Nunca, Em Tempo Algum, Me Ocorreu Que Augusto Santos Silva Defendesse Interpretações Literais das Leis…

… menos quando é da sua conveniência. Confesso que ASS é assim uma espécie de híbrido entre um maquiavel de 3ª fila e um mazarino sempre em busca de um rei que precise de eminência pardacenta.

Augusto Santos Silva: “Seria um absurdo uma interpretação literal da lei”

Bucket

De Volta Ao Mundo Real

Nos últimos dias, relatos na primeira pessoa que recebi e ouvi acerca da completa desumanidade de algumas Juntas Médicas da CGA. Felizmente, há quem ainda consegue reagir e num dos casos seguirá queixa para a Ordem dos Médicos. A descrição da situação particular foi muito “gráfica”, sendo que a pessoa que foi mandada trabalhar teve de dar entrada pouco tempo depois nos cuidados intensivos de um Hospital da margem sul onde ainda está. Há realmente doutor@s que são umas bestas quadradas… sendo que talvez a el@s fosse mais útil do que a nós uma “formação multinível” em qualquer coisa.

Tristesse

Isto É Um Suponhamos

Alguém que envia mensagens de Feliz Natal e Páscoa como agente imobiliário no activo de uma multinacional que começa em R e acaba em X e no meio tem EMA pode candidatar-se em listas para sindicatos de professores, profissão de que se aposentou depois de lavar uma valente coça eleitoral?

Pode, claro.

Submarino

(até porque assim se podem inflaccionar representatividades…)

 

 

Da Obscenidade A Céu Aberto

Há que admirar um gajo que goza na cara de toda a gente e ainda diz que quis ajudar bancos com “excesso de liquidez”.

Berardo1

Claro que ninguém se lembra de ter estado no governo de Sócrates que fez aquelas trocas e baldrocas com o CCB… e aposto que há muito escrevinhador de notícias que já se esqueceu de visitas, viagens, prendas, prosas…

Berardo Socas

E agora já há compromissos eleitorais e prioridades de governação que talvez não se oportuno recuperar.

A coleção Berardo, avaliada em 316 milhões de euros e uma das principais beneficiárias de subvenções do Estado, é uma das prioridades da Cultura do programa do PS. Se António Costa for indigitado primeiro-ministro, com o apoio do PCP e do BE, o futuro governo de esquerda compromete-se a manter a coleção Berardo em Portugal, lê-se na página 106 das 138 páginas do programa do PS, embora não sejam feitas as contas aos custos desta prioridade.

Berardo Costa

 

Retoma A Propaganda

20.44 – MST começa por dizer que existem três actores da crise e que dois não quiseram falar, pelo que fica o PM. Ou seja, PCP, Bloco, professores, etc, não conta. O início de António Costa é um estribilho das vacuidades habituais. Não vale a pena. Isto é um simulacro de informação e jornalismo. São dois comparsas à solta, sem contraditório. António Costa está como peixe gordo em piscina cheia de algas lamacentas.

Basta ver a imagem seguinte para ser preciso um enorme controle para evitar chamar imediatamente o gregório.

IMG_0867

Desliguei. É demasiado mau. Nem eu aguento tamanha falta de decência.

 

A Cereja No Topo Do Bolo Mediático Da Isenção Informativa

Na TVI, hoje, Miguel Sousa Tavares “entrevista” António Costa. Em vez de cataplana será servido churrasco com cheiro a professor assado em brasa lenta.

Como garantia de isenção “jornalística”, leia-se um naco da última crónica do “entrevistador”, perante quem a aversão do entrevistado aos professores parecerá amor apaixonado.

E o que dizer do rigor com que usa os números?

 PSD e CDS à direita, e Bloco e PCP à esquerda, juntarão os seus votos para amarrarem o país a uma despesa acrescida de 680 milhões de euros anuais na folha salarial da função pública — ou um total de mais de 800 milhões, se, como é inevitável que suceda, a satisfação das exigências dos professores se tornar também extensiva aos demais “corpos especiais” da Função Pública. É o equivalente, explicou Mário Centeno, à despesa orçamentada para os aumentos normais anuais dos trabalhadores do Estado, despesa essa que assim duplicaria o seu montante. Explicação inútil: a cobiça dos votos dos professores, dos magistrados e dos polícias ultrapassa qualquer outra consideração

CristinaMST