funcionam como uma boa base de trabalho (e foram entregues no Parlamento quando da audição da Comissão Representativa da ILC), mas é algo que merecia um aprofundamento maior, por quem tem mais conhecimento deste tipo de meandros.

E então começaram a fazer-se contactos a vários níveis, de empresas reconhecidas na área da auditoria a investigadores universitários na área da Educação, ficando claro que o estudo seria pago e não se estava a pedir uma “borla” fosse a quem fosse. De um modo que não posso dizer inesperado, houve contactos que ficaram sem qualquer resposta e outros que, por esta ou aquela razão, optaram por recusar de forma mais ou menos cortês realizar tal estudo. Claro que se continuará a insistir… até porque os sindicatos neste particular são tão rigorosos na forma de apresentar as contas como o ME (não chega apresentar um número final, sem especificar contas, critérios, metodologias), mas percebe-se que estamos neste momento bem pior do que nos tempos de Sócrates. Porque em 2009, por exemplo, percebia-se um aroma de fim de regime e o Governo de então era uma ilha cercada. Agora, em 2019, com a geringonça a blindar de um lado, um PSD inócuo e um CDS-não-me-comprometam a fazer de muro disfarçado do outro, a fortaleza é quase inatacável.

Mas ainda há gauleses irredutíveis…

 

Asterix-26

Flexibilidade Comercial

Depois de uma mentora do pafismo educacional publicar um manual para as flexibilizações e autonomias num grande grupo editorial, é a vez de me chegar a publicidade a um outro manual (mais virado para as “práticas”) do seu colega mentor da coisa no grupo editorial concorrente. Fizeram bem, dividiram-se e assim conseguem o melhor de dois mundos a duplicar. Chamem-me puritano, qualquer coisa assim, mas há anos e anos que critico esta forma de estar por dentro de tudo e ainda fazer a festa cá fora. Quando se criticam tanto os professores por questões menores, fica todo o campo aberto para os especialistas serem consultores do poder político, neste caso do ME, e delinearem os traços de políticas que depois aparecem a explicar em publicações de tipo comercial e não emanadas do próprio ministério com quem colaboraram. Sim, eu sei que os tempos estão para organizar a vidinha como se pode e para serem arquivadas todas as questões de tipo “ético” (ouvi uma advogada de um recente arguido que beneficiou de arquivamento da queixa contra si a dizer claramente que as questões éticas não são da competência dos tribunais e a verdade é que tem razão), mas isto começa a causar um certo incómodo, porque se repete uma e outra vez e tem quase sempre o mesmo “círculo” a desenvolver estas belas práticas. A sério, quase consigo ver já os nomes no frontispício dos manuais sobre Educação “Inclusiva” que devem estar por aí a aparecer, a ver se apanham a boleia das vendas natalícias de fim de ano.

smart-ass

 

Os Pratos da Balança (Negocial) E Alguns Pensamentos Divergentes

Todos sabemos que a parte pública das disputas negociais entre sindicatos e ME são apenas uma pequena parte do icebergue real dos contactos e negociações que se estabelecem de modo informal, fora das datas formais em que se aparece para os retratos e declarações aos microfones. Se alguém não sabe isso, vai-me desculpar, mas anda nisto há pouco tempo ou tem uma dose de candura acima do razoável numa pessoa adulta e com estudos superiores. Claro que há períodos em que esse tipo de contactos emagrece substancialmente (Crato. em especial para o lado da fenprof) ou tem de usar vias paralelas (MLR). Mas sempre que existe uma afinidade mais ou menos clara entre as partes, grande parte do que é decidido acontece fora das luzes, em encontros muito informais (por exemplo, nos tempos de Alçada e Ventura). Não digo isto apenas porque me apetece, mas porque nessas alturas tive algum conhecimento – não vou dizer que extenso – desse tipo de procedimentos.

Nos tempos que correm, não tenho qualquer tipo de informação desse tipo, pelo que as minhas inferências resultam apenas do conhecimento que tenho desses processos negociais informais, das personagens relevantes em presença e das suas posições e contexto político, sendo que algumas (dessas personagens) raramente têm aparecido à superfície, preferindo manter-se na penumbra.

No entanto, parece-me dificilmente controverso que tem havido um esforço colectivo por obter uma espécie de equilíbrio entre interesses em confronto, não necessariamente coincidentes, no interior da própria classe docente, na sua acepção mais ampla. E esse equilíbrio é entre satisfazer a facção que luta pela vinculação de mais professores e a que defende os interesses de quem já está no quadro e pretende recuperar parte do que lhe foi retirado ao longo de mais de uma década.

O que me parece é que há quem prefira, em troca de uma satisfação imediata, hipotecar as possibilidades futuras, na crença que mais tarde logo se vê. E essa posição tem ganho à outra, até porque ao ME interessa mais ter professores com mais horas lectivas e salário mais baixo do que ter professores do quadro a progredir de forma vagamente “normal”.

E é assim que acho que as vinculações extraordinárias, com uma entrada na carreira pelo escalão mais baixo, têm sido equilibradas (do ponto de vista de quem faz as continhas no excel) com a contenção da progressão dos professores já integrados na carreira.

Acho que quem está do lado de “cima” tem conseguido o seu primeiro objectivo (entrada nos quadros), hipotecando diversos outros (como o de uma carreira com uma progressão real além do 4º escalão)  e, pelo caminho, tramando os “outros” qiue acham que já estão bem. Estão no seu direito, assim como no de pensar que, a pouco e pouco, lá conseguirão ir obtendo os objectivos, através de cumplicidades diversas e fretes cirúrgicos e pouco visíveis a olho descoberto ou destreinado.

Pessoalmente, sempre achei errado nivelarmos as aspirações pelo patamar mais baixo, pela mediocridade ou achar que o argumento do “há quem esteja pior, há quem nem trabalhe, portanto, cala-te” é válido. Sempre achei que devemos nivelar aquilo a que aspiramos por um horizonte ambicioso, fazendo apenas os compromissos indispensáveis para que não se comprometa o essencial.

Significa isto que discordo de quem acha que o que deve existir é uma carreira docente tendencialmente “horizontal”, porque o “conteúdo funcional” é o mesmo. Esse é um argumento que vem dos tempos da tríade MLR/Lemos/Pedreira e que é partilhado, por estranho que pareça, por mais gente do que seria de esperar, dos igualitaristas de esquerda aos niveladores de direita. Quando os professores optarem por render-se a essa lógica da “horizontalização” da sua carreira terão deixado de resistir à progressiva proletarização da docência que, acreditem, ainda está em progresso. Sendo que, se olharem ainda melhor, essa horizontalização correrá em paralelo, pelos estrangulamentos a meio da carreira. a um processo, só aparentemente contraditório, de elitização piramidal, em que um grupo cada vez mais restrito de docentes com acesso aos escalões mais elevados se tornará uma espécie de casta dominante quase fechada.

E termos uma carreira docente em que 80-90% ficarão estacionados, no máximo, nos actuais 5º-6º escalão, só conseguindo ir mais além uma minoria. Esse é o modelo de carreira ideal para quem quer um professorado barato, proletarizado, domesticado. Que está de novo a ser implementado de uma forma apenas moderadamente subtil. Com colaboradores dentro da própria carreira, uma espécie de kapos sempre com a esperança de serem poupados como recompensa pelo seu trabalho. Ou de terem compensações (materiais e simbólicas, internas ou externas à docência porque a vinculação abre muitas portas para outro tipo de posições) que mitiguem os efeitos da proletarização geral. E têm conseguido que o seu prato da balança tenha mais peso.

Não sei se precisarei de fazer um desenho, como aqueles muito criativos que aparecem no youtube, para explicar melhor o que as palavras podem nem sempre deixar claramente claro e evidentemente evidente.

balanca

(e a desqualificação progressiva do trabalho intelectual na educação não-superior, disfarçada com a conversa das “competências superiores” a desenvolver nos alunos em “projectos” em que desaparece o papel do professor como alguém com um capital de conhecimento específico não substituível por um gadget ou qualquer outro professor de qualquer outra área, pois tudo é transversal, é apenas uma outra faceta deste processo…)

Como Diz que Disse?

Há professores a contestar as colocações nas escolas

Fenprof fala de indignação de docentes, que ficaram colocados longe das suas residências. Mas considera que é a melhor solução para os contratados.

Como se comenta isto sem vernáculo?

Porque é possível que este tenha sido o concurso de mobilidade interna mais “cozinhado” de sempre e nem vale a pena explicar porquê, a menos que alguém encontre alguma “recomendação” escrita.

Turd

(o que interessa, de acordo com o site oficial, hoje, dia 28, é que haja negociações… para quê… é a dúvida)

Incomodidades

A ideia deste quintal não é reviver as confusões do umbigo e andar em busca de polémicas e quezílias a cada esquina. Não é por nada, mas a sério que a coisa cansa, poucas vezes dá resultado e o gozo que proporciona vai diminuindo. Por isso, há coisas que me enviam e que eu opto por não publicar na íntegra ou de forma directa porque tenho a experiência de chatices das boas por divulgar documentos fidedignos e factos correctos acerca da vida de algumas escolas e/ou agrupamento.

Isso não impede que me sinta bastante incomodado quando recebo documentos ou testemunhos altamente perturbantes sobre a vida interna de algumas escolas, das suas (más) práticas, mesmo que justificadas com as melhores das intenções. Não falo daqueles documentos patuscos que vão buscar ao baú prosas recuperadas a sebentas das profissionalizações dos anos 90 do século passado. Falo de projectos de intervenção que são um completo acidente, de documentos “estrutrurantes” decalcados de mil outros, feitos pelo molde aprovado, ou de práticas de abuso de poder com a aprovação da tutela, nem que seja por omissão, para impor micro-políticas de sucesso. E o que mais me incomoda é que quem as denuncia volta a ter receio em assumir isso na primeira pessoas porque sabe que, mais cedo do que tarde, vai “pagá-las”.

Outro nível de incomodidade é trocar uns piropos com um dirigente associativo que, quando questionado pela demissão completa da sua organização em defender os seus (teóricos) associados junto do poder e pela preferência em ser câmara de ressonância desse mesmo poder junto dos seus (teóricos) associados, levar como resposta que os professores devem saber defender-se nas suas escolas. Isso, pá, é uma coisa que eu posso dizer porque não presido – nem faço parte – a uma associação que afirma existir para defender os direitos dos professores de um dado grupo disciplinar.

Incomoda-me o adesivismo em troca de mobilidades estatutárias e os professores que amam os alunos, em especial se conseguirem manter-se anos fora das salas de aula em que teriam de conviver com eles quotidianamente.

Mas, como se sabe, isto só me incomoda porque eu anseio por “protagonismo” e sou um moralista, ora esquerdista, ora imobilista.

Dead