A Ver Se Percebo Isto…

… a senhora doutora Isabel dos Santos garante que nada de incorrecto ou ilegal fez nas suas empresas, embora, se for acusada, tenha documentos que provam que pelo menos numa das principais empresas de que tem sido accionista (a Sonangol) houve gente próxima do actual presidente angolano a cometer ilegalidades. Mas… mas… mas… sou só eu a achar que isto não faz sentido. Ou melhor, até faz, desde que se perceba que ao menos ela é mais explícita do que outros que, por cá, não dizem logo assim as coisas com tanta clareza.

Alcatrao

(e que se cruzam os caminhos de muita desta gente de cá e de lá, é bem verdade que se cruzam… basta ver as romarias anos a fio, até Luanda para o beija-petrodólar&diamante… para não falar de certos patrocínios ao nível da plantação noticiosa)

Reforço?

É triste ter de ouvir um ministro considerar que há “mais 2000 professores” este ano nas escolas públicas, quando do que se trata é, na quase totalidade, do processo de substituição de docentes por baixa médica, sendo que muitos desses substitutos não têm horário completo. Ou o ministro ainda é mais ignorante do que parece ou é apenas um demagogo oportunista, a encavalitar-se com escasso respeito pela verdade num título mal explicado. Que pena o Polígrafo ser tão “selectivo” nas suas análises.

Bigorna

Véspera De Natal

Os pedidos de prendas no sapatinho começam a esmorecer quando um dos principais – que os governantes façam uma pausa na estupidez natural que caracteriza a maioria – é torpedeado sem piedade pela criatura que passa por ministro do Ambiente. E não se pode mudá-lo de planeta? Ou, no mínimo, de hemisfério?

funny-quotes-stupid-people

(não deveríamos mudar Lisboa de local, atendendo ao elevado risco sísmico?)

Sobre “Vergonhas”

Não tenho qualquer estima pelo André Ventura, pois não consigo apagar a “persona” mediática oportunista da CMTV (e nem todos os críticos de Sócrates são meus “amigos”), peão de interesses de que é apenas uma extensão, algo que me ensina que a sua colagem a polícias e professores não passa de caça ao voto. Pelo que não há qualquer proposta de “voto de condenação” que o redima do resto.

Mas também me escasseia o respeito pela actual segunda figura do Estado, que não passa de alguém a quem o PS devia pagar uma dívida grande pelo que o fez passar há 15 anos. E a forma inábil como se incomoda com termos como “vergonha” enquanto a mentira clara e despudorada de algumas intervenções parlamentares não lhe suscita qualquer reparo, pouco faz para que melhore a imagem que tenho dele, que é a de uma espécie de viscosidade do regime. Não sei, claro, se “viscosidade” é uma termo ofensivo, mas pensei que jabba the hutt seria pior.

Shameless1

 

Um Dia Como Outro Qualquer

Uma vergonha completa, que aqui se pode escrever, porque a pasmacenta segunda figura do Estado ainda não consegue chegar a todo o lado. A menos que, perante a sua evidente lentidão, lhe tenham crescido tentáculos autónomos.

Partidos livram-se de pagar centenas de milhares de euros em coimas prescritas

Nova Lei de Financiamento dos Partidos fez prescrever processos de contra-ordenação de partidos e seus responsáveis financeiros. Alguns destes eram deputados que estiveram na linha da frente da revisão da lei em 2018.

A classe política desacredita-se a si mesma, sem necessidade de qualquer ajuda. E acenar com o papão dos “populismos” é apenas uma reacção histriónica para consumo mediático, porque o pântano continua de excelente saúde, embora não se recomende a uma democracia que se queira respeitável.

Lama

Não Basta Dar Um Ar De Seriedade…

… porque nos tempos que correm as aparências só servem para iludir os incautos. Há que ter aquela dose extra de integridade para se ir além.

Segundo o “Correio da Manhã” esta sexta-feira, durante a reunião extraordinária do Conselho de Redação (CR) da RTP que aconteceu há dois dias, Maria Flor Pedroso admitiu que interveio numa investigação, que estava a ser preparada, sobre suspeitas de recebimento indevido de dinheiro vivo no processo de transferência de alunos do Instituto Superior de Comunicação Empresarial para outras instituições de Ensino Superior.

A diretora da RTP, que trabalhava como docente a tempo parcial no ISCEM, revelou que contactou a diretora desta instituição, Regina Moreira, para dar conta de que esta investigação estava a ser feita pela equipa do formato da RTP. Flor Pedroso disse tê-lo feito por acreditar que estava a ajudar no desenvolvimento do trabalho.

Todavia, a intervenção da diretora de informação acabou por se revelar desastrosa para a investigação uma vez que Regina Moreira terá entretanto resolvido as ilegalidades de que era acusada por alguns alunos e que estavam a ser analisadas pelo “Sexta às 9”.

Alcatrao2

(já agora, há por aí muit@s professor@s convidad@s em certas instituições que valem zero em termos académicos, mas o seu peso em ouro em “influência”)