Bem-Aventurados Sejam Todos…

… aqueles que agora já conseguem ver e denunciar situações absolutamente caricatas na forma como são tratadas as suspeitas ou os casos positivos em alunos ou em seus familiares nas escolas, seja a divergência de critérios – com responsabilidade ou não das “autoridades locais de saúde” -, seja na evidente deficiência dos procedimentos tidos como “seguros”. Como nos mais recentes estudos se demonstra, é cerca de quatro semanas depois da reabertura das aulas que os efeitos se começam a fazer mostrar com mais intensidade. O que, como é natural, pressiona muito a rede cheia de boas intenções, mas muito frágil, que se estendeu como véu protector sobre o sistema escolar. ainda hei-de ver o mascarado porfírio a dizer que sempre disse o que nunca disse. E o cortesão cidadão e tantos outros, especialistas na viradeira de casaca. Claro que quase todos sem poiso nas escolas ou, muito menos, em salas de aula, ali a 25-30-35 de lotação esgotada. Quase. Que há uns que agora se sentem escaldados de tanto terem louvaminhado o seu senhor querido.

Phosga-se! – Parece Que Aqueles Das “Queixinhas” Se Zangaram

È fascinante acompanhar a novela daquela união de escorpiões. Eu sei que é um bocado mórbido acompanhar isto, mas é importante perceber-se este tipo de mundo sulfuroso que está entre nós.

Após longa fileira de comentários em tom de crescente irritação para o interior e exterior da organização, o aparente líder anuncia o fim.

Mas eis que ainda surge o tal advogado transviado que, afinal, diz não o ser… uma confusão. Mas há quem queira contas certas, o que é sempre um bom princípio para um fim.

Mas O Que É Que Este Marmelo Percebe Do Assunto?

O Costa2 é daqueles que parece saber tudo sobre tudo, desde que se siga o guião do Largo do Rato. Vai chegar longe, porque se farta de dar tenças a tudo o que mexe pela órbita de uma encapotada geringonça lisboeta. Porque há muitos aljubes sob a sua alçada.

“Crianças não são um poderoso elemento de transmissão da covid-19”

Comentário de Fernando de Medina, esta segunda-feira, sobre a reabertura das escolas.

(já ele é um poderoso veículo de desinformação…)

A Impossibilidade De Um Debate (A) Sério

A “polémica” em torno da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento alastra, mas não melhora. A razão para isso, para além do atraso com que se faz e da hipocrisia reinante (ao ponto de enviar uma versão do post do outro dia para o Público), começa a deslocar-se para duas situações expectáveis, mas que nada contribuem para qualquer esclarecimento da opinião pública.

  1. A questão passou a ser apresentada como um conflito de “Direita/Esquerda”, com este ou aquele trânsfuga. O pessoal de “Esquerda” considera que a disciplina é imprescindível ao currículo da petizada, porque divulga os “valores da Democracia” (menos a verdadeira tolerância, pelo que se vai entendendo) e quem está contra ela, está contra os valores da sociedade do século XXI; da referida Democracia e é uma espécie de cripto-fascista, um beato clerical digno da Idade Média e, no fundo, uma besta. Embora estas classificações se apliquem a alguns defensores da posição em causa, parece-me “ligeiramente” excessivo”. De forma simétrica, os críticos da disciplina, apresentam-ma como se os temas estivesse na origem do declínio da sociedade ocidental, da instituição familiar e do sagrado binómio biológico que permite a reprodução da espécie e as boas maneiras no leito, considerando que quem admite que se leccionem temas como a “identidade de género” ou a “sexualidade” são um grupo de homo-lesbo-pansexuais com tendências para a bestialidade e uns “radicais” que querem transformar transformar as criancinhas numa espécie de ratinhos de laboratório de experiências socio-sexuais que as tornarão todas homossexuais ou, pior, hetero tolerantes ao conceito de “espectro” na definição das identidades e  atitudes sexuais/de género. Como no outro caso, lá haverá gente assim (que a há), mas não me parece que isso se aplique à generalidade dos docentes da disciplina. Já agora, as linhas orientadoras para a Educação para a Cidadania, que contempla a generalidade dos temas que agora levantam celeuma, são de 2012, revistas em 2013. Que, por exemplo, Passos Coelho, não saiba que foram aprovadas no seu governo, é apenas um detalhe que não admira acontecer a quem parece ter levado o cérebro lavado em rotações máximas.
  2. O debate começa a ser monopolizado por pessoal que alia a ignorância à arrogância, mas depois larga “postas de pescada” (de um lado ou outro) como se fossem pérolas ao povo que não passam de falsidades ou verdades pela metade da metade. Um caso, que vi por manifesta inépcia quando me sentei hoje no sofá em busca do final da etapa do Tour na televisão, foi o de um dos especialistas instantâneos em tudo e ainda o seu contrário que têm assento n’O Eixo do Mal, o programa mais bronco entre os que se levam a sério na análise da actualidade. O protagonista em causa era o inefável Pedro Marques Lopes, uma espécie de gajo de direita com gostos de esquerda (como o Pedro Mexia, mas em péssimo), que começou por afirmar que se tinha ido informar sobre os conteúdos da disciplina (tadinho, só agora se lembrou disso?), que achou por bem enumerar. Claro que os enumerou de forma errada e incompleta (esqueceu-se, por exemplo, talvez de modo cirúrgico, da “Literacia Financeira” na sua listagem) e daí partiu para uma “análise” que envergonharia qualquer pessoa com um mínimo de pudor e forma de ganhar a vida que não competisse com a Clara Ferreira Alves na ignorância presumida. Mas há quem possa achar que aquilo é mesmo assim e que, como ele disse, a História está repleta de temas obrigatórios de que se pode discordar como (pasme-se!!!) a leitura dos Esteiros. Que ele disse, de forma irónica, que poderia levantar reservas porque é do tempo do neo-realismo e que pode cheirar a “comuna” e tal. E só foi interrompido em tamanho disparate, pela colega CFA, não para lhe dizer que estava errado e que os Esteiros não são de leitura obrigatório, nem em Português, mas apenas para dizer que a obra em causa até é das melhores da corrente neo-realista.

Antes que devolvesse ao exterior o peixinho grelhado do almoço, desliguei e procurei não fazer a promessa de ir de joelhos a Fátima até n’O Eixo do Mal se deixar de confundir “opinião” ou “bocas giras” com o mais absoluto disparate, servido a gosto de um elenco de ignorantes armados de uma quase infinita pesporrência, garantinda por avença balsemânica.

Assim, é impossível qualquer debate vagamente racional sobre um tema já se si complicado. Mas como é na televisão que apresentou uma montagem mal amanhada da 1ª página do New York Times como se fosse real, já não espanta.

A Colina Começa A Inclinar-se?

Surtos em 60 lares de idosos explicam alguma coisa mas não tudo. Dois dias em torno dos 400 contágios que já sei que haverá quem explique com a maior das facilidades e nenhum alarme (mesmo se a própria DGS começa a dar sinais de intranquilidade) . Mas basta ver como muita gente, em ambiente de fim/regresso de férias, se está a comportar em grandes (ou nem tanto) espaços comerciais para se perceber que as altas temperaturas torraram ainda mais alguns neurónios e deixaram certas pessoas convencidas de que, afinal, já tudo passou. Ou então acham que basta um daqueles tapetes do IKEA à porta para afugentar todo e qualquer mau-olhado viral.

(já imaginaram como vai ser o “regresso”, em especial nos casos da pré e 1º ciclo, com aqueles papás e vovós que ficam ali de volta dos portões e nas zonas de acesso em amena cavaqueira e muita falta de algo que fazer?)

A Sério!!!

O livro do SE Costa (parece que escreveu outros, mas basicamente é aquele em que confirma o que não renega sobre competências e conhecimentos, ou vice-versa) passou a integrar o PNL! Li no mural do co-autor (João Couvaneiro) e nem queria acreditar. Mas é verdade.

Livro recomendado PNL2027 – 2020 1.º Sem. – Cultura e Sociedade – Vida Prática – dos 15-18 anos – maiores 18 anos – Fluente

Posso usar excertos no 5º ano em vez d’A Bela Infanta? Ou d’A Vida Mágica da Sementinha?

Para quando a integração de O Dom Profano no cânone?

LAughing

(em lista de espera devem estar as obras nucleares do pafismo educacional das doutoras cosme e cohen…)

(já agora… vendeu assim tão pouco que seja preciso enviá-lo em paletes para as escolas?)

(“decoro”… um conceito de gente arcaica…)

 

O Post Que Não Vale A Pena Ser Mais Do Que Isto

Maria João Avillez a entrevistar Francisco Assis sobre Passos Coelho, o qual elogia depois de ter sido o chefe do grupo parlamentar do Partido de Sócrates entre 2009 e 2011, aquele que nos conduziu à situação que levou a Passos Coelho. Parece que foi um “um exercício intelectual interessante”. Eu chamar-lhe-ia outra coisa.

pie-in-face

(nada como já lhe terem dado uma chucha… ficou logo mansinho acerca de outros temas… mas ainda há quem fale em “coragem” em relação a esta criatura que vive de cargos políticos há décadas, graças aos maiores malabarismos)

Tanto Esperneou Que Lá Lhe Deram Uma Chucha

Tenho mesmo um enorme desdém por estes “rebeldes” em busca de poiso.

PS propõe Francisco Assis para presidente do Conselho Económico e Social

Chorar

(e depois ainda há ainda quem me diga que o homem até foi professor de Filosofia… certamente na altura de tantas outras “personalidades” que se ufanam de ter dado aulas e por isso terem crédito para desancar nos professores…)